Arquivo da categoria: Amor

SENTIMENTO DE URGÊNCIA.

urgente

Jo 9: 4 – Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Queiramos ou não temos que lidar com a questão do tempo. Ele passa de forma inexorável. Quando nascemos, nascemos num determinado dia e crescemos vivenciando o tempo que nos é dado. Creio que a sabedoria é imprescindível para que lidemos adequadamente com o tempo. Moisés pediu a Deus para ensiná-lo a contar os dias até que ele adquirisse um coração mais sábio. Mostrando a essencialidade de se viver discernindo, fazendo as escolhas adequadas aproveitando bem e com sabedoria o tempo que se vive.

O ditado popular afirma que a pressa é inimiga da perfeição. Mostrando que o povo entende que para se fazer bem feito e organizado é preciso fazê-lo no tempo adequado. Porém, podemos afirmar que este ditado não é uma verdade absoluta. A pressa pode ser muitas vezes precipitação, ansiedade e ausência de maturação. Todavia, o versículo escolhido desta mostra que para fazermos a obra de Deus neste mundo precisamos ter sentimento de urgência quando o assunto é pregar o evangelho para tirar as vidas das trevas, da cegueira espiritual.

A imprevisibilidade da vida é um aspecto importante para que consideremos a decisão acerca da eternidade urgente. Não sabemos quando a morte chega. Sabemos pela Palavra de Deus que depois da morte segue o juízo, ou seja, já não há mais nada a ser feito. Colheremos a eternidade com Deus ou sem Deus. É na vida que devemos tomar a decisão. A palavra de Cristo alerta que a noite chegará e não se poderá fazer mais nada quanto a questão da eternidade. Portanto, a Igreja precisa ter um sentimento de urgência quanto a pregação do evangelho porque alguém só pode ser salvo enquanto tiver vida.

Há Igrejas avessas a organização. Há outras que são tão organizadas que não se abrem para um direcionamento específico do Espírito Santo. Não podemos pender para os extremos. A direção do Espírito e a organização não são incompatíveis, ou excludentes. A forma como é descrita a criação no livro de Gênesis mostra claramente como Deus criou tudo harmonicamente e perfeito. A preocupação dos apóstolos em escolher um substituto para Judas Iscariotes mostra uma organização eclesiástica já em formação. Quando Jesus multiplicou os pães e peixes primeiramente agrupou as pessoas em pequenos grupos para que todos se alimentassem. Esses exemplos apontam para a necessidade da Igreja Local organizar-se segundo a direção do Espírito para que as prioridades da evangelização e de missões sejam realizadas urgentemente e eficientemente no Poder de Deus. Ter o sentimento de urgência não significa agir de forma desorganizada.

A inconformação não pode ser vista sempre como algo negativo. O inconformado não é necessariamente o rebelde. Romanos capítulo doze que todos conhecem bem exorta-nos a não aceitarmos a forma do mundo. Portanto, o sentimento de urgência está harmonizado com este princípio porque ao priorizarmos a pregação do Evangelho levaremos pessoas a serem libertas da “forma” e “prensa” humana que amolda a pessoa segundo a vontade do inimigo de nossas almas – Satanás.

O povo de Deus não pode ser “letárgico”. Viver como num “torpor”. Seu discernimento precisa estar aguçado. Portanto, o povo de Deus não pode ficar num “marasmo” quanto a obra de evangelização e missões. Paulo exclamou: “ai de mim se não anunciar o Evangelho”. Pregar é um imperativo que não pode ser realizado de forma secundária. A salvação das almas é prioridade. Façamo-nos com sentimento de urgência.

Satanás certamente trabalha através dos “secretários” formas de retardar o progresso da Igreja quanto a obra de evangelização. Ele se opõe de forma frontal, velada ou sutil, mas certamente trabalha para nos impedir de ganhar almas. A famosa palavra de Cristo de que as portas do Inferno não resistirão a Igreja do Senhor nos mostra que quando a Igreja avança pelo Poder de Deus vence a resistência e a oposição maligna. O inimigo de nossas almas põe uma lente de aumento em si mesmo para intimidar. Ele brame como um leão, mas não é, ele usa de falsidades. O verdadeiro leão, é o leão da tribo de Judá, Jesus Cristo que venceu e despojou os principados e potestades, e a Igreja como Seu corpo triunfa sobre as resistências e obras de satanás.

Portanto, sem receios façamos a Obra de Deus com empenho sabendo que a eternidade de muitos sobre condenação podem ser evitadas e isto só mudará se enquanto for dia as almas ouvirem e crerem no Evangelho.

(Oautor do artigo é o Pr. Eber jamil, dono do blog).

Anúncios

NÃO É BOM O ISOLAMENTO!

isolamento

Gn 2:18 -E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Não é bom o isolamento porque Deus nos mostra que para vivermos com mais qualidade é necessário que não sejamos apenas verticais pensando somente no nosso relacionamento com Deus, mas também horizontais pensando no nosso relacionamento com o próximo. O resumo que Jesus fez dos 613 mandamentos em dois mandamentos é coerente com que a palavra que Deus proferiu a respeito de Adão que estava só sem ninguém ao seu lado, alguém que lhe fosse correspondente.

Principalmente nos primeiros séculos da história da Igreja muitos buscaram o isolamento porque pensaram que era a melhor maneira de não se misturar com o mundo. O cristianismo começava a deixar de ser perseguido e passou a ser favorecido pelo Império Romano. O que foi visto como favor de Deus por alguns, mas para muitos outros, era o mundo entrando na Igreja e por isto alguns começaram a buscar viver isolados da sociedade para a maior consagração a Deus.

O problema do estilo de vida “ermitão”, urbano, em áreas desérticas, rurais ou não, é a falta de influência positiva que deixa de acontecer na sociedade por causa do isolamento. As comissões deixadas por Jesus nos incentivam pregar o arrependimento, discipular, batizar, ir até os confins da terra para tanto é necessário a vivência em sociedade. Jesus na oração sacerdotal foi claro: Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal” (17:15). Temos que viver no mundo, mas de uma forma que não nos comuniquemos com as obras infrutuosas das trevas, ou seja, vivermos no mundo sem nos envolver com a malignidade.

O tempo “a sós” tem o seu valor e devemos cultivá-lo, mas que seja para a renovação das forças físicas, espirituais, da devocionalidade para com Deus, mas não podemos nos isolar do convívio com a família, irmãos de fé, colegas de trabalho e da sociedade como um todo. Não é bom que o homem esteja só. O contexto do versículo é a vida a dois, o casamento, porém, podemos estender o entendimento do versículo para a necessidade humana de se relacionar com o próximo. Em Eclesiastes o pregador afirma: “que é melhor serem dois do que um”. Precisamos do momento a sós com Deus, mas também precisamos salgar e iluminar esse mundo como luzeiros de Cristo. Se não salgarmos perderemos a relevância no mundo, não exerceremos a vocação dada pelo Senhor e não seremos respeitados. Nosso chamado é para evangelizar, edificar o Corpo de Cristo, servir a Deus e ao próximo. Não busque o isolamento. Tenha sempre seu momento a sós com Deus, tenha o seu lugar de oração e meditação na Palavra, tenha seus horários regulares para a devoção, mas também viva uma vida influente com todos os seus riscos lembrando-se sempre que quem está com Deus é maioria e que temos uma família, que é a Igreja do Senhor, que coopera com os dons para o desenvolvimento da nossa carreira cristã.

Quando acontece a conversão de alguém a pessoa é inserida pelo Espírito Santo no corpo de Cristo, que é a família de Deus, mostrando que o chamamento é para comunhão com Deus e com o próximo. O novo convertido deve ser acompanhado até que ele possa também acompanhar outros e assim a Igreja do Senhor se multiplica e cumpre o seu chamado.

Jesus se retirou algumas vezes para orar sozinho, mas no Getsemâni quando deixou seus discípulos a sós para orar desejou que eles tivessem acordados enquanto ele orava e repreendeu-os quando encontrou Pedro, Tiago e João dormindo. Jesus sentiu a falta de companheirismo deles, a falta de vigilância.

Nas artes nós vemos também está necessidade ser retratada quando o cavaleiro solitário tem como companheiro um índio chamado Tonto. Quando o Robison Crusoé encontra e tem como amigo o índio Sexta-feira. No filme Náufrago com Tom Hanks, que interpreta o personagem Chuck, o qual após a queda do avião onde viajava, encontra-se preso numa ilha, privado de tudo que o homem moderno precisa, faz amizade com uma bola de volei da marca Wilson que se torna seu amigo imaginário na ilha desértica. Tem um momento emocionante do filme quando ele perde no mar o seu amigo imaginário, o que levou algumas pessoas sensíveis às lágrimas. Tais obras mostram claramente a necessidade do homem do próximo. O homem é um ser social.

A solitude, a meditação é necessária durante um tempo, mas o isolamento não pode ser uma filosofia de vida. Sempre precisamos de alguém! Ninguém basta a si mesmo! A constatação Divina foi que não é bom que o homem esteja só. Talvez você tenha se fechado para o outro por causa das decepções, desilusões, mas o remédio não é encaramujar-se, mas perdoar o abandono, a decepção e viver uma vida saudável, produtiva, e relacional com Deus e com o próximo.  Abra-te! Primeiramente para Deus, e quando isto verdadeiramente acontece, abrimo-nos para o próximo também.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

NATAL PERMANENTE.

natal1

Por ocasião do natal conceitos vitais como que despertam de um sono de onze meses: família, amor, ajuda ao próximo, fraternidade etc. As pessoas se abraçam, visitam umas às outras, trocam cartões, presentes e refletem sobre o nascimento de Cristo.

Bom seria se o natal não fosse somente nos dias 24 e 25 de dezembro, mas durasse para sempre. Será isto possível? O natal permanente não é papai Noel nos 365 dias do ano, duendes e outros mitos. Não são árvores enfeitadas o ano inteiro, nem comilança e nem ostentação o ano todo. O Natal permanente é:

I – A compreensão do desejo Divino de se aproximar do homem. Mateus falando do nascimento de Jesus cita a profecia de Isaías de que nasceria de uma virgem um menino que se chamaria EMANUEL, que traduzido é Deus conosco. O nascimento de Cristo, que foi a encarnação de Cristo, Deus tomando a forma e a natureza humana, foi o modo de Deus aproximar-se do homem que estava morto em delitos e pecados. O natal permanente é ter o entendimento que Deus enviou Seu Filho Jesus para religar o homem a Ele. Para tanto Jesus precisou ser concebido no ventre de Maria ser crucificado, mas a morte não venceu, Ele ressuscitou ao terceiro dia.

II – É crer que Jesus é o único mediador entre Deus e os homens. O natal permanente acontece quando o homem crê na obra do amor de Deus ao enviar Jesus, Seu filho, para religar o homem com Ele, e que Seu Filho Jesus é o único meio desta religação acontecer. Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Quem crê em Jesus como Salvador, como único caminho para Deus torna-se filho de Deus por adoção, portanto tendo comunhão com Deus. Vivendo um natal permanente.

III– É quando o nascimento de Cristo deixa de ser um acontecimento histórico e passa a ser uma experiência pessoal. Meu pai na época do natal quando atendia o telefone falava: Jesus nasceu em Belém e nasce na gente também. Quando a pessoa crê em Jesus como Salvador, Cristo deixa de ser apenas uma tradição recebida e passa se relacionar com Ele de forma real e pessoal. É o que a Bíblia chama de Novo Nascimento. A pessoa quando crê em Jesus nasce de novo, nasce espiritualmente tornando-se uma nova criatura havendo um natal permanente.

IV– É ter O Espírito Santo habitando porque crê em Jesus. A partir do momento em que se crê em Jesus a pessoa recebe O Espírito Santo, se assim não fosse não seria de Cristo. O Espírito Santo passa habitar no corpo e tal fato acontece conforme Jesus prometeu que voltaria ao Pai, mas não deixaria seu povo só, e que enviaria O Espírito Santo Consolador para estar com eles. O natal é permanente com O Espírito habitando.

V– É quando a pessoa passa a ter um relacionamento próximo e íntimo de Cristo. A pessoa pela fé uniu-se a Cristo e passa ter Jesus como Seu Supremo Pastor. Onde ela conhecerá voz do Pastor que já conhece sua voz A pessoa cultivará a meditação na Palavra de Deus e a oração fazendo que sua vida sempre seja renovada e sempre tenha uma celebração da comunhão com Deus. O salmo 23 termina prometendo que na vida das ovelhas a bondade e a misericórdia do Senhor as seguirão por todos os dias das suas vidas. Isto é natal permanente!

VI– É quando se vive todos os dias as prioridades que Cristo deixou. Jesus nos disse para irmos em busca de ovelhas que não estão no aprisco dele. Mandou-nos fazer discípulos e integrá-los pelo Batismo nas águas promovendo o amadurecimento dessas pessoas para que possam ir, discipular e integrar outras pessoas também no corpo. Ao dar estas prioridades Jesus prometeu estar conosco todos os dias até a consumação dos séculos, ou seja, nos prometeu um natal permanente. Com as prioridades acertadas teremos um natal permanente.

VII– É crer que o relacionamento com Cristo é eterno.  Aquele que crê em Jesus recebe a Vida Eterna e de maneira nenhuma Ele o lançará fora. A vida que começou na fé em Jesus não fica inconclusa, porque Deus não deixa nada pela metade. Uma vez em Cristo sempre em Cristo. O Relacionamento com Ele é eterno, portanto o natal é permanente.

Quero concluir colocando a letra de um cântico antigo que fala sobre o natal permanente que vive aquele que crê em Jesus:

Sempre é natal para mim (2 x)

A minha vida é uma festa sem fim

Sempre é natal para mim

 

A cada momento meu Jesus meu Senhor

No meu coração bate com esplendor

Oh! Que alegria e que gozo sem fim

Sempre é natal para mim

 

Sempre é natal para mim (2 x)

A minha vida é uma festa sem fim

Sempre é natal para mim

 

Sim, Jesus nasce a todo instante

Quando o crente é fiel e constante

Glórias a Deus pois eu sinto assim

Sempre é natal para mim

 

Sempre é natal para mim (2 x)

A minha vida é uma festa sem fim

Sempre é natal para mim

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O NATAL E O FRESCOR DA MENSAGEM.

natal

A medida que os anos passam muitos podem perder o frescor dos seus primeiros natais. Alguns ficam bem nostálgicos por natais que passaram e perdem o entusiasmo pela data. Lembram de músicas, das festas anteriores, de presentes que receberam etc. Na verdade, deveríamos entender, que por mais que tenhamos passado vários natais, e há mais de dois mil anos atrás Jesus nasceu, a mensagem do natal é sempre revigoradora. É sempre nova. A mensagem natalina não fica embolorada.

Paulo fala que o natal aconteceu na Plenitude dos tempos, ou seja, no momento certo da história dominada por Deus, que é Soberano sobre tudo. Jesus teria que ter nascido naquela época. Houve o Kairós de Deus para a humanidade naquela ocasião. O fato de ainda estarmos falando deste acontecimento mostra que era propósito de Deus, que assim fosse, e que a mensagem de Deus tomando a forma e a natureza humana é o maior divisor de águas da História. Sendo assim pertinente até nossos dias. Essa encarnação de Cristo mostra o quanto Deus ama e se importa com a humanidade.

A simplicidade do nascimento de Jesus deve reverberar em nossas festas atuais. A dificuldade que José e Maria encontraram para se hospedar. O fato de só terem encontrado uma estrebaria. A cama de Jesus ter sido uma manjedoura com os animais por companhia. O anúncio dos anjos que não foram feitos as grandes personalidades da época, mas aos pastores. Todos estes fatos mostram que a universalidade do natal. Pois como já falaram; pintes a tua aldeia e serás universal. A comemoração do natal para ser comemoração do natal precisa da simplicidade do coração contrito e não de tantas coisas que incorporamos em nosso tempo que não fazem parte do Natal, do nascimento de Jesus.

A oposição que Cristo sofreu por ocasião do seu nascimento por Herodes mostra também a tensão sempre latente da humanidade entre nascimentos e mortes. Todos dias nascem pessoas e outras morrem. Mas, a mensagem natalina mostra o triunfo da vida apesar da malignidade do diabo e do sistema mundano dominado por ele. A oposição em nosso tempo ganha outras formas, mas continua. O consumismo, as mentiras, as glutonarias, bebedeiras de certa forma tentam diminuir a mensagem de Deus sendo homem entre nós, mas não prevalecem.

A adoração dos reis magos, todo o sacrifício que eles fizeram e a fé que os moveram de terras tão distantes apontam que para Jesus devemos sempre oferecer o melhor. Os presentes proféticos que eles ofereceram mostram muitos sobre Cristo. O ouro indica que Jesus é Rei. O incenso mostra a Divindade de Cristo. A mirra aponta para a crucificação de Cristo. A adoração a Cristo precisa ser com o melhor e com conteúdo. Não podemos ouvir de Cristo o que a samaritana ouviu: vós adorais o que não conheceis. Depois ela conheceu que Jesus era o Messias e divulgou para seus conterrâneos a mensagem tão poderosa.

Celebre a ocasião do natal. A questão não é qual é a data Jesus nasceu, pois sabemos que não foi 25 de dezembro. A questão é que Jesus nasceu. O Emanuel esteve conosco e é Deus conosco. A questão é que você tenha tido também o seu natal. Não me refiro ao seu nascimento, mas ao seu novo nascimento. Que você tenha tido o natal da fé e a compreensão do significado do nascimento, morte e ressurreição de Jesus. Pois, se assim aconteceu você nasceu de novo!

Deus renove a sua alegria neste natal. Natal é sempre novidade. Tem sempre o frescor da Boa notícia. Foi como os anjos proclamaram: Não temais, porque eis que trago novas de grande alegria, que será sinal para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje O Salvador, que é Cristo, o Senhor. Grande notícia! Bendita intervenção Divina! O Messias já veio! E viveu entre nós! Foi vista a Sua Glória, como a Glória do unigênito do Pai, cheio de Graça e de Verdade. Louvado seja O Senhor!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

É DANDO QUE SE RECEBE.

presente

A expressão “é dando que se recebe” no seu sentido literal não é bíblica. É uma frase atribuída a São Francisco de Assis em uma oração e muitos a interpretam de vários modos. Na Bíblia o versículo que se aproxima da expressão é Lucas 6:38 –Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo.

Para mim fica evidente que a frase dele no seu sentido original não é utilitarista, egoísta e pragmática como muitos a usam. Ela precisa ser entendida com a palavras de Cristo citada pelo apóstolo Paulo:  “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (Atos 20:35).

Não posso negar a lei da colheita citada na Bíblia, que afirma o que o homem semear isto também ceifará. Entretanto, o dar não deve ter como objetivo o recebimento. O dar é uma doação, uma entrega e o seu objetivo é compartilhar, doar-se junto com a doação. Não podemos nos utilizar da expressão é dando que se recebe como um toma lá e dá cá. A doação deve ser movida pelo amor e não pelo espírito de barganha. Foi por isto que Jesus disse: quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado (Lc 14:14). Por sua vez, a reciprocidade não será realmente uma reciprocidade se não for uma resposta de amor ao amor recebido. Como escreveu Paulo na primeira carta aos coríntios capítulo 13: o amor não busca os seus interesses.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

FRASES POSTADAS NO TWITTER 63.

 

evangelizaçao

Não queremos que a Igreja se torne uma peça de museu nem Deus a fundou para isto. A missão é pregar o evangelho a toda criatura. 13\06\2017

Jesus, sendo Deus, tem o poder de revigorar o cansado. Se ele ressuscita até mortos não tem poder para renovar uma pessoa cansada? Claro que tem. 15\06\2017

Para que a Igreja de Cristo cresça com solidez é preciso cumprir a ordem de Jesus: “ide e fazei discípulos”. Não há como ser diferente. 16\06\2017

O crente em Jesus deve se sentir seguro, pois ele passará por provas, mas será aprovado. Ele pode claudicar, até cair, mas levantará! 17\06\2017

Cumprindo seu papel a Igreja de proclamar a Palavra fará diferença neste mundo como o sal faz diferença na comida e a luz faz nas trevas 18\06\2017

Ao se aproximar da Bíblia com humildade e dependência de Deus aprenderás e te conduzirás de forma acertada. Ela é lâmpada para nossos pés. 19\06\2017

O olhar do crente não é um olhar ensimesmado. Quem vive olhando para o seu próprio umbigo anda na contramão da vontade de Deus. 20\06\2017

Fazer o bem é um bom lema para a vida. Sem priorizar a recompensa. Fazê-lo de forma altruísta. Fazer principalmente a quem não pode retribuir. 21\06\2017

A Igreja recebe a capacidade de Deus de vencer e de perseverar. Sempre há um remanescente fiel, como acontecia com o povo de Israel no Antigo Testamento. 25\06\2017

A morte que tira a esperança de muitos não tira a esperança do justo. A Bíblia diz que o justo tem esperança até na morte. Tal esperança é viva – 26\06\2017

(O autor das frases é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

RELACIONAMENTO COM DEUS.

relacionamento com deus

Deus é um Deus pessoal. Não é uma força ou energia. Como é o seu relacionamento com Ele? Próximo, distante ou indiferente? Como responder esta pergunta? Observando as Escrituras.

O indiferente é aquele que toca sua vida como se a vida se resumisse a aquilo que ele está vivendo no momento. Diante de um perigo ele pode até exclamar: meu Deus! Mas, não mais do que isto. Seus projetos de vida não consideram a vontade de Deus. Ele conta consigo próprio, com os amigos, com os contatos e até com o acaso. Pode até ter uma ideia acerca de Deus, mas não conta com Ele na hora de tomar uma decisão. Isto não é necessariamente um ateísmo filosófico, mas é um ateísmo prático porque leva sua vida como se Ele não existisse. Ele pensa no futuro se baseando naquilo que o circunda, e naquilo que são os seus interesses. Afugenta-se nas tarefas diárias sem pensar numa vida além do túmulo.

O de relacionamento distante crê na existência de Deus, mas não traz isto para a sua vida cotidiana. Deus é o Deus do outro. Deus é o Deus do universo, mas Ele fica lá e a pessoa aqui. Ele é Todo-Poderoso, mas não faz intervenções pessoais na sua vida, se fizer, segundo quem pensa assim, será sem envolvimento. O distante também pode se manifestar de outra forma como a religiosa por exemplo. A pessoa é envolvida com o culto, com a liturgia, com os semelhantes religiosos, mas intimidade relacional com Deus não tem. Ele não para um “face a face com Deus”. Ele pode até se envolver com as coisas relacionadas a Deus, mas nunca de forma relacional próxima. Viver num ambiente onde Deus é cultuado e celebrado é o máximo que ele chega.

O autor de Hebreus afirma que para se aproximar a Deus tem que ser com fé. A fé em Jesus é que adentra a pessoa num real relacionamento com Deus. Não é uma fé por tabela, nem uma fé que é uma crença sem coração, mas uma fé pessoal, que resulta em profundas mudanças na vida da pessoa. A fé em Deus só é possível porque Deus tomou a iniciativa em direção ao homem tendo imolado o cordeiro de Deus antes da fundação do mundo. Tendo sua realização na plenitude dos tempos com o advento de Cristo na história. Sendo Jesus o único mediador entre Deus e os homens. Portanto, não há outra pessoa que nos faça próximo a Deus. Um dos seus nomes é Emanuel, que quer dizer: Deus conosco. Quem crê em Jesus torna-se filho de Deus por adoção. Vivendo a partir daí um relacionamento próximo de Deus.

Viver próximo de Deus é desfrutar de um relacionamento com Ele. A pessoa cultiva a devocionalidade através da meditação da Bíblia, oração e a direção do Espírito Santo. Viver próximo é sempre desejar ir mais adiante, pois a vida com Deus é eterna, portanto inesgotável. Uma fonte cristalina sempre jorra no relacionamento com Deus. A proximidade com Ele é mostrada na conduta, na vida que se leva. Não pense que o verdadeiro relacionamento com Deus não seja algo que possamos ver no dia a dia, pois se vê. Não se pode esconder uma cidade edificada no monte. De longe se avistará suas luzes.  Quem está próximo de Deus é capacitado a realizar boas obras porque é um nascido de novo que foi criado por Deus para a realização das mesmas. Portanto, a fé se visibiliza naquele que por ela foi aproximado de Deus.

Você refletiu sobre a sua posição? Você é indiferente, distante ou próximo de Deus?  Deus te quer próximo. Nada de ficar se achando vazio, sem sentido na vida, a mercê do acaso. É tempo de viver aderido pela fé a Deus por meio de Cristo. Quem tem O Filho tem O Pai e recebe O Espírito como companheiro constante. Aquele que vem a Ele de nenhuma maneira será lançado fora. A salvação permanece. Jesus disse: Está consumado e quem crê nEle se apossou da salvação que o levará a ser semelhante a Jesus, pois só assim poderá vê-lo. Louvemos ao Senhor por podermos viver próximos dele desde o dia que cremos.

(O artigo é escrito pelo Pr. Eber Jamil, dono do blog).