CURANDO O INIMIGO.

 

05_orelha_vermelha Texto Base:  Lc 22.47-51

47 E, estando ele ainda a falar, surgiu uma multidão; e um dos doze, que se chamava Judas, ia adiante dela, e chegou-se a Jesus para o beijar.

48 E Jesus lhe disse: Judas, com um beijo trais o Filho do homem?

49 E, vendo os que estavam com ele o que ia suceder, disseram-lhe: Senhor, feriremos à espada?

50 E um deles feriu o servo do sumo sacerdote, e cortou-lhe a orelha direita.

51 E, respondendo Jesus, disse: Deixa-os; basta. E tocando-lhe, o curou.

Numa época onde a violência está em cada esquina, balas perdidas, assaltos, vinganças, milícias, quero trazer um pequeno estudo sobre o último milagre corporal realizado por Cristo. Tal milagre sintetiza a mensagem de paz, de amor e de cura que o cristianismo pode trazer. É sobre a cura de Malco, cujo nome no hebraico significa conselheiro, criado particular ou escravo do sumo-sacerdote Caifás. O seu nome é citado por João que também cita que foi Pedro que cortou-lhe a orelha (Jo 18.10); porém João omite a cura do mesmo. Só Lucas, o médico, registra o milagre. Mateus (Mt 26.51 e 52) e Marcos (Mc 14.47) registram a retaliação por parte do díscipulo, sem citar o nome do autor do golpe contra Malco e sua cura.

Devo, antes de abordar a cura do servo, pintar o quadro, mostrando o cenário desta cura. Aconteceu no jardim de Getsêmane (o nome significa “prensa do óleo” ou “lagar de azeite”), também chamado de Jardim das Oliveiras, onde Jesus estava com seus discípulos, Levando Tiago, João e Pedro para um lugar mais reservado. Ali Jesus, em oração, suou gotas de sangue, vivendo o significado do nome daquele lugar, e mostrou a sua submissão à vontade do Pai. Tal passagem mostra claramente a sua humanidade. Mesmo sendo Deus, viveu sua humanidade plenamente. Procurou três vezes seus discípulos e encontrou-os dormindo. De repente aparece uma multidão com varapaus e tochas, acompanhada de Judas, um dos doze, o qual beija Jesus para o identificar. Quando Pedro percebeu a emboscada, sacou da espada e acertou a orelha de Malco. Jesus disse: “Embainha a tua espada; porque todos que lançarem mão da espada, à espada morrerão” (Mt 26.52). Jesus vai mais além, dizendo: “Pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras que dizem que assim convém que aconteça?” (Mt 26.53 e 54). Depreendemos quatro lições destas palavras de Cristo. Primeiro, ao usarmos a espada, atrairemos a espada de volta. A violência gera violência. A palavra dura gera a ira, mas a palavra branda desvia o furor (Pv 15.1) A segunda lição, que Jesus tinha poder para impedir a sua prisão na hora que quisesse. Tanto que ele manifestou seu poder curando Malco e, quando Jesus se apresenta, algumas pessoas caem por terra (Jo 18.6). A pergunta dele foi: pensas tu que eu não poderia agora orar(…)? Jesus podia e continua podendo. Às vezes nos acontecem coisas que nós perguntamos por que Deus não evitou. A terceira é que aquilo aconteceu para que se cumprissem as Escrituras. Tudo aquilo fazia parte dos planos de Deus. A quarta é que as armas que Cristo tinha eram maiores do que a espada. Jesus falou em doze legiões de anjos. (As legiões romanas contavam 6.000 homens). As armas que o cristão dispõe não são carnais, mas poderosas em Deus para vencer as situações que se levantam (Ef 6.10-20; 2 Co 10.4). “Cristo jamais pensou em implantar seu reino ou a sua nova doutrina, por meio da violência” (in:Milagres de Jesus e sua função pedagógica. Sátilas do Amaral Camargo).

Observe a pergunta feita a Jesus, antes de Pedro desferir o golpe: Senhor, feriremos à espada? (Lc 22.49). Quem fez a pergunta? Pedro? Não sabemos exatamente. Como lidar com aqueles que são os nossos opositores? Como lidar com nossos adversários? Usando a espada da língua? Usando a espada da vingança? Usando a espada da ofensa? Usando a espada do revide? Usando a espada do rancor? Tais perguntas, muitas vezes, nos fazemos. Malco estava ali para prender a Jesus. Era um opositor de Cristo. Porém, o Cristo que ensinou sobre o perdão e dar a outra face não respondeu a agressividade de Malco com agressividade. Ao invés de respondermos com espada, devemos responder as ofensas com perdão. Veja o texto de Mt 18.21-35. A tradição rabínica dizia que se devia se perdoar três vezes. Pedro quis ser generoso, quando perguntou se deveria perdoar até sete vezes. Jesus mostrou que o perdão não pode ser mensurado pelo conta-gotas do homem e que deve ir além dos mesquinhos cálculos humanos. Pois o perdão é uma nota paga, vencida e incinerada. Como deve ser o nosso revide? Como combater a oposição? Inúmeras vezes justificamos reações explosivas e agressivas por causa das ações dos outros. Porém Jesus, em Mateus 5.38-48, ensinou como devem ser as nossas reações. Em Romanos 12. 20 e 21, Paulo escreveu: “Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” O mal e a oposição devem ser combatidos com o bem. É assim que se vence o mal. Quando combatemos o mal com mal, somos vencidos pelo mesmo.

Não sabemos exatamente como aconteceu a cura de Malco. Cristo deve ter pegado a orelha decepada de Malco no chão e colocado de volta com um toque restaurador. Entretanto esse milagre revela a essência do ministério de Cristo. Cristo veio a terra para curar seus inimigos, seus opositores e transformá-los em amigos, em irmãos dele. Veja o que está escrito em Colossenses 1.21 e 22: E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis. Em Romanos 5.8 está escrito: Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. A verdade da Palavra de Deus é que éramos inimigos de Deus e Cristo veio para nos reconciliar com Deus. Veja 2 Co 5.19: a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação. Mesmo a humanidade estando em rebelião Jesus Cristo morreu por ela.

A cura de Malco é somente registrada em Lucas e em apenas um versículo. Porém o seu significado é imenso. Se seguíssemos a essência desse milagre, não haveria guerras, assassinatos, vinganças pessoais etc. Muitos preferem o uso do poder da espada para combater os adversários. Jesus, que demonstrou em todo seu ministério ter um maior poder que as armas humanas, absteve–se de usar as doze legiões de anjos, para usar o poder do amor; e aquilo que pareceu ser derrota foi na verdade a sua vitória. Usemos o poder do amor e vençamos.

(O autor é o Pr Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

5 Respostas para “CURANDO O INIMIGO.

  1. jasiel villa nova rego

    É verdade.Nunca tinha ouvido um texto tão bem decifrado como ese Curando o Inimigo. Leva-me a refletir profundamente.

  2. Ricardo Vitor

    Pr. Eber que palavra abençoada foi essa, hein ?
    Jesus continue lhe abençoar mais e mais.

  3. Boa mensagem

  4. uma palavra profunda mesmo com o passar dos anos continua alimentando aqueles que buscam para semear na terra ate os confins…

  5. Charles Estivison

    Obrigado meu pastor, estava procurando um entendimento sobre o Malco.
    Vou pedi a Jesus para que essa palavra seja uma evangelização.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s