O MAIOR SINAL DE TODOS OS SÉCULOS.

jesus-resurrection

Texto Base:

Mt 12.38-41.

38 Então alguns dos escribas e dos fariseus tomaram a palavra, dizendo: Mestre, quiséramos ver da tua parte algum sinal.

39 Mas ele lhes respondeu, e disse: Uma geração má e adúltera pede um sinal, porém, não se lhe dará o outro sinal senão o do profeta Jonas;

40 Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra.

41 Os ninivitas ressurgirão no juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que está aqui quem é maior do que Jonas.

Introdução:

Existem nos evangelhos 35 milagres realizados por Cristo. Sabemos que Cristo realizou muito mais milagres. Por isto João escreveu: “Jesus fez muitas outras coisas. Se cada uma delas fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que seriam escritos” (Jo 21.25). Porém os milagres escritos e relatados tinham um objetivo, segundo João: “… foram escritos para que creais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (Jo 20.31).

Mas qual foi o maior sinal? Creio que o maior sinal foi a ressurreição de Cristo destacado neste texto como o sinal de Jonas. Sendo o milagre ocorrido com Jonas inferior a ressurreição de Cristo. Como disse Jesus: está aqui quem é maior do que Jonas.

I – Alguns religiosos pedem um sinal a Cristo

Jesus fala do sinal de Jonas em resposta ao pedido dos escribas e fariseus por um sinal. Eles fecharam os olhos para inúmeros milagres que Jesus já havia realizado. Não era suficiente para eles que Jesus tivesse curado os enfermos, purificado os leprosos, ressuscitado mortos e expulsado demônios. Eles ainda não criam e nem tinham, na verdade, o desejo de crer, mas desejavam “provar” a Cristo. Creio que os maiores incrédulos vivem num ambiente religioso. Cercados por ritos, normas, porém sem vida com Deus. Eles erravam, apesar de serem mestres da lei; mas, na verdade, não conheciam as escrituras, como deveriam, muito menos, o poder de Deus (Mt 22.29).

Esses religiosos queriam um sinal sem crer; só pela vista. Jesus disse, em certa ocasião: Bem-aventurados os que não viram, e creram (Jo 20.29). Os religiosos agiram com incredulidade, em oposição à fé que é a certeza das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem (Hb 11.1).

Jesus não respondeu como o esperado a esses homens, porque não queria provar a sua divindade através de “testes humanos” e nem ser conhecido como um milagreiro ou curandeiro. Em muitas ocasiões, Jesus pedia àqueles que eram curados por ele para que não divulgassem suas curas (Mc 7.36; Mt 8.4; Mt 9.30; Mc 5.43 e Lc 5.14). Jesus sabia que o povo tinha tendência de distorcer o caráter de sua missão aqui na terra. Jesus veio implantar o reino de Deus, espiritualmente falando, o qual tinha implicações terrenas (Mt 6.10; Mt 6.33; Mt 13.11; Mt 13.45 e Mt 18.3); porém as multidões esperavam um Messias, no sentindo político e terreno, o qual os libertasse do jugo romano (Jo 6.15; Jo 6.26 e 27). Jesus veio salvar e buscar o que se havia perdido (Lc 19.10).

Como a geração daqueles fariseus e escribas, vivemos numa geração má e adúltera sedenta por sinais, sem desejar o novo nascimento, a regeneração, a mudança de vida e sem uma fé legítima (At 8.9-25).

II – O maior de todos os sinais

Para confirmar a obra de Jesus, haveria o maior sinal de todos: Deus ressuscitaria seu Filho da sepultura. Maior sinal do que aquele que serviu para a conversão de toda a Nínive. Vários obstáculos foram vencidos para que a ressurreição de Cristo ocorresse. Vejamos alguns deles: A) A pedra enorme. A pedra pesava cerca de uma tonelada e meia e foi revolvida por um terremoto de origem divina (Mt 28.2). B) A guarda romana. Uma escolta de soldados romanos guardava o túmulo (Mt 28. 62 -66), mas foi vencida. C) O selo romano. Foi colocado sobre a pedra um selo romano para que ninguém violasse (Mt 27.66). Quem violasse o selo romano era passível de morte. D) A morte. A morte em si era o maior obstáculo para a ressurreição de Cristo, mas Jesus venceu a morte (Mt 28. 5 e 6).

Na ressurreição de Cristo o poder político e terreno do Império Romano foi vencido, foi vencido também o poder de Satanás e o poder da morte (1 Co 15.54-57).

III – Jesus maior do que Jonas:

O fato de Jonas ter sido lançado no mar e engolido por um grande peixe impactou os ninivitas, juntamente com a pregação dele, a tal ponto de todos se converterem, proclamarem um jejum onde até os animais jejuaram, e vestiram-se de pano de saco, desde o maior até o menor (Jn 3.5-10). “A população total de Nínive deveria ser, aproximadamente seiscentos mil habitantes, uma vez que havia 120 mil crianças e também muitos animais” (Jn 4.11) (Bíblia Anotada Expandida). Maior impacto deve causar a ressurreição de Cristo, porque ele é maior do que Jonas. Que tipo de impacto a ressurreição de Cristo deve nos causar?

  • Poder para se viver uma vida nova – Quando manifestamos a nossa fé em Jesus, identificamo-nos com sua morte e ressurreição. Morremos para o domínio do pecado e de Satanás, e recebemos o poder da ressurreição para viver uma vida nova (Rm 6.4-15).
  • Poder para enfrentar as lutas – Temos o poder da ressurreição de Cristo em nossas vidas que nos ajuda a enfrentar os percalços da vida (2 Co 1.8-11 e Rm 8.11).
  • Testemunho e pregação com mais autoridade – Jesus está vivo e nos outorga poder para ser suas testemunhas (Mt 28.19-20; Mc 16.15-19 e At 5.29-32).
  • Temos uma esperança viva – Porque o nosso Senhor está vivo (1 Pe 1.3-9).

Conclusão

Jesus deixou para aquela e para esta geração má e adúltera o maior se todos os sinais: a sua ressurreição. Venceu, com isto, o Império Romano, Satanás e a morte. Ninguém pode resisti-lo. Jesus chamou tal milagre de sinal de Jonas. Jonas sobreviveu dentro do ventre de um grande peixe e pregou a palavra de Deus, levando toda a Nínive ao arrependimento. Se Jonas, que é inferior a Cristo, impactou de tal forma, quanto mais a ressurreição de Cristo. Sejamos divulgadores e proclamadores da ressurreição de Cristo que continua a impactar todas as gerações. Sirvamos ao Senhor que está vivo e que nos prometeu buscar para estarmos com ele (Jo 14.1-3).

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s