Arquivo da categoria: Alegria

NÃO É BOM O ISOLAMENTO!

isolamento

Gn 2:18 -E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Não é bom o isolamento porque Deus nos mostra que para vivermos com mais qualidade é necessário que não sejamos apenas verticais pensando somente no nosso relacionamento com Deus, mas também horizontais pensando no nosso relacionamento com o próximo. O resumo que Jesus fez dos 613 mandamentos em dois mandamentos é coerente com que a palavra que Deus proferiu a respeito de Adão que estava só sem ninguém ao seu lado, alguém que lhe fosse correspondente.

Principalmente nos primeiros séculos da história da Igreja muitos buscaram o isolamento porque pensaram que era a melhor maneira de não se misturar com o mundo. O cristianismo começava a deixar de ser perseguido e passou a ser favorecido pelo Império Romano. O que foi visto como favor de Deus por alguns, mas para muitos outros, era o mundo entrando na Igreja e por isto alguns começaram a buscar viver isolados da sociedade para a maior consagração a Deus.

O problema do estilo de vida “ermitão”, urbano, em áreas desérticas, rurais ou não, é a falta de influência positiva que deixa de acontecer na sociedade por causa do isolamento. As comissões deixadas por Jesus nos incentivam pregar o arrependimento, discipular, batizar, ir até os confins da terra para tanto é necessário a vivência em sociedade. Jesus na oração sacerdotal foi claro: Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal” (17:15). Temos que viver no mundo, mas de uma forma que não nos comuniquemos com as obras infrutuosas das trevas, ou seja, vivermos no mundo sem nos envolver com a malignidade.

O tempo “a sós” tem o seu valor e devemos cultivá-lo, mas que seja para a renovação das forças físicas, espirituais, da devocionalidade para com Deus, mas não podemos nos isolar do convívio com a família, irmãos de fé, colegas de trabalho e da sociedade como um todo. Não é bom que o homem esteja só. O contexto do versículo é a vida a dois, o casamento, porém, podemos estender o entendimento do versículo para a necessidade humana de se relacionar com o próximo. Em Eclesiastes o pregador afirma: “que é melhor serem dois do que um”. Precisamos do momento a sós com Deus, mas também precisamos salgar e iluminar esse mundo como luzeiros de Cristo. Se não salgarmos perderemos a relevância no mundo, não exerceremos a vocação dada pelo Senhor e não seremos respeitados. Nosso chamado é para evangelizar, edificar o Corpo de Cristo, servir a Deus e ao próximo. Não busque o isolamento. Tenha sempre seu momento a sós com Deus, tenha o seu lugar de oração e meditação na Palavra, tenha seus horários regulares para a devoção, mas também viva uma vida influente com todos os seus riscos lembrando-se sempre que quem está com Deus é maioria e que temos uma família, que é a Igreja do Senhor, que coopera com os dons para o desenvolvimento da nossa carreira cristã.

Quando acontece a conversão de alguém a pessoa é inserida pelo Espírito Santo no corpo de Cristo, que é a família de Deus, mostrando que o chamamento é para comunhão com Deus e com o próximo. O novo convertido deve ser acompanhado até que ele possa também acompanhar outros e assim a Igreja do Senhor se multiplica e cumpre o seu chamado.

Jesus se retirou algumas vezes para orar sozinho, mas no Getsemâni quando deixou seus discípulos a sós para orar desejou que eles tivessem acordados enquanto ele orava e repreendeu-os quando encontrou Pedro, Tiago e João dormindo. Jesus sentiu a falta de companheirismo deles, a falta de vigilância.

Nas artes nós vemos também está necessidade ser retratada quando o cavaleiro solitário tem como companheiro um índio chamado Tonto. Quando o Robison Crusoé encontra e tem como amigo o índio Sexta-feira. No filme Náufrago com Tom Hanks, que interpreta o personagem Chuck, o qual após a queda do avião onde viajava, encontra-se preso numa ilha, privado de tudo que o homem moderno precisa, faz amizade com uma bola de volei da marca Wilson que se torna seu amigo imaginário na ilha desértica. Tem um momento emocionante do filme quando ele perde no mar o seu amigo imaginário, o que levou algumas pessoas sensíveis às lágrimas. Tais obras mostram claramente a necessidade do homem do próximo. O homem é um ser social.

A solitude, a meditação é necessária durante um tempo, mas o isolamento não pode ser uma filosofia de vida. Sempre precisamos de alguém! Ninguém basta a si mesmo! A constatação Divina foi que não é bom que o homem esteja só. Talvez você tenha se fechado para o outro por causa das decepções, desilusões, mas o remédio não é encaramujar-se, mas perdoar o abandono, a decepção e viver uma vida saudável, produtiva, e relacional com Deus e com o próximo.  Abra-te! Primeiramente para Deus, e quando isto verdadeiramente acontece, abrimo-nos para o próximo também.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

ANO NOVO: NOVAS OPORTUNIDADES.

Ano-Novo blog

O tempo passa de forma inexorável e não temos controle sobre ele. O que podemos fazer é administrá-lo da melhor forma possível durante o momento em que ele acontece, ou planejar o tempo que possa ainda acontecer de forma sábia.

Com certeza um novo dia traz novas oportunidades. Também podemos falar assim acerca de um novo ano. A virada do ano evidencia o que acontece todos os dias quando o sol se levanta é como se ouvíssemos nesta ocasião: você tem uma nova chance! Um novo ano costuma trazer novas oportunidades e nos inspirar desta forma.

Os pastores antigos costumam dizer que a oportunidade é como um careca de topete quando passa por você é o momento de você segurar o topete porque talvez você não tenha mais oportunidade. Paulo aos Efésios escreveu: Olhai, portanto, cuidadosamente como andais, não como insipientes, mas como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus (5: 15 e 16). A ideia de remissão lembra redenção, lembra salvação. Remir o tempo é aproveitar cada oportunidade.

Temos que tomar cuidado com a procrastinação. Tem pessoas que tem por hábito procrastinar. Nem tudo é para fazer imediatamente, mas nem tudo devemos deixar para depois. O equilíbrio e a sabedoria são importantes. Alguém já disse: “o adiamento é o ladrão do tempo e o ladrão do tempo é o assassino da oportunidade”. É preciso ponderação. Aproveitemos o início de novo ano e aproveitemos esta nova oportunidade.

O passar do tempo, se bem aproveitado, pode se tornar um aliado para uma vida bem vivida, porque somaremos as lições aprendidas das nossas experiências aos desafios que se apresentarem. Gosto muito do salmo de Moisés de número 90 em que ele pede a Deus para ensiná-lo a contar os dias. Aprendamos com o tempo. Os acertos e os erros nos ensinam. Deus em Sua Palavra registrou muitos exemplos de homens, que devem ser seguidos e outros não, quanto ao que fizeram em suas épocas. Na história do próprio Moisés percebemos que ele passou por três tempos de 40 anos: no palácio de faraó, no deserto como pastor e no deserto como líder de um povo. Deus se utilizou das experiências dele e lhe outorgou poder sobrenatural para fazer a obra de Deus. Moisés aprendeu de Deus durante o tempo que viveu.

Valorizemos cada minuto que Deus nos dá. Como era falado na Rádio Relógio Federal: cada minuto que passa é um milagre que não se repete. A valorização pode se dá através da gratidão a Deus. Através da doação de si mesmo a Deus e ao próximo sempre fazendo o melhor enquanto é tempo. A valorização pode se dar através da boa utilização do tempo e gastando-o com o prioritário, necessário e útil.

Consideremos os princípios da Palavra de Deus porque qualquer estilo de vida fora dela é um estilo sem alicerce sólido e eterno. Na vida as tempestades fazem parte, se observarmos das Escrituras teremos a segurança de estar no rumo certo com uma prática adequada. Sem dúvida, o aproveitamento das oportunidades não deve ser de qualquer forma. A Bíblia é o melhor dos manuais, mais eficiente que qualquer GPS e do que o Waze. Aproveitar as novas oportunidades é aproveitá-las com a sabedoria do alto, a sabedoria que Deus dá e revelou em Sua Palavra.

Que neste novo ano com as novas oportunidades seja uma grande ocasião para que nós nos envolvamos com a nossa família, igreja e sociedade de forma agradável a Deus e sábia diante dos homens.

( O autor do artigo é o Pr, Eber Jamil, dono do blog).

NATAL PERMANENTE.

natal1

Por ocasião do natal conceitos vitais como que despertam de um sono de onze meses: família, amor, ajuda ao próximo, fraternidade etc. As pessoas se abraçam, visitam umas às outras, trocam cartões, presentes e refletem sobre o nascimento de Cristo.

Bom seria se o natal não fosse somente nos dias 24 e 25 de dezembro, mas durasse para sempre. Será isto possível? O natal permanente não é papai Noel nos 365 dias do ano, duendes e outros mitos. Não são árvores enfeitadas o ano inteiro, nem comilança e nem ostentação o ano todo. O Natal permanente é:

I – A compreensão do desejo Divino de se aproximar do homem. Mateus falando do nascimento de Jesus cita a profecia de Isaías de que nasceria de uma virgem um menino que se chamaria EMANUEL, que traduzido é Deus conosco. O nascimento de Cristo, que foi a encarnação de Cristo, Deus tomando a forma e a natureza humana, foi o modo de Deus aproximar-se do homem que estava morto em delitos e pecados. O natal permanente é ter o entendimento que Deus enviou Seu Filho Jesus para religar o homem a Ele. Para tanto Jesus precisou ser concebido no ventre de Maria ser crucificado, mas a morte não venceu, Ele ressuscitou ao terceiro dia.

II – É crer que Jesus é o único mediador entre Deus e os homens. O natal permanente acontece quando o homem crê na obra do amor de Deus ao enviar Jesus, Seu filho, para religar o homem com Ele, e que Seu Filho Jesus é o único meio desta religação acontecer. Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Quem crê em Jesus como Salvador, como único caminho para Deus torna-se filho de Deus por adoção, portanto tendo comunhão com Deus. Vivendo um natal permanente.

III– É quando o nascimento de Cristo deixa de ser um acontecimento histórico e passa a ser uma experiência pessoal. Meu pai na época do natal quando atendia o telefone falava: Jesus nasceu em Belém e nasce na gente também. Quando a pessoa crê em Jesus como Salvador, Cristo deixa de ser apenas uma tradição recebida e passa se relacionar com Ele de forma real e pessoal. É o que a Bíblia chama de Novo Nascimento. A pessoa quando crê em Jesus nasce de novo, nasce espiritualmente tornando-se uma nova criatura havendo um natal permanente.

IV– É ter O Espírito Santo habitando porque crê em Jesus. A partir do momento em que se crê em Jesus a pessoa recebe O Espírito Santo, se assim não fosse não seria de Cristo. O Espírito Santo passa habitar no corpo e tal fato acontece conforme Jesus prometeu que voltaria ao Pai, mas não deixaria seu povo só, e que enviaria O Espírito Santo Consolador para estar com eles. O natal é permanente com O Espírito habitando.

V– É quando a pessoa passa a ter um relacionamento próximo e íntimo de Cristo. A pessoa pela fé uniu-se a Cristo e passa ter Jesus como Seu Supremo Pastor. Onde ela conhecerá voz do Pastor que já conhece sua voz A pessoa cultivará a meditação na Palavra de Deus e a oração fazendo que sua vida sempre seja renovada e sempre tenha uma celebração da comunhão com Deus. O salmo 23 termina prometendo que na vida das ovelhas a bondade e a misericórdia do Senhor as seguirão por todos os dias das suas vidas. Isto é natal permanente!

VI– É quando se vive todos os dias as prioridades que Cristo deixou. Jesus nos disse para irmos em busca de ovelhas que não estão no aprisco dele. Mandou-nos fazer discípulos e integrá-los pelo Batismo nas águas promovendo o amadurecimento dessas pessoas para que possam ir, discipular e integrar outras pessoas também no corpo. Ao dar estas prioridades Jesus prometeu estar conosco todos os dias até a consumação dos séculos, ou seja, nos prometeu um natal permanente. Com as prioridades acertadas teremos um natal permanente.

VII– É crer que o relacionamento com Cristo é eterno.  Aquele que crê em Jesus recebe a Vida Eterna e de maneira nenhuma Ele o lançará fora. A vida que começou na fé em Jesus não fica inconclusa, porque Deus não deixa nada pela metade. Uma vez em Cristo sempre em Cristo. O Relacionamento com Ele é eterno, portanto o natal é permanente.

Quero concluir colocando a letra de um cântico antigo que fala sobre o natal permanente que vive aquele que crê em Jesus:

Sempre é natal para mim (2 x)

A minha vida é uma festa sem fim

Sempre é natal para mim

 

A cada momento meu Jesus meu Senhor

No meu coração bate com esplendor

Oh! Que alegria e que gozo sem fim

Sempre é natal para mim

 

Sempre é natal para mim (2 x)

A minha vida é uma festa sem fim

Sempre é natal para mim

 

Sim, Jesus nasce a todo instante

Quando o crente é fiel e constante

Glórias a Deus pois eu sinto assim

Sempre é natal para mim

 

Sempre é natal para mim (2 x)

A minha vida é uma festa sem fim

Sempre é natal para mim

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O NATAL E O FRESCOR DA MENSAGEM.

natal

A medida que os anos passam muitos podem perder o frescor dos seus primeiros natais. Alguns ficam bem nostálgicos por natais que passaram e perdem o entusiasmo pela data. Lembram de músicas, das festas anteriores, de presentes que receberam etc. Na verdade, deveríamos entender, que por mais que tenhamos passado vários natais, e há mais de dois mil anos atrás Jesus nasceu, a mensagem do natal é sempre revigoradora. É sempre nova. A mensagem natalina não fica embolorada.

Paulo fala que o natal aconteceu na Plenitude dos tempos, ou seja, no momento certo da história dominada por Deus, que é Soberano sobre tudo. Jesus teria que ter nascido naquela época. Houve o Kairós de Deus para a humanidade naquela ocasião. O fato de ainda estarmos falando deste acontecimento mostra que era propósito de Deus, que assim fosse, e que a mensagem de Deus tomando a forma e a natureza humana é o maior divisor de águas da História. Sendo assim pertinente até nossos dias. Essa encarnação de Cristo mostra o quanto Deus ama e se importa com a humanidade.

A simplicidade do nascimento de Jesus deve reverberar em nossas festas atuais. A dificuldade que José e Maria encontraram para se hospedar. O fato de só terem encontrado uma estrebaria. A cama de Jesus ter sido uma manjedoura com os animais por companhia. O anúncio dos anjos que não foram feitos as grandes personalidades da época, mas aos pastores. Todos estes fatos mostram que a universalidade do natal. Pois como já falaram; pintes a tua aldeia e serás universal. A comemoração do natal para ser comemoração do natal precisa da simplicidade do coração contrito e não de tantas coisas que incorporamos em nosso tempo que não fazem parte do Natal, do nascimento de Jesus.

A oposição que Cristo sofreu por ocasião do seu nascimento por Herodes mostra também a tensão sempre latente da humanidade entre nascimentos e mortes. Todos dias nascem pessoas e outras morrem. Mas, a mensagem natalina mostra o triunfo da vida apesar da malignidade do diabo e do sistema mundano dominado por ele. A oposição em nosso tempo ganha outras formas, mas continua. O consumismo, as mentiras, as glutonarias, bebedeiras de certa forma tentam diminuir a mensagem de Deus sendo homem entre nós, mas não prevalecem.

A adoração dos reis magos, todo o sacrifício que eles fizeram e a fé que os moveram de terras tão distantes apontam que para Jesus devemos sempre oferecer o melhor. Os presentes proféticos que eles ofereceram mostram muitos sobre Cristo. O ouro indica que Jesus é Rei. O incenso mostra a Divindade de Cristo. A mirra aponta para a crucificação de Cristo. A adoração a Cristo precisa ser com o melhor e com conteúdo. Não podemos ouvir de Cristo o que a samaritana ouviu: vós adorais o que não conheceis. Depois ela conheceu que Jesus era o Messias e divulgou para seus conterrâneos a mensagem tão poderosa.

Celebre a ocasião do natal. A questão não é qual é a data Jesus nasceu, pois sabemos que não foi 25 de dezembro. A questão é que Jesus nasceu. O Emanuel esteve conosco e é Deus conosco. A questão é que você tenha tido também o seu natal. Não me refiro ao seu nascimento, mas ao seu novo nascimento. Que você tenha tido o natal da fé e a compreensão do significado do nascimento, morte e ressurreição de Jesus. Pois, se assim aconteceu você nasceu de novo!

Deus renove a sua alegria neste natal. Natal é sempre novidade. Tem sempre o frescor da Boa notícia. Foi como os anjos proclamaram: Não temais, porque eis que trago novas de grande alegria, que será sinal para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje O Salvador, que é Cristo, o Senhor. Grande notícia! Bendita intervenção Divina! O Messias já veio! E viveu entre nós! Foi vista a Sua Glória, como a Glória do unigênito do Pai, cheio de Graça e de Verdade. Louvado seja O Senhor!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

É DANDO QUE SE RECEBE.

presente

A expressão “é dando que se recebe” no seu sentido literal não é bíblica. É uma frase atribuída a São Francisco de Assis em uma oração e muitos a interpretam de vários modos. Na Bíblia o versículo que se aproxima da expressão é Lucas 6:38 –Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo.

Para mim fica evidente que a frase dele no seu sentido original não é utilitarista, egoísta e pragmática como muitos a usam. Ela precisa ser entendida com a palavras de Cristo citada pelo apóstolo Paulo:  “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (Atos 20:35).

Não posso negar a lei da colheita citada na Bíblia, que afirma o que o homem semear isto também ceifará. Entretanto, o dar não deve ter como objetivo o recebimento. O dar é uma doação, uma entrega e o seu objetivo é compartilhar, doar-se junto com a doação. Não podemos nos utilizar da expressão é dando que se recebe como um toma lá e dá cá. A doação deve ser movida pelo amor e não pelo espírito de barganha. Foi por isto que Jesus disse: quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado (Lc 14:14). Por sua vez, a reciprocidade não será realmente uma reciprocidade se não for uma resposta de amor ao amor recebido. Como escreveu Paulo na primeira carta aos coríntios capítulo 13: o amor não busca os seus interesses.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A FELICIDADE DE SER PERDOADO.

bem-aventurado

O homem veio a existência por um ato da Livre Soberana de Deus que lhe agraciou com a vida e com uma posição diferenciada em toda a criação. O homem foi colocado como administrador e tinha a liberdade de nomear as criaturas criadas por Deus. Deus ao criar o homem lhe deu orientações acerca do que deveria fazer. Como Criador suas orientações foram perfeitas e santas. Não foi uma atitude déspota e nem autoritária. Ao dar oportunidade do homem em escolher entre obedecer ou desobedecer mostrou que desejava ter um real relacionamento com o homem.

O homem em seu estado original foi criado perfeito e dotado de livre arbítrio. Deus colocou diante do homem muitas possibilidades e uma restrição de não comer o fruto da árvore da ciência do bem e do mal. Satanás, rebelde, tentou o homem para que este desobedecesse a Deus nessa questão e o homem desobedeceu perdendo a glória original.

O que aconteceu foi a escravidão. Uma metáfora acerca do pecado é do senhor de escravo. E o homem sem Deus e sem perdão é um escravo do pecado, de satanás. Deus não desistiu do homem. Poderia ter o eliminado. Mas, consciente de que haveria de acontecer e que aconteceu providenciou O resgate do homem por meio do Seu próprio Filho. O Filho de Deus se manifestou para desfazer as obras de satanás trazendo a libertação do homem dessa escravidão.

O perdão e a libertação da escravidão do pecado são obtidos pela fé no sacrifício de Jesus. Não há nada que o homem possa fazer a não ser crer em Jesus. Tendo recebido o perdão podemos chamar essa pessoa de justificada e  bem-aventurada. Conta-se que Agostinho escreveu o Salmo 32 na parede do quarto de dormir, e lia-o incessantemente, chorando. O salmo trata da alegria em ser perdoado. O versículo é: “BEM-AVENTURADO aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto”. Realmente é feliz o homem que crê em Jesus e sabe que através dEle seus pecados foram perdoados e que ele foi justificado diante de Deus. Torna-se filho de Deus por adoção e torna-se co-herdeiro com Cristo, seu Salvador e Remidor. É feliz aquele que creu em Jesus e foi achado por Deus. É ser feliz porque o maior problema do homem é o pecado que desordenou todas as coisas e gerou uma separação entre Deus e o homem intransponível para o mesmo. Receber a chance de recomeçar e receber poder para viver uma nova vida é a obra mais maravilhosa que o homem recebe de Deus através de Jesus. O milagre é de tal monta que o homem nascido de novo passa a responder com arrependimento os pecados futuros e se chegar a se desviar nunca encontrará satisfação, porque ele já conheceu a satisfação de viver em comunhão com Deus, por isto ele acaba voltando para Jesus, que é agora o seu lugar definitivo. Deus em Sua Graça providenciou o Reconciliador, Jesus, Seu Filho, que é o mediador entre Deus e o homem, fazendo com que tenha comunhão com Ele. Ter comunhão com Deus é sinal de vida. Olhar para trás e ver que o passado pecaminoso foi resolvido e olhar para frente tendo a convicção que estará com Deus eternamente é ser feliz. Ter a companhia do Espírito Santo guiando, fortalecendo e capacitando para a vida e testemunho é ser feliz. Saber que nada pode separar do amor de Deus que foi manifesto em Jesus e que aquele que crê vive esta realidade é ser feliz.

A consciência deste bem-aventurança deve nos fazer andar pelo caminho da santificação. O Preço que foi pago pelo nosso resgate foi alto demais, para que nos deixemos levar pelo pecado, que em nada se compara ao amor de Deus revelado por nós.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

FRASES POSTADAS NO TWITTER 55.

entrega4

21 de set de 2015

Uma vez na nova vida não se deve olhar para trás como que ainda amando as coisas que ficaram para trás. Arrependimento é mudança de pensamento.

22 de set de 2015

O Bom Pastor, Jesus, cuida de cada ovelha individualmente e as identifica, considerando cada uma relevante, sem descartar nenhuma delas.

23 de set de 2015

O amor de Deus em nós pode se manifestar de muitas formas, uma delas é que passamos a ter o desejo de falar de Cristo para outras pessoas.

24 de set de 2015

A vida que Jesus dá para aqueles que creem nEle é vida abundante, que vai além da sobrevivência. É uma vida de qualidade, que tem a verdadeira liberdade.

25 de set de 2015

A Igreja não pode ter somente o fim de manter-se, mas também de expandir.

26 de set de 2015

Não lute contra o arrependimento. O caminho de volta é sempre difícil, mas é o melhor caminho. Por mais fundo que tenha chegado, volte.

27 de set de 2015

O que Jesus falou acerca de si mesmo foi comprovado pelo seu caráter, por sua vida e milagres. O seu caráter não contradizia suas afirmações.

28 de set de 2015

É bom que sejamos realistas. Encaremos o problema de frente. Porém, a mente tem que estar olhando para o céu.

29 de set de 2015

Olhar para o alvo, que é Cristo, é o meio de não ficarmos assombrados pelas dificuldades. A recompensa proposta é maior do que as dificuldades

30 de set de 2015

Quando oramos a Deus em nome de Jesus devemos nos lembrar que somos entendidos por Deus. Não deve haver da nossa parte reservas.

(O autor das frases é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).