ESCOLHA A VIDA!

portas

 

Considerei como um dos símbolos desta geração anos atrás o controle remoto. Porque vivíamos época chamada de pós moderna, época do pluralismo, das muitas escolhas e com o controle nas mãos o indivíduo passeava pelas muitas opções e possibilidades. Surgiu até na época a palavra “zaping”, que descreve o ato de passear pelos canais de tv usando o controle remoto. No início dos anos 2000 se falava muito em pós-modernidade onde além das muitas opções que se ofereciam eles criam que a única verdade era que tudo é relativo. Pois, o entendimento era que não havia verdades absolutas e que a única verdade absoluta, que é uma contradição, era que tudo é relativo.

Hoje já se fala na era pós-verdade. Consideraram tudo relativo tanto que hoje para esta geração não existe mais a verdade como algo concreto. Hoje muitas informações que nos chegam não carregam mais a certeza de ser confiável. Todas sortes de Fakes News nos são divulgadas. Há uma sorte de citações de seletas personalidades com frases célebres que não correspondem a verdade.  Estranho o mundo que estamos vivendo. Estamos colhendo os frutos do tiro no pé é que demos em nós mesmos quando aceitamos a falsa ideia de que tudo é relativo. A geração atual, principalmente que atingiu a idade adulta na década de 2010, recebeu o título de “geração floco de neve” porque se ofende por tudo. Todo este combate a verdade absoluta fragilizou a sociedade que precisa de valores e verdades absolutas.

Podem existir no sentido humano muitas opções, mas espiritualmente falando não é assim. Cristo alerta: não há muitas opções, há apenas duas, não há muitos caminhos, há apenas dois. Um leva ao céu, o outro ao Inferno. No sermão do monte que é onde me baseio para escrever o que escrevo Jesus falou da impossibilidade de se servir a dois senhores e termina o sermão contando a parábola dos dois fundamentos, um que é o de areia e a outro que é o da rocha. O profeta Jeremias afirmou em 21:8 – Assim diz o Senhor: eis que ponho diante de vós o caminho de vida e o caminho da morte. Cristo enfatizou que há a necessidade da escolha e não há uma opção neutra. O profeta Elias em 1 Rs 18:21 perguntou ao povo: até quando coxeareis entre dois pensamentos?

No texto de Mateus 7:13 e 14 Jesus deixou bem claro que só há duas opções ou se entra pela porta larga ou pela porta estreita. A porta larga é fácil e não precisa deixar nada. A porta estreita é difícil e é preciso abandonar o pecado,  como o  egocentrismo e o mundanismo por exemplo. Jesus disse: entrai pela porta estreita, sendo a porta o próprio Jesus que disse em outra ocasião: Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá e achará pastagens (Jo 10:9).

No mesmo texto de Mateus 7 Jesus afirma que só há dois caminhos o largo, espaçoso e o caminho apertado. O caminho estreito é Jesus, que disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém chega ao Pai a não ser por mim. Pedro em Atos 4:12 afirmou: E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devemos ser salvos. Tal entendimento se manifestou nos primeiros cristãos que foram chamados de seguidores do caminho (At 24:14).  O caminho largo é o caminho proposto pelo sistema pecaminoso deste mundo que é governado por Satanás. É o caminho mais fácil. Em Salmos 1 o salmista faz a afirmação que O Senhor conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá (v.6).

Como há duas opções e dois caminhos haverá também dois resultados. Quem escolhe a porta larga e o caminho largo terá como resultado a perdição e a destruição. Quem escolhe a porta estreita e o caminho apertado terá como resultado a vida. Certa vez Jesus afirmou que o ladrão (que é satanás por antítese) vem senão para roubar, matar e destruir e Ele tinham vindo para dar vida, e vida com abundância. Quem escolhe a porta estreita, que é Jesus, o caminho apertado, que também é Jesus, encontra a vida ao contrário desta escolha encontrará perdição eterna.

Fica entendido também no texto que há o grupo dos muitos que escolhem o caminho que leva a perdição e o grupo dos poucos que escolhem a vida. Paulo escreve aos coríntios (1:18) – Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos é o poder de Deus. O povo de Deus não é mais escravo do pecado e nem escravo do sistema pecaminoso que domina este mundo por onde a maioria é dirigido.

Diante do exposto fica dito que temos duas escolhas:

– Porta estreita ou porta larga

– Caminho estreito ou caminho largo

– Caminho que conduz a vida ou o caminho a perdição

– Pertencer ao grupo dos poucos ou ao grupo dos muitos

O desafio de Deus feito por Moisés ao povo de Deus é o mesmo desafio para nós – “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, que tenho proposto a vida e a morte, a benção e a maldição, escolhe, pois a vida, para que vivas tu e a tua semente” (Dt 30:19).

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

VERSÍCULOS PARA ANIVERSÁRIO.

ANIVERSÁRIO

Os versículos escolhidos para aniversário podem ser usados fora dos seus contextos, ou seja, você poderá usá-los para dar parabéns a alguém sem dificuldades. Como se trata da Palavra de Deus as aplicações dos versículos são variadas desde que orientadas pelo Espírito Santo de Deus.

1 – “O SENHOR te abençoe e te guarde; o SENHOR faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o SENHOR sobre ti levante o rosto e te dê a paz.” (Números 6:24-26)

2 – “Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda.” (Salmos 139:16)

3 – “Agrada-te do SENHOR, e Ele satisfará os desejos do teu coração.” (Salmos 37:4)

4 – “Filho meu, não te esqueças dos meus ensinos, e o teu coração guarde os meus mandamentos; porque eles aumentarão os teus dias e te acrescentarão anos de vida e paz.” (Provérbios 3:1-2)

5 – “Uma coisa peço ao SENHOR, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do SENHOR e meditar no seu templo.” (Salmos 27:4)

6 – “Este é o dia que o SENHOR fez; regozijemo-nos e alegremo-nos nele.” (Salmos 118:24)

7 – “A bênção do Senhor é que enriquece; e não traz consigo dores”. (Provérbios 10:22)

8 – “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.” (Salmos 37:5)

9 – “Pois tu formaste o meu interior tu me teceste no seio de minha mãe. Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem; os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda. Que preciosos para mim, ó Deus, são os teus pensamentos! E como é grande a soma deles!” (Salmos 139:13-17)

10 – “Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma.” (3 João 1:2)

11 –  “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios”. (Salmos 90:12)

12 – “Porque a mim se apegou com amor, eu o livrarei; pô-lo-ei a salvo, porque conhece o meu nome. Saciá-lo-ei com longevidade e lhe mostrarei a minha salvação. (Salmos 91:14;16)

A maioria dos versículos escolhidos foram extraídos da postagem https://www.jcnaveia.com.br/diversos/os-12-melhores-versiculos-para-aniversario/

   QUANDO CRISTO É TUDO EM TODOS.

cristo é tudo

É quase cair no comum dizer para o cristão que Cristo deve ser o centro da sua vida. Dizer que Cristo deve ocupar o primeiro lugar. Mas, pensemos o que aconteceria com uma Igreja local se Cristo fosse tudo para todos? Se o maior ceria com uma Igreja local se Cristo fosse Tudo para todos? tesouro de todos fosse Cristo? Como é importante que Cristo seja O centro da Igreja local. Quantas igrejas não estão focadas na personalidade humana de seu líder? Na epístola de Paulo aos Colossenses capítulo 3 a partir do versículo 10 até o 17 descobrimos as características de uma Igreja local se Cristo fosse tudo.

  1. Viveríamos de for abundante e renovadora a vida que Cristo nos deu. A vida seguiria de forma mais plena o propósito de Deus de fazer seus servos semelhantes a Cristo. A promessa na Palavra é que as coisas contribuíam para o bem daqueles que amam Deus e que o propósito seja cumprido cabalmente. As coisas da velha vida serão substituídas cada vez mais por novos valores e virtudes da nova vida em Cristo em Jesus se Ele for tudo em todos (v.10, 12)
  2. Não haveria segregação na Igreja porque todos estão focados e caminhando para o alvo que é Cristo. Não haveriam divisões por questões étnicas, culturais e sociais. Prevaleceria a nova vida que Deus outorgou a todos em Cristo Jesus. No corpo de Cristo não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro (povo fora da cultura greco-romana), cita (povo rude), servo ou livre, mas há a família de Deus.
  3. Novas qualidades ficariam em evidência (v.12). Qualidades que brotariam de dentro pela obra e união com Cristo que temos. Qualidades como a misericórdia, benignidade, humildade, mansidão e longanimidade permeariam os relacionamentos. O fato de sermos filhos de Deus e vivenciarmos as virtudes do Espírito se destacariam em nossas vidas.
  4. Suporte e perdão existiriam nos relacionamentos (v.13). As novas qualidades permeariam os relacionamentos que teriam a fraternidade necessária para a convivência entre os irmãos de fé. Apoio aos que precisam de ajuda. O perdão seria dado por consciência do perdão que recebeu de Deus. Uma nova oportunidade seria dada aos que se arrependessem. A questão é que não haveria perfeição na Igreja, mas a Graça de Deus que se manifestou para com eles se manifestaria também entre eles.
  5. O amor seria o princípio norteador das virtudes (v.14). A nova vida que recebemos em Cristo foi acompanhada do Espírito Santo que derramou no coração dos filhos de Deus o amor de Deus. O amor é que une as virtudes existentes na vida do cristão, pois é a virtude primária do fruto do Espírito na Igreja. Sendo Cristo tudo em todos o amor que une as virtudes seria o norteador das ações e virtudes existentes, não a carne ou o intelecto, mas o amor de Deus derramado nos corações.
  6. A paz, a gratidão e a Palavra de Deus dominariam o nosso coração (vs. 15 e 16). Consequentemente haveria o apoio mútuo, o encorajamento uns dos outros e o ensino. O isolamento não predominaria, mas uma interdependência e fraternidade no corpo da Igreja local seriam marcas predominantes.
  7. Haveria verdadeira adoração (v.16) A ambiência dos cultos seria de hinos inspirados pelo Espírito onde a Graça de Deus se manifestaria nas variadas formas de se prestar culto. Os relacionamentos seriam nutridos pela adoração a Deus que incluiria o serviço ao Senhor ministrados uns aos outros como expressão de adoração e amor ao próximo através da edificação.
  8. Haveria a busca constante pela Glória de Cristo (v.17). Quer por palavras ou por obras a Igreja caminharia buscando a Glória de Deus se Cristo for tudo em todos. Não haveria distinção entre o “secular” e o “sagrado” tudo que se fizesse teria o intento da gratidão, serviço a Deus e ao próximo.

Estas verdades nos alertam sobre a necessidade de vivenciarmos a comunhão com os santos pois temos comunhão com Deus. O avivamento e a renovação de uma pessoa influenciará ao outro ter experiência semelhante. Quando Cristo é tudo para ele esse será um instrumento para que outros tenham Jesus da mesma forma. Um verdadeiro avivamento fará que Cristo seja tudo para todos e que outros sejam acrescidos e convertidos nos corações a Cristo. Vamos aprofundar-nos na vida que Jesus nos deu. Como alguém já disse: “a nossa parte é aprofundar o nosso ministério e a extensão que ele alcançará pertence a Deus”, que nos mandou ir até aos confins da terra.

A parábola da grande pérola mostra a sublimidade que Cristo deve ter sobre todos. Conta a história de um negociante de pérolas, que representa um homem interessado nas coisas espirituais e que investiga as possibilidades, mas quando encontrou a pérola de grande valor, que representa o Reino de Deus, vende tudo o que tinha adquirido para obter a grande pérola. Jesus é Sublime, Incomparável, que Ele seja tudo em todos na tua Igreja local.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

PRESOS, PORÉM, LIVRES!

paulo e silas

Quando pensamos em prisões pensamos normalmente nas prisões tradicionais onde os criminosos estão detidos por causa dos seus crimes que foram julgados pela justiça, mas há outros tipos de prisões que podem deter e impedir pessoas de se movimentarem livremente e desembaraçadamente. O prisioneiro, escrevamos assim, é o indivíduo que está privado da sua liberdade de forma variadas.

A história acontecida com Paulo e Silas em Filipos mostram tipos de prisões diferentes e não somente aquela em que eles foram lançados injustamente. Há muitos tipos de prisões como as espirituais, a ganância, medo e há aqueles que estando presos são verdadeiramente livres.

A prisão espiritual é retratada nessa história em Filipos. Durante o seu trabalho de evangelização Paulo foi importunado por uma menina que era escrava epossessa por um espírito de adivinhação. Era uma pessoa explorada pelos seus senhores e possuída por espíritos demoníacos. Portanto, vivia numa prisão espiritual. A adivinhação dela não era um truque, ou uma superstição, mas eram espíritos do mal que faziam ela adivinhar. Especificamente o espírito que possuía era conhecido na religião grega como píton, que era uma cobra imensa, por isto ela era chamada de pitonisa. Como esta menina há muitas pessoas em prisões espirituais que pode até parecer trazer alguma vantagem, mas o inimigo dá para prender e impedir a pessoa de conhecer a Deus. O inimigo dá para depois aniquilar totalmente a pessoa. Na Bíblia vemos muitos exemplos destes tipos de prisão espiritual por possessão demoníaca. Essa menina foi liberta pelo poder de Deus e perdeu a capacidade demoníaca de adivinhar.

Nessa história vemos outro tipo de prisão que é a ganância, a ânsia exagerada pelo ganho. A menina pitonisa era escrava de determinados senhores que lucravam com sua adivinhação. Quando ela foi livre do espírito de adivinhação parou de dar lucro para seus senhores que se sentiram atingidos profundamente pela perda. Eles eram prisioneiros da ganância tanto que não se alegraram com a libertação espiritual da moça, pelo contrário sentiram se prejudicados com tal libertação. Para eles a moça era uma mercadoria. O objetivo deles era lucrar. Quando viram perder o lucro prenderam Paulo e Silas, e os levaram à praça, à presença dos magistrados que juntamente com a multidão acoitou-lhes depois de rasgar suas vestes. Não houve um cuidado na hora de apurar com justiça o que Paulo e Silas fizeram. A ânsia de puni-los pela perda do lucro foi tão grande que negligenciaram a cidadania romana deles e os açoitaram sem um julgamento. Paulo em outra ocasião ao escrever a Timóteo afirmou que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Esses senhores envolvidos pela ganância cometeram injustiças e arbitrariedades.

Ainda vendo alguns tipos de prisões vemos aqui que havia outros prisioneiros na prisão em que Paulo e Silvas foram lançados, que estavam ali trancafiados pela justiça dos homens por causa dos crimes cometidos. Esses eram pessoas que normalmente classificamos como prisioneiros. Hoje em nosso País temos uma população carcerária maior do que as nossas prisões comportam e os prisioneiros estão em condição sub-humana sujeitos há vários tipos de males. O indivíduo que paga pelo seu crime encara os efeitos dos seus atos cometidos e muitos desses não se reabilitam voltando depois para a sociedade piores do que entraram com algumas exceções, é claro. Podemos dizer que estes tipos de prisioneiros são aqueles tipicamente que vemos como tais. Homens e mulheres continuam sendo presos por cometerem crimes que agridem a sociedade e a Deus.

Neste acontecimento há também o prisioneiro pelo medo, que foi o carcereiro, que era responsável por manter os prisioneiros trancafiados e acorrentados. Apesar de parecer que ele tinha liberdade ele estava agrilhoado pelo medo. Como carcereiro ele era responsável pela manutenção dos prisioneiros em seus cárceres podendo pagar com a vida se algum deles fugissem. Percebemos pela história que ele vivia em tensão sabendo dos riscos que ele corria e temia sobremaneira a fuga de algum prisioneiro. Ele temia a punição de seus superiores que seria possivelmente a morte. Quando ele notou que depois do terremoto acontecido na prisão porque Paulo e Silas cantavam e os prisioneiros tiveram seus grilhões quebrados, cadeias abertas e eles poderiam fugir, ele tentou o suicídio. Mas, foi interpelado por Paulo e Silas que impediram a ele cometer o mal contra si mesmo. Paulo gritou: não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. O carcereiro cônscio de que estava acontecendo pediu ajuda a Paulo e Silas dizendo: Senhor, que é necessário que eu faça para me salvar? Paulo respondeu: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e tua casa. O carcereiro creu e foi liberto da prisão do medo pois levou Paulo e Silas para sua casa, lavou as feridas deles, foi batizado, pôs a mesa para eles e alegrou-se com todos da sua casa que creram em Jesus e foram batizados.

Enquanto, Paulo e Silas em parte do acontecimento estiveram presos de fato e em verdade nunca deixaram de ser livres. Mesmo açoitados e com os pés no tronco que era um instrumento de tortura, construído de tal modo que forçava as pernas ficarem bem separadas uma da outra e causando assim grandes sofrimentos estavam espiritualmente livres. Em Cristo, podemos passar situações imobilizantes, porém, seremos verdadeiramente livres. Podemos ser limitados na saúde, nas finanças, socialmente, nos relacionamentos, mas em Cristo seremos livres.  Como Paulo dizia, preso pela justiça, por pregar o evangelho, se dizia livre e prisioneiro de Cristo. Quem está ligado a Jesus está verdadeiramente livre. É servo de Cristo, mas é uma servidão voluntária onde há verdadeira liberdade. Paulo e Silas presos injustamente cantaram a meia noite. Mesmo nesta condição e feridos impediram o carcereiro de cometer o suicídio. Aceitaram ir em sua casa, e tiverem suas feridas lavadas por ele sem ressentimentos, pregavam o evangelho para todos da casa e ainda batizaram o carcereiro e os familiares porque apesar de tudo sempre foram livres em Cristo Jesus mesmo que passando por uma situação limitante. Jesus certa vez falou: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (João 8:36). Paulo e Silas foram presos, porém, eram verdadeiramente livres. Talvez você que está em Cristo possa estar passando por uma situação limitante, mas é verdadeiramente livre.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A FELICIDADE DOS PACIFICADORES.

pacificadores

É tão chamativo o fato de Jesus ter dito que os pacificadores seriam chamados filhos de Deus. Mostrando que a paz é algo tão intrínseco a Deus e que seus filhos carregariam esta marca mesmo o homem sendo suscetível a violência até entre seus familiares como foi o caso do primeiro homicídio entre os dois irmãos Caim e Abel.
A pessoa se torna filho de Deus por adoção quando recebe a Jesus e nasce de novo (Jo 1;12). Deixa de contender contra Deus (Os 4:1) e passa ter paz com Deus (Rm 5:1). Portanto, o pacificador é aquele que é nascido de novo e deseja paz estando disposto a fazer tudo quanto for verdadeiro para que esta paz esteja presente em todos os níveis. Digo isto, porque muitos pensam que pela paz se pode fazer qualquer “coisa”, mas não deve ser assim. O pacificador procura a paz e segue-a (Sl 34:14 e Rm 14:19). Seguindo-a ele não tem a vida contaminada pela amargura (Hb 12:14 e 15).
A personagem Jack Bauer da série 24 horas retrata bem o pensamento de muitos. Ele fez muitas coisas de forma arbitrária para manter a paz e usou de métodos controvertidos e até torturas. O pacificador não vê a paz como apenas uma finalidade, mas como o modo de conduzir a própria vida. Portanto, não usará de meios arbitrários.
Por mais que tentemos fazer a paz com determinadas pessoas, elas se recusaram a viver em paz conosco, porque somos de Cristo, e nosso estilo de vida cristão revela a inimizade já existente contra Deus, A nossa parte é seguir a recomendação: “se for possível, quando estiverdes em vós, tendes paz com todos os homens”. Como filhos de Deus desejaremos a paz indo contra o fluxo de ódio, rancoroso deste mundo. Teremos a disposição para pedir perdão e perdoar. Buscando a reconciliação para que possamos cultuar a Deus sem empecilhos (Mt 5:23 e 24).
Não devemos nos assombrar, e nem nos maravilhar, quando tais coisas acontecem, porque primeiro aconteceu com Cristo. Como Jesus alertou aos seus discípulos primeiro odiaram a Ele. Somos seguidores de Cristo e como tais, receberemos retaliações e perseguições. Quando isto acontecer pela causa de Cristo devemos: “exultar e nos alegrar porque grande é o nosso galardão no céu”. Estamos tão identificados com Cristo e Sua causa que a animosidade a Ele vira antagonismo a nós.
Diante das situações de oposição o pacificador também tem que lidar com a forma de reagir aos enfrentamentos oposicionistas. Portanto, é importante saber reagir positivamente ao mal combatendo-o com o bem (Rm 12:18-21). Não podemos nos esconder em desculpas e reagirmos de forma destrambelhada ao ódio deste mundo. Quando se combate o mal com o mal se está sendo derrotado. O pacificador é aquele que responde a palavra dura com brandura (Pv 15:1), tardio no falar e pronto a ouvir (Tg 1:19). Como Paulo escreveu aos Coríntios: “as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruir fortalezas” (II Co 10:4). Portanto, como pacificadores nos utilizaremos destas armas disponíveis em Cristo que habita em nós pela pessoa do Espírito Santo.
Concluindo, podemos afirmar que o pacificador será levará a mensagem do evangelho, que são as boas-novas da Paz com Deus, que é refletida em paz nos relacionamentos. Como parte da armadura cristã estão os pés do crente calçados dos na preparação do evangelho da paz (Ef 6:15). Jesus na cruz desfez a inimizade que havia entre gentios e o povo de Deus mostrando que o caráter do cristianismo é a pacificação. Como Paulo falou a respeito de Cristo: E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto (Ef 2:17). Unindo aqueles povos que eram antagônicos em um único povo, que é a família de Deus, a saber os que creem em Jesus. A mensagem que o crente proclama é da reconciliação, mas somos mais do que arautos, somos embaixadores da reconciliação. “Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: Reconciliem-se com Deus” (2 Co 5:20).
Felizes são vocês os pacificadores!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

NÃO SEJA DOMINADO PELA ANSIEDADE.

ansiedade

Jesus no sermão do monte trata de vários assuntos sendo um deles a ansiedade. A ansiedade é algo comportamental que foi adquirida pela pessoa através da convivência, da educação e das experiências de vida. Uma em quatro pessoas do mundo tem algum problema relacionado a ansiedade. Segundo Billy Graham ela é o resultado natural de centralizarmos as nossas esperanças em qualquer coisa menor que Deus e que Sua vontade para nós.

Muitos pensam que a ansiedade é sentida ou não da mesma forma como ligamos ou desligamos a luz no interruptor. Se quisermos nos livrar dela basta nos desligarmos dela desejando e desligando-a. A ansiedade não é tão simples assim e suas ramificações são surpreendentes para a pessoa que sente e muitas vezes para o ciclo de relacionamento da pessoa ansiosa. Certos comportamentos atípicos e fora do eixo são resultados da exacerbação da ansiedade.

Jesus mostrou que uma das razões para a ansiedade é a falta de noção do homem daquilo realmente importa. Se não valorarmos a nossa vida, a criação e o Reino de Deus de forma acertada seremos dominados pela ansiedade que consome as forças e a própria vida.

O alimento, a bebida e o vestuário para muitos representam a totalidade da vida humana. Por assim muitos sofrem ansiedade com estas coisas. Jesus, porém, advertiu que a vida vale mais do que estas coisas. O ser humano tem valor superior e não pode ser medido pelo que possui. Deus mostrou o quanto se importa com o homem enviando O Seu Filho para morrer por ele. A vida vale mais do que mantimento. O corpo vale mais do que as vestes.

Jesus também ao tratar o assunto faz uma comparação do homem quanto ao seu valor com a natureza. Afirmando que a vida vale mais do que os pássaros. Eles têm sua alimentação por causa da Provisão Divina, pois o nosso Pai Celestial é criador e sustentador da criação incluindo dos pássaros. Não será assim com o homem? A ansiedade do homem não trará uma duração maior da sua vida. Jesus também mostrou que a vida do homem vale mais do que os lírios, que não trabalham nem fiam mas se vestem melhor do que Salomão em toda a sua glória. Se o homem tiver uma ansiedade exacerbada, que não seja por motivo de doença, mostrará que sua uma fé não está amadurecida.

Ainda relacionando a ansiedade com a valoração, Jesus ensina que O Reino de Deus vale mais do que as coisas materiais. Os pagãos é que priorizam estas coisas. Deus sabe o que necessitamos. Portanto, confiemos nEle a cada dia. Priorizemos o Reino de Deus, Sua justiça e as outras coisas serão acrescentadas. Deus vale mais do que tudo. Não podemos deixar que os bens ocupemos o primeiro lugar em nossa vida. O nosso maior tesouro precisa ser o celestial. Não dividamos o nosso coração com os bens. O primeiro lugar precisa ser O Senhor.

Não se deixe dominado pela ansiedade. O Reino de Deus vale mais. A sua comunhão com Deus é mais preciosa do que as coisas. Deus cuida de você e sabe o que você necessita. Busque a Ele, O Seu Reino e Ele te acrescentará o que você necessita. Faça sua parte para obter o sustento, mas sempre coloque e sirva a Deus como o primeiro.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

QUANDO O ORGULHO ATRAPALHA.

orgulho

O orgulho atrapalha e continua atrapalhando. Relacionamentos arruinados, empresas em bancarrotas e Países a beira do colapso por causa do orgulho. Desde Adão e Eva têm sido assim na história da humanidade. Por desejarem conhecer igual a Deus eles pecaram. Segundo o apostolo João a soberba da vida é um dos fatores que levam o homem a pecar como foi com o primeiro casal. Em nossa sociedade o  orgulho movimenta em boa parte os desejos e as atitudes da maioria que remam em sentido contrário a Deus. Tentando construir reinos privados que visam a glória de si mesmos em detrimento do Reino de Deus.

Diótrefes é um homem na Bíblia que atrapalhou o bom andamento da Obra do Senhor. Ele queria ter a primazia na Igreja a qualquer custo. Discordou de João não por causa do ponto de vista doutrinário, mas por ambição pessoal. Rebelou-se contra a autoridade apostólica de João, que tinha escrito uma carta para igreja que recomendava a Igreja hospedar missionários. Diótrefes destruiu a carta, impediu que os irmãos recebessem missionários e ainda expulsava os que o recebiam. Proferia palavras para impedir que alguém tivesse a primazia na Igreja que não fosse ele. Ele viu os missionários como uma ameaça ao seu primado. John Stot afirmou que a vaidade pessoal ainda está na raiz da maioria das dissensões em toda a Igreja local.

O povo de Edom também andou pelo caminho do orgulho. Eles se vangloriaram da derrota do povo de Deus para os babilônios, também ajudaram o inimigo e aproveitaram a oportunidade para roubar em Jerusalém (Ob v.13) Eles vivam nas cavernas das rochas, lá no alto das montanhas e por isso pensavam que nunca seriam derrotados, mas foram derrubados por causa do juízo Divino. O profeta Obadias profetizou sobre o pecado do povo e da consequente destruição que sofreriam.

Nabucodonozor foi um grande rei do Império Babilônico quando Babilônia estava no seu apogeu. Ele mesmo avisado por Deus para não fazê-lo se vangloriou da glória que teve deleitando-se na própria soberba e conquista. O orgulho foi um laço para ele que lhe atrapalhou. Deus executou um juízo na vida de Nabucodonozor que foi tirado do trono, do convívio com os homens e viveu 7 anos como um animal fora do Palácio ao relento sendo molhado pelo orvalho.

Poderia citar muitos mais exemplos de como o orgulho atrapalha a si mesmo, aos outros e afronta a Deus. Deus resiste aos soberbos e dá graças aos humildes. Devemos cultivar a humildade, que é o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus. O humilde entende que as primeiras posições são posições servidoras. É para servir a Deus e ao próximo que se é colocado na liderança, e não para ser utilizar egoisticamente das prerrogativas visando somente seu próprio benefício.

Os discípulos de Cristo também apresentaram dificuldades em compreender a diferença do modo de viver de Cristo em relação a outros líderes religiosos do seu tempo. Enquanto, os religiosos buscavam a glória dos homens Jesus buscava a Glória de Deus. Houve em alguns momentos entre os discípulos discussões por disputas de posições no futuro reino esperado por eles. Jesus usou como exemplo uma criança para falar de humildade e ensiná-los sobre a grandeza do Reino dEle.  Em outra ocasião Tiago e João pediram a Jesus que eles ocupassem uma posição de honra no Reino dEle e Jesus disse que não era assim, que a grandeza do Reino dEle era servir, que o menor seria o maior, e que Ele próprio não veio para ser servido, mas para servir. Foi conhecendo seus discípulos que Jesus antes de ser preso na ceia lavou os pés dos discípulos e recomendou que eles fizessem a mesma coisa que ele, ou seja, que tivessem uma vida de serviço a Deus a ao próximo e não cedessem ao orgulho vão.

Na verdade, até os dias de hoje ainda há esta tensão. O orgulho continua atrapalhando. Pessoas servem a Cristo com mente secularizada em busca de ascenção social por meio da religião. Tão diferente de Cristo que serviu, se doou e não se utilizou da popularidade para se regalar e tirar benefícios. A carta aos Filipenses que é uma carta de agradecimento mostrou que mesmo numa igreja boa acontecem contendas por causa do orgulho. A recomendação de Paulo foi que eles tivessem o mesmo sentimento de Cristo Jesus, que sendo Deus, não fez valer seus direitos a força, mas tomou a forma de servo e por isto a exaltação veio de Deus e não por meios compulsórios. A humildade precede a honra mesmo que o humilde não priorize a honra como faz o soberbo, que prioriza a glória vã e passageira, e cuja soberba precede sua destruição.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).