ORIGENS DO PENTECOSTALISMO.

 

O pentecostalismo teve origem nas doutrinas de John Wesley. O fundador do metodismo acreditava que o homem devia, após a justificação, de dedicar-se a santificação.

Dessa concepção se apropriaram os evangelistas e teólogos que faziam parte do movimento de santificação (holiness), surgido nos EUA em meados do século XIX. Esse movimento separou-se dos metodistas carismáticos, distinguindo conversão de santificação e denominando esta última de “batismo do Espírito Santo”. Os principais representantes dessa corrente foram Asa Maham e Charles Finney. Havia muitas especulações quanto aos fatos que caracterizavam uma experiência em que ocorresse o batismo no Espírito Santo.

Foi Charles Parham quem realmente aprofundou a discussão em torno do Batismo no espírito Santo.

Parham fundou o lar de Curas Betel (1898) e o Colégio Betel (1900) na cidade de Topeka, Kansas. Porpôs, para seus alunos, a seguinte questão: existiria uma evidência bíblica para o batismo do Espírito Santo?

Após um tempo de pesquisa na Bíblia, os estudantes chegaram à conclusão de que a glossolalia era o sinal que procuravam. Se havia tal evidência na Bíblia, faltava uma experiência em quem alguém falasse as novas línguas. Este fato ocorreu na passagem do ano de 1901. Durante uma vigília Agnez Ozman (uma das alunas de Parham (sentiu a necessidade de receber preces coma imposição de mãos. Com a oração Ozman falou em outras línguas: era o começo do pentecostalismo nos EUA.

Em 1905, Parham criou a escola bíblica de Houston, no estado do Texas. Dente seus alunos estava W. J. Seymour, que era um pregador negro pertencente à seita Holiness (santidade). Convencido que a glossolalia sinalizava o batismo no Espírito Santo, Seymour passou a destacar essa sua experiência em suas pregações. As reuniões promovidas por Seymour passaram a se realizar em uma casa ao norte de Los Angeles.

No dia 6 de abril de 1906, sete pessoas, entre elas um menino de oito anos, falaram em línguas estranhas e aqueles que ouviam os sons intensos (músicas, palmas) começaram a freqüentar a casa onde as pregações ocorriam.

Seymour se transferiu para um velho tempo metodista na Rua Azuza, onde por três anos as reuniões se sucederam dia e noite.

No início isolados, os grupos pentecostais logo passaram a se associar e realizaram a primeira convenção em Hot Springs, no estado do Arkansas, em 1914. Tal convenção favoreceu a criação das Assembléias de Deus, que apresentaram um crescimento acelerado.

As reuniões organizadas por Seymour na Rua Azuza, em Los Angeles, eram freqüentadas por evangélicos, em sua maioria negros.

Os protestantes brancos separavam-se dos protestantes negros, que em seus cultos manifestavam a fé com comportamento alegre e de improviso. Se os evangélicos negros não dissociavam sua religiosidade das lutas sociais, os brancos optaram por uma “espiritualidade radical” separada por eventos ocorridos na sociedade e em seu cotidiano.

A teologia pentecostal tem o batismo no Espírito Santo como uma experiência posterior a conversão tendo como evidência a glossolalia  o seu ponto central.

(O texto é uma compilação do livro: Pentecostalismo: sentidos da palavra divina. LUÍS DE CASTRO CAMPOS JR. Editora Àtica. 1995.)

azuza

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s