Arquivo da categoria: Esperança

JESUS: O TODO-PODEROSO.

todo poderoso blog

Jesus se apresenta a João em Apocalipse como O Todo-Poderoso. Título que é aplicado a Ele oito vezes neste livro, quase sempre associado com o louvor. O Sentido básico da expressão é que Jesus governa tudo e que Sua vontade se imporá sobre o mal em todas as suas expressões. O título claramente mostra a deidade de Cristo. Ele é o princípio e o fim.

João estava preso quando ouviu isto. Ele foi banido para a Ilha de Patmos por ordem do Imperador Domiciano. Foi muito importante para um prisioneiro por causa de Cristo ouvir que Jesus é Todo-Poderoso. Ao invés de deter o evangelho esta prisão cooperou para o crescimento do cristianismo, pois foi em Patmos que ele recebeu a revelação do Apocalipse.

Somos afligidos por muitos poderes na Terra, mas Cristo é Todo-Poderoso. Mesmo vivendo dias difíceis a nossa confiança precisa ser apoiada na Onipotência de Cristo, que governa sobre todos. Poderes terrenos e espirituais da maldade confrontam o poder de Jesus, mas O Senhor está assentado a direita de Deus e Seu trono está firme desde a eternidade.

O apóstolo João já tinha enfrentado a perseguição do Imperador Nero, que foi mais localizada em Roma e agora a perseguição vinha de Domiciano. Na história bíblica o povo de Deus já tinha enfrentado Impérios despóticos como o do Egito, Assírio e Babilônico. Mas, Deus sempre governou e tais impérios não conseguiram aniquilar o povo dEle. O profeta Isaías diz que o Rei da Assíria seria como uma navalha alugada que raparia em parte o povo de Deus. Nabucodonosor rei da Babilônia é chamado de meu servo por Deus segundo profecia de Jeremias quando o rei conquistou o Egito. Paulo falando das autoridades afirma que Deus é que constituí uma autoridade, e que ela é um ministro de Deus para executar seus planos na história. Quando enfrentarmos arbitrariedades por parte das autoridades lembremos que Deus está acima deles e que Ele põe e depõe conforme a Sua vontade.

Em nossa humanidade enfrentamos muitas situações que nos fazem questionar a Soberania de Deus em nossa vida como é o caso da enfermidade. Diante de um diagnóstico difícil sentimos a nossa fragilidade e perguntamos o porquê Jesus permitiu. Ele em seu ministério realizou milagres estupendos que testemunharam acerca da vida que Ele confere ao que crê.

Em certa ocasião Ele foi procurado por um homem importante chamado Jairo que estava com sua filha à beira da morte. Jesus mostrou interesse em agir e se dirigiu a casa de Jairo juntamente com ele. A caminhada até a casa de Jairo foi difícil, pois Jesus estava cercado por uma multidão, que fez Jesus andar a passos curtos. Durante a caminhada uma mulher hemorrágica toca com fé em Jesus e é curada. Ele ao invés de prosseguir sem interrupções ele se detêm e instiga a mulher a se manifestar para que ela fosse salva e suas emoções também fossem curadas. A mulher se manifestou e Jesus a despediu dizendo: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre do teu mal.

Vemos que Jesus é o Senhor do tempo. Ele parecia demorar, mas tinha o poder sobre a situação. Jesus prosseguiu em direção a casa de Jairo, mas homens procuraram Jairo para falar que não adiantaria mais Jesus se dirigir para a casa dele porque a sua filha já havia morrido. Jesus ouve isto e diz a Jairo: não temas crê somente. Jesus mostra que precisamos sempre crer nEle mesmo que o impossível pareça ter se estabelecido. Jesus ao chegar em casa de Jairo ressuscita a filha dele.  Se a enfermidade acontecer na tua vida creia sempre na Onipotência de Cristo sobre o poder da enfermidade. Ele é O Senhor que cura.

Algo que nos confronta e grande poder é a língua. Como Tiago escreveu ela é um membro pequeno do corpo, mas como uma fagulha incendeia uma grande floresta assim a língua pode fazer grandes estragos. Vidas tem sofrido ataques devastadores por palavras mentirosas e acusadoras. Muitas vezes os servos de Deus são confrontados por ameaças e prognósticos funestos, mas O Senhor Jesus está acima de qualquer impropério. Pode você ser acusado falsamente ou tentar se recuperar e alguém proferir uma sentença contra você. Seja qual for a palavra proferida contra você a Palavra de Deus será a última palavra na tua vida.  Jesus afirmou que no dia do juízo prestaremos contas de toda a palavra ociosa proferida. O justo Juiz Jesus está acima de todas as palavras e pesa os espíritos.

Algo que enfrentamos também é o sofrimento. Jesus disse que no mundo teríamos aflições, mas nenhuma dificuldade ou luta nos separará do amor de Cristo. Uma união com Cristo foi estabelecida pela fé. Portanto, não será a tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada que fará Jesus deixar de nos amar. A tribulação em Cristo produz perseverança que produz experiência e a experiência, esperança, que não nos confunde. As provações sendo vivenciadas em Cristo produzem um peso de Glória. Não vivamos atentado as que nossos olhos veem, pois são temporais, mas atentemos para aquelas que não vemos, pois são eternas. O Todo-Poderoso está acima do nosso sofrimento.

Jesus já conquistou a vitória sobre o adversário, Satanás, que é tentador e acusador. Nós servos de Deus precisamos sempre lembrar que O Senhor se manifestou para desfazer a obra de Satanás. O inimigo costuma usar a estratégia de parecer maior do que é, mas ninguém é maior que O nosso Senhor. Foi na cruz que O Senhor despojou satanás e nós os que cremos em Jesus recebemos também a vitória pelo sacrifício vicário de Cristo. Ele quando falou acerca da Igreja disse que as portas do inferno não resistirão a ela. O inimigo tenta nos deter, mas nos triunfamos. Deus não nos deu um espírito de covardia. Portanto, avancemos e não temamos o inimigo que busca nos devorar, porque O Senhor é maior. O inimigo já foi derrotado e agora aguarda a sentença contra ele ser executada.

Dentre muitos confrontos que enfrentamos a morte é o último inimigo que enfrentamos e será destruída por Cristo. Servimos a Jesus que ressuscitou ao terceiro dia e nós o que cremos nele também ressuscitaremos no momento da sua volta. Não temos que viver com medo da morte. Jesus é a ressurreição e vida, quem crê nEle ainda que esteja morto, viverá. Paulo tinha tanta certeza da vida eterna ao lado de Deus que proferiu sobre a morte como um lucro, pois seu viver era Cristo e ao morrer estaria sempre com Ele. O crente em Jesus não sofre mais uma separação de Deus. Vive com Deus e ao morrer estará para sempre com Ele.

Talvez você esteja enfrentando uma situação maior do que suas forças. Entregue sua causa impossível ao Senhor que pode todas as coisas. Enfrentamos em nossa vida a carga que vem pela as oposições que trabalham no sentido de nos desanimar e nos desencorajar. Mas, a Palavra de Deus que vem até você é que Jesus é Soberano e seja qual for a sua situação Ele pode modificar. Como João foi contemplado pelo Senhor num momento de prisão Deus pode te animar com a Revelação de que Ele é Todo-Poderoso.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

A IMPORTÂNCIA DO PROPÓSITO.

proposito de vida blog

É preciso durante a existência encontrar-se com o Criador. Deus sempre buscou se comunicar com o homem de muitas formas para que este não ficasse perdido para sempre por causa da escolha errada que fez pelo pecado. Quando pecou o homem errou o alvo passando a viver na desorientação e condenação. Mas, Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu filho para redimir as pessoas, que ao crerem nEle, reconciliam-se com Ele através de Jesus. Não há outro mediador que poderia ou possa fazê-lo. Ao crer em Jesus o homem se reencontra com Deus, desfruta da Paz com Deus e as demais coisas são conduzidas segundo o Espírito Santo pela Palavra de Deus na vida de quem crê.

Como parte de uma vida de paz é importante ao homem saber que o reencontro com Deus é o reencontro do homem com o propósito da existência – Glória de Deus. Conhecer tal propósito é essencial para que o homem tenha o discernimento e a perspectiva necessária para viver na vida abundante que Cristo outorgou aos que creram. Encontrar o propósito é ter a resposta a uma das grandes perguntas da vida – por que existo? A resposta não está no próprio homem ou em alguma elaboração sua, mas no próprio Deus e em Seu Filho, que revelou em Sua Palavra.

A Glória de Deus no Antigo Testamento significa uma manifestação da presença de Deus. A Glória de Deus enchia o Tabernáculo e o Templo que os hebreus edificaram para O Senhor. Quando afirmamos que o propósito é a Glória de Deus afirmamos que quando Deus é identificado em nossa vida pelo nosso exemplo isto glorifica a Deus. Portanto, o propósito da Glória de Deus está ligado a ideia da presença de Deus se manifestando em nós.

Ao saber o propósito a vida não fica com uma grande interrogação e alcança a resposta. Quando se tem dúvida torna-se inconstante e sujeito a ser levado por ventos estranhos, pois não sabe para onde ir. Como alguém já disse: quem não sabe para onde vai qualquer lugar serve. Mas, não é assim com quem encontrou o propósito da existência. Vive a vida com integralidade como alguém que discerniu a sua razão de ser.

Ganha significado quando se encontra a razão, ganha um senso de missão. A pessoa se sente encaixada num propósito maior que transcende a vida física, pois sabe que o propósito tem haver com um objetivo que Deus traçou antes de todas as coisas existirem, desde a eternidade. Ele não se sente mais uma pessoa no mundo, mas entende que é alguém com propósitos. Entende que sua vida não é um acidente e nem se sente como um peixe fora d’água.

O propósito faz nós exercemos melhor a nossa mordomia cristã. A mordomia cristã afirma que Deus é dono de tudo e nós seus mordomos, ou seja, administradores. Isto é ao mesmo tempo responsabilidade e privilégio para nós. Deus nos fará duas perguntas fundamentais: a primeira é: O que você fez com o meu filho, Jesus Cristo? E a segunda o que você fez com que lhe dei? Se exercermos a mordomia cristã dentro do propósito Divino responderemos a segunda pergunta afirmando que multiplicamos os dons que Ele nos deu buscando a Glória dEle.

Saber o propósito significa ter meta e ter um modelo – Jesus. A meta é ser semelhante a Ele cuja obra Espírito Santo realiza. A referência é o próprio Jesus. A questão da Glória de Deus estará sempre envolvida porque o objetivo é buscado de Glória em Glória e será alcançado na Glória dos céus. Teremos entendimento que a vida não é vã e não seremos uma maria vai com as outras porque sempre buscamos seu propósito.

Evita desperdícios e ganha-se foco quando se sabe o propósito. Não se fica dando tiro para todos os lugares. Não se fica zanzando em busca de sentido. O tempo é melhor administrado. O homem foi criado para Louvor e Glória de Deus. Quando se sabe o porquê e se busca este objetivo a qualidade de vida aumenta.

A pessoa passa ter um aferidor da existência, que é Jesus. A pessoa ganha consciência se está ou não fora da vontade de Deus. Temos o exemplo das pessoas que completaram a carreira cumprindo o propósito. Ao estar ou não cumprindo o propósito em Cristo ficará mais claro como anda a sintonia com Deus ou não. A pessoa se sente alguém achado. Sente-se em Paz com o Criador, Quantas vidas estão desafinadas e assim se sentem pois não buscam viver a vida conforme Deus em Jesus! O objetivo dEle é que as pessoas tenham comunhão com Ele e glorifiquem Seu Nome o que traz resposta a nossa necessidade de pertencimento.

O entendimento acerca da vitória, completude e realização são decorrentes também de se saber e realizar o propósito.  É quando a pessoa sabe que está no caminho certo e o busca. É quando se sabe qual é o tesouro maior da vida e se tem consciência que o achou assim a pessoa desfrutará da Plenitude que Deus planejou.

Quem crê em Jesus acha o Reino de Deus e reconhece que ele vale mais do que tudo na vida. A Glória de Deus não é apenas o objetivo é a maneira de viver buscando o objetivo. Portanto, a pessoa enfrentará a vida com suas dificuldades olhando além para o alvo e crendo que o propósito se realizará e que a recompensa eterna não lhe será tirada. Pois, ter este propósito é maior do que o propósito de deixar uma herança ou legado. Sabemos que o tudo não é aqui e que no céu receberemos a recompensa.

Um dos segredos da vida cristã é tirar a visão e a orientação de si mesmo e focar, avistar o Autor e Consumador da fé – Jesus. Ao buscar alcançar de todo o coração a consumação do propósito de Deus, que é transformar o crente na semelhança de Jesus, ou seja, a Glória de Deus, o crente mostrará que as respostas acerca do sentido da vida sempre tiveram em Jesus, e não em nós mesmos. Vivendo assim, priorizando as coisas eternas mais do que as terrenas, que perecem, sendo as eternas imperecíveis e caminhando para o alvo que o próprio Deus estabeleceu, que é Jesus, em quem se reencontra Deus com Sua Glória.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A DIFERENÇA QUE A FÉ FAZ.

moises

Todos nós estamos envolvidos com outras pessoas, incluídos numa família, num grupo ou em uma comunidade. Porém, somos pessoas diferentes, ímpares, que de alguma forma evidenciará suas características particulares. Dentre as virtudes que fazem diferença a fé se destaca. A presença dela ou sua ausência é realmente perceptível. Uma vida de fé em Jesus será um referencial para os demais que são regidos pelo que se vê, mas aquele que crê caminha vendo o que os olhos não podem ver de forma segura e direcionada por causa do Seu alvo – Jesus e adentra nas maravilhas espirituais contidas nEle.

O capítulo 11 de Hebreus destaca vários homens que creram por isto fizeram diferença em suas gerações cujas histórias são contadas até os dias de hoje e exemplos para nós. Dentre as pessoas citadas está Moisés cuja importância para a história da fé é vital. O autor enfatiza que Moisés teve uma vida de fé e que seus pais que lhe antecederam mostraram também ter e por isto ele foi um poderoso instrumento nas mãos de Deus de uma revolução na história da humanidade. Um povo escravizado foi liberto e Deus lhes outorgou uma lei que se tornou o maior referencial ético comportamental da história. Tudo isto aconteceu com Moisés porque ele creu no Eu sou o que Sou.

A fé na vida de Moisés foi um diferencial nas suas escolhas. Ele recusou ser chamado filho da filha de faraó e desfrutar dos prazeres do Império Egípcio para escolher ser maltratado com o povo de Deus. Ele escolheu as coisas eternas e não temporárias. Certamente se optasse pelo seu status de filho da filha de Faraó teria muito prestígio. O mundo tem um certo prazer a oferecer, mas como Moisés devemos preferir os valores eternos e não os temporais. A fé enxerga além da nossa visão terrena. Moisés tinha visto a Glória do Egito, mas preferiu se unir aos escravos. Quantos não fazem a opção contrária e escolhem os que os olhos podem ver, as mãos podem tocar, os sentidos podem perceber, mas Moisés mesmo sabendo do sofrimento optou pelo Povo de Deus do qual ele fazia parte e também atender o chamando de Deus para uma grande obra. Muitos hoje em dia preferem viver o momento, dar vazão ao sentimento e não optam pelo desconforto de renunciar em favor de algo mais duradouro, permanente. Moisés pela fé fez o caminho contrário e nós devemos fazer também. A fé faz diferença nos tipos de escolhas que fazemos.

Ainda pensando no exemplo de Moisés percebemos que a fé faz uma diferença em nossas escalas de valores. Consideramos as coisas espirituais mais importantes porque temos fé. Moisés preferiu a vergonha e a humilhação que Cristo passaria do que os tesouros do Egito, porque olhava para o galardão. Esaú trocou a primogenitura por um prato de lentilhas, mas Moisés preferiu as humilhações por ser servo de Deus porque ansiava as recompensas celestiais que lhe seriam dadas. Aquilo que nós preferimos revela muito do que somos. Vemos que Moisés era uma pessoa de fé porque a sua preferência estava em algo que ele tinha convicção que receberia, ele preferiu aquilo que seus olhos espirituais enxergavam do que todas as riquezas do Egito que ele conheceu e viu com seus olhos carnais. Jesus sofreu a humilhação da cruz e do martírio, foi considerado pelos homens maldito. A preferência de Moisés foi ficar com a profecia que havia recebido sobre o sofrimento de Cristo identificando-se com seus vitupérios do que as riquezas que poderia possuir sendo filho da filha de Faraó. Na vida também renunciamos muitas coisas porque pela fé preferimos os valores espirituais advindos de Deus porque temos a convicção que receberemos a recompensa, que é o galardão, das mãos de Deus.

A fé faz diferença também no modo como enfrentamos a oposição, a ameaça e o medo por fazermos a Obra de Deus. Moisés confrontou o maior império do seu tempo com todo o seu poderio militar porque olhava para o invisível, para O Deus que ele servia, e não foi vencido pelo medo. A fé fez ele resistir, não temer, avançar para a conquista do objetivo de Deus. O mundo cujo sistema pecaminoso é dominado por satanás persegue, ameaça aqueles que servem a Jesus, mas não o viram, porém creem. Olhando para Jesus precisamos resistir as ameaças e a oposições em diversos níveis que o mundo nos faz com a convicção que O Deus que não vemos com os olhos carnais está conosco, que Ele é o nosso refúgio. A firmeza da fé de Moisés fez ele olhar o Deus invisível e ter resistência não temendo a o ódio de Faraó que desejava manter o povo escravo de todas as formas que lhe fosse possível. Nas duras provas da vida a fé faz uma diferença essencial. Quem crê no Senhor é revestido de força e ânimo para enfrentar as dificuldades.

Ainda pensando na diferença que a fé fez na vida de Moisés percebemos que a fé fez diferença na vida de obediência a Deus por parte dele. Depois de nove pragas enviadas ao Egito Deus anuncia a décima praga a Moisés que seria a pior e última praga. Nenhuma família egípcia iria escapar. Haveria a morte do todos os primogênitos. Deus orientou a Moisés a conduzir ao povo de Deus celebrar pela primeira vez a Páscoa, uma das festas mais importante para os judeus, que comemoraria a libertação do povo de Israel do Egito e livraria o povo Deus da morte dos primogênitos. A celebração envolvia a refeição de um cordeiro e aspersão do seu sangue nos umbrais das portas. Moisés obedeceu e orientou o povo a celebração conforme Deus lhe orientara. Quem tem fé vence o mundo. Quem tem fé obedece. A morte dos primogênitos foi uma grande praga, mas o povo de Deus não perdeu nenhum dos primogênitos porque obedeceu celebrando a Páscoa. Para nós cristãos, a Páscoa aponta para a obra redentora de Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado no mundo, quando celebramos a ceia do Senhor estamos comemorando a vitória de Cristo sobre a morte e a vida eterna de comunhão que temos com Deus. Celebremos a ceia também pela fé que temos na obra de Cristo e obedeçamos a sua observância por ser uma ordenança de Cristo.

Diante do exemplo da fé de Moisés podemos ressaltar como a fé em Deus faz diferença. Jesus afirmou que Seu povo é o sal da terra e luz do mundo. As duas metáforas mostram o poder outorgado por Deus ao Seu povo para influenciar e combater as trevas. O povo de Deus dentre suas características é um povo de fé. Portanto, diante de tudo que temos afirmado nos apeguemos e meditemos na Palavra de Deus pois a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. Quanto mais a Palavra tiver acesso as nossas vidas mais fé teremos e faremos assim mais diferença. As nossas escolhas, escalas de valores, resistência e obediência serão influenciadas pela fé fazendo diferença no mundo insosso e em trevas. “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé (1 João 5:14)

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

CORRENDO BEM A CARREIRA CRISTÃ.

corrida do cristao

A vida cristã por vezes é comparada a uma corrida. Usando esta comparação Paulo pergunta aos Gálatas: vós corríeis bem; quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade? (Gl 5:7) Ele fez esta pergunta porque havia um pequeno grupo de judaizantes que estava persuadindo aos gálatas a praticar a cerimônia da circuncisão que na verdade deveria ser somente para os judeus, pois para os gentios que tinham aceitado o evangelho da Graça de Deus seria retroceder ao legalismo judaico, pois a circuncisão era um sinal visível da aliança que Deus tinha feito com os judeus e não com os gentios. Para os gentios seria colocar-se debaixo da servidão da lei a qual ninguém consegue cumprir cabalmente, pois todos são pecadores. Paulo asseverou, portanto: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a meter debaixo do jugo da servidão” (Gl 5:1).

É preciso empenho e abstenção de tudo que possa embaraçar a corrida da carreira cristã. O inimigo tenta atrapalhar, o mundo é antagônico, a carne deseja o pecado, empecilhos aparecem, variados obstáculos surgem, que podem comprometer a nossa caminhada, mas devemos seguir a carreira de forma resoluta. Quem começou a corrida tem que ter como objetivo chegar ao final, mas até lá muitas águas correm debaixo da ponte e obstáculos precisam ser vencidos.

Pretendo discorrer algumas observações sobre esta carreira que todo o crente participa que começou no início da fé findando na consumação dela.

Como atletas de Cristo é necessário empenho, abstenção e disciplina na carreira cristã que não são atitudes isoladas, mas na força e na companhia do Espírito Santo dispensadas por Jesus, o autor e consumador da fé. São os valores e bens eternos que motivam a carreira. O atleta visa uma coroa corruptível, mas o servo do Senhor a incorruptível. O crente em Jesus tem propósito. Não é alguém que não sabe para onde está indo e para alcançar seu objetivo apresenta seu corpo como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus prestando um culto racional ao Senhor e sendo aprovado durante a carreira. O servo do Senhor não participa da carreira como se fosse um treino, mas encara como de fato é, a carreira cristã viva e real (1 Co 9:24 – 27; Rm 12: 1 e 2 e Jo 14: 16 – 18).

Nesta carreira muitos já correram e concluíram. Os que estão percorrendo o fazem como que rodeados de uma grande nuvem de testemunhas que lhes antecederam. Devem evitar os embaraços que podem ser até coisas lícitas, mas que atrapalham o bom desenvolvimento da corrida quando em demasia. Os soldados alistados pelo Senhor não devem se embaraçar com a vida civil, mas cumprir a vocação de combatentes agradando ao Senhor que alistou. O pecado que nos rodeia é outro que maleficamente atrapalha a carreira e por isto deve ser também evitado. Alguns tropeçam e caem por causa dele trazendo sobre si prejuízos e sofrimentos. Quem corre pelo Senhor deve sempre olhar para o exemplo de Cristo que tudo suportou e superou para cumprir a carreira proposta pelo Seu Pai (Hb 12:1-4; 2 Tm 2:4 e 5). Assim devemos fazê-lo olhando para Jesus.

Uma vez iniciado a carreira cristã o servo de Deus tem como objetivo terminá-la, ou seja, chegar ao final. Deus não deixa a Sua Boa obra em nós pela metade. O que Ele começa, conclui. É nosso dever ter certeza que estamos lutando o bom combate do Senhor e combatê-lo até o fim guardando a fé que surgiu da audição da Palavra de Deus e permanece conosco (II Tm 4:7 e 8).

A igreja da Galácia havia começado a carreira, mas recebeu influências que minaram a caminhada de fé fazendo com que deixassem de correr bem. Da nossa parte o foco deve ser o mesmo do início – Jesus, perseverando, nos abstendo como atletas disciplinados, deixando os embaraços, o pecado que atrapalha e concluir a boa corrida cristã.

Paulo alcançou em sua própria vida aquilo que recomendou aos gálatas. Ele combateu o bom combate, acabou a carreira e guardou a fé. A nossa vida seja inspiradora também, pois muitos enfrentam dificuldades na carreira cristã e eles precisam ver em nós exemplos de boas caminhadas e bons combates, que não ficam paralisados no meio do caminho ou embaraçam-se chegando a conclusão da carreira como servo bom e fiel.

(O autor do artigo é o Pr Eber Jamil, dono do blog).

AH, SE NÃO FOSSE O SENHOR!

blog

Se hoje tivéssemos a oportunidade de contemplar a vida de Davi esse herói bíblico, músico, estadista, profeta, poeta e guerreiro acharíamos que era um herói sem temores. Os feitos de Davi estão em nossas mentes. Grande guerreiro. A vitória sobre Golias é sempre recordada.  Em sua época as mulheres cantavam e dançavam a seguinte música: Saul feriu os milhares, porém Davi dez milhares. Mas como Eugene Peterson escreveu que se quiséssemos conhecer a história de Davi deveríamos ler primeiro e segundo livro de Samuel, mas se quiséssemos conhecer o coração de Davi deveríamos ler os salmos. Nos salmos vemos as angústias e alegrias de Davi.

No Salmo 124 especificamente vemos Davi mostrar seus temores e reconhecer que: “Ah, se não fosse o Senhor” teria sido destruído. Diante das vitórias da vida não devemos nos ufanar, e envaidecer, mas sempre reconhecer que se não fosse o Senhor não teríamos alcançado como fez Davi. Humildade sempre.

A maneira como Davi descreve seus inimigos mostram seus temores o que nos escaparia se não fosse ele mesmo abrir o seu interior através da composição de salmos como este. Ele evoca o testemunho do povo de Israel porque toda história do povo de Israel é marcada por estes confrontos e como parte importante do povo Davi também enfrentou estes adversários. Os temores e os medos se manifestam dentro de Davi e na coletividade do Povo de Deus de formas diferentes dependendo da própria subjetividade individual de Davi e coletiva do povo em suas percepções.

No versículo 3 ele retrata seus adversários e do povo de Deus como um mostro voraz, que seria capaz de engoli-los vivos. Nos versículos 4 e 5 seus inimigos e do povo são descritos como um dilúvio que quase cobriram todo o povo de Israel afogando-os. No versículo 6 o adversário é como uma fera correndo atrás da presa com seus dentes afiados. No versículo 7 o adversário é como um caçador que lança armadilhas como uma cova e aqui especificamente como um laço do passarinheiro que chegou a pegar o povo como se pega um pássaro, mas o laço quebrou-se.

Davi descreve seus receios e do povo de Deus, mas o medo não o dominou. Ele confiava no Senhor. Ele teve uma visão de Deus durante os confrontos e perseguições. Houve temores, mas ele não foi enlaçado pelo medo. O sábio disse: O receio do homem armará laços, mas o que confia no Senhor será posto em alto retiro (Provérbios 29:25).  Quem está em alto retiro tem visão privilegiada e segurança.

Mesmo sendo um hábil guerreiro ele não atribui suas vitórias e do povo de Deus as suas habilidades e perícia. A humildade de Davi, sua visão correta de Deus, da sua história e do povo Deus são vistas neste salmo. Ele reconhece os benefícios dados por Deus e escreve: Ah, se não fora o Senhor! Não foi sem dúvida um recurso linguístico ou melódico foi de fato a percepção do agir de Deus nas adversidades. O sábio escreveu: Reconhece O Senhor em todos os teus caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas. Davi também reconhece que o tempo todo Deus esteve ao lado deles. As vitórias e os livramentos foram alcançados porque Deus esta ao lado e decidiu livrar o povo de ser engolido (v.3), do dilúvio (v.5), dos dentes da fera (v.6) e quebrou o laço que os havia prendido (v.6). Davi termina afirmando que o socorro está no Nome do Senhor, que tem haver com quem Deus é, e sua supremacia sobre qualquer força do universo e da terra. O nome do Senhor é tão poderoso que é utilizado por pessoas que não o conhecem e o poder se manifesta, mas Davi fala constantemente como uma pessoa, como um povo que conhece a Deus. se relaciona com Ele e já discerniu seu agir na história. Ele diz que O Senhor é o nosso socorro, sempre esteve ao nosso lado, interviu, nos livrou e que Ele seja bendito. Portanto, Davi compôs o salmo mostrando um relacionamento próximo e de submissão a Deus.

Possamos olhar para nossa vida com gratidão e dizer: Ah, se não fosse o Senhor! Com certeza não chegaríamos até aqui e a certeza da nossa eterna morada no céu não seria uma forte convicção para nós.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

PRESOS, PORÉM, LIVRES!

paulo e silas

Quando pensamos em prisões pensamos normalmente nas prisões tradicionais onde os criminosos estão detidos por causa dos seus crimes que foram julgados pela justiça, mas há outros tipos de prisões que podem deter e impedir pessoas de se movimentarem livremente e desembaraçadamente. O prisioneiro, escrevamos assim, é o indivíduo que está privado da sua liberdade de forma variadas.

A história acontecida com Paulo e Silas em Filipos mostram tipos de prisões diferentes e não somente aquela em que eles foram lançados injustamente. Há muitos tipos de prisões como as espirituais, a ganância, medo e há aqueles que estando presos são verdadeiramente livres.

A prisão espiritual é retratada nessa história em Filipos. Durante o seu trabalho de evangelização Paulo foi importunado por uma menina que era escrava e possessa por um espírito de adivinhação. Era uma pessoa explorada pelos seus senhores e possuída por espíritos demoníacos. Portanto, vivia numa prisão espiritual. A adivinhação dela não era um truque, ou uma superstição, mas eram espíritos do mal que faziam ela adivinhar. Especificamente o espírito que possuía era conhecido na religião grega como píton, que era uma cobra imensa, por isto ela era chamada de pitonisa. Como esta menina há muitas pessoas em prisões espirituais que pode até parecer trazer alguma vantagem, mas o inimigo dá para prender e impedir a pessoa de conhecer a Deus. O inimigo dá para depois aniquilar totalmente a pessoa. Na Bíblia vemos muitos exemplos destes tipos de prisão espiritual por possessão demoníaca. Essa menina foi liberta pelo poder de Deus e perdeu a capacidade demoníaca de adivinhar.

Nessa história vemos outro tipo de prisão que é a ganância, a ânsia exagerada pelo ganho. A menina pitonisa era escrava de determinados senhores que lucravam com sua adivinhação. Quando ela foi livre do espírito de adivinhação parou de dar lucro para seus senhores que se sentiram atingidos profundamente pela perda. Eles eram prisioneiros da ganância tanto que não se alegraram com a libertação espiritual da moça, pelo contrário sentiram se prejudicados com tal libertação. Para eles a moça era uma mercadoria. O objetivo deles era lucrar. Quando viram perder o lucro prenderam Paulo e Silas, e os levaram à praça, à presença dos magistrados que juntamente com a multidão acoitou-lhes depois de rasgar suas vestes. Não houve um cuidado na hora de apurar com justiça o que Paulo e Silas fizeram. A ânsia de puni-los pela perda do lucro foi tão grande que negligenciaram a cidadania romana deles e os açoitaram sem um julgamento. Paulo em outra ocasião ao escrever a Timóteo afirmou que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Esses senhores envolvidos pela ganância cometeram injustiças e arbitrariedades.

Ainda vendo alguns tipos de prisões vemos aqui que havia outros prisioneiros na prisão em que Paulo e Silvas foram lançados, que estavam ali trancafiados pela justiça dos homens por causa dos crimes cometidos. Esses eram pessoas que normalmente classificamos como prisioneiros. Hoje em nosso País temos uma população carcerária maior do que as nossas prisões comportam e os prisioneiros estão em condição sub-humana sujeitos há vários tipos de males. O indivíduo que paga pelo seu crime encara os efeitos dos seus atos cometidos e muitos desses não se reabilitam voltando depois para a sociedade piores do que entraram com algumas exceções, é claro. Podemos dizer que estes tipos de prisioneiros são aqueles tipicamente que vemos como tais. Homens e mulheres continuam sendo presos por cometerem crimes que agridem a sociedade e a Deus.

Neste acontecimento há também o prisioneiro pelo medo, que foi o carcereiro, que era responsável por manter os prisioneiros trancafiados e acorrentados. Apesar de parecer que ele tinha liberdade ele estava agrilhoado pelo medo. Como carcereiro ele era responsável pela manutenção dos prisioneiros em seus cárceres podendo pagar com a vida se algum deles fugissem. Percebemos pela história que ele vivia em tensão sabendo dos riscos que ele corria e temia sobremaneira a fuga de algum prisioneiro. Ele temia a punição de seus superiores que seria possivelmente a morte. Quando ele notou que depois do terremoto acontecido na prisão porque Paulo e Silas cantavam e os prisioneiros tiveram seus grilhões quebrados, cadeias abertas e eles poderiam fugir, ele tentou o suicídio. Mas, foi interpelado por Paulo e Silas que impediram a ele cometer o mal contra si mesmo. Paulo gritou: não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. O carcereiro cônscio de que estava acontecendo pediu ajuda a Paulo e Silas dizendo: Senhor, que é necessário que eu faça para me salvar? Paulo respondeu: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e tua casa. O carcereiro creu e foi liberto da prisão do medo pois levou Paulo e Silas para sua casa, lavou as feridas deles, foi batizado, pôs a mesa para eles e alegrou-se com todos da sua casa que creram em Jesus e foram batizados.

Enquanto, Paulo e Silas em parte do acontecimento estiveram presos de fato e em verdade nunca deixaram de ser livres. Mesmo açoitados e com os pés no tronco que era um instrumento de tortura, construído de tal modo que forçava as pernas ficarem bem separadas uma da outra e causando assim grandes sofrimentos estavam espiritualmente livres. Em Cristo, podemos passar situações imobilizantes, porém, seremos verdadeiramente livres. Podemos ser limitados na saúde, nas finanças, socialmente, nos relacionamentos, mas em Cristo seremos livres.  Como Paulo dizia, preso pela justiça, por pregar o evangelho, se dizia livre e prisioneiro de Cristo. Quem está ligado a Jesus está verdadeiramente livre. É servo de Cristo, mas é uma servidão voluntária onde há verdadeira liberdade. Paulo e Silas presos injustamente cantaram a meia noite. Mesmo nesta condição e feridos impediram o carcereiro de cometer o suicídio. Aceitaram ir em sua casa, e tiverem suas feridas lavadas por ele sem ressentimentos, pregaram o evangelho para todos da casa e ainda batizaram o carcereiro e os familiares porque apesar de tudo sempre foram livres em Cristo Jesus mesmo que passando por uma situação limitante certa vez falou: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (João 8:36). Paulo e Silas foram presos, porém, eram verdadeiramente livres.

Talvez você que está em Cristo possa estar passando por uma situação limitante, mas é verdadeiramente livre.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

JUSTIFICAÇÃO EM CRISTO!

 

justificação

Muitos vivem como se estivessem num tribunal sendo julgados ou como juízes condenando.  Tais fatos acontecem porque todos nós lidamos com o problema da culpa por isto, muitas vezes, procuramos ser absolvidos como réus pelo outro, ou ainda lançamos a nossa culpa no outro e condenamos como se fôssemos juízes. Costumo dizer que a culpa é uma batata quente que ninguém quer segurar. Por isto, o homem cria mecanismos de livrar-se dela sem alcançar seu intento. Tal verdade é mostrada pela atitude da personagem Homer Simpson que afirmou: a culpa é minha eu boto em quem eu quiser”. O que esta frase mostra é o engano dos homens, pois acham que conseguem se livrar da culpa por si mesmos, mas não conseguem. Podem até encobrir, mas a culpa não é resolvida e o dia da prestação de contas acontecerá.

A Bíblia é bem clara quando afirma que todos os homens são pecadores. Não há nenhum justo sequer. Já nascemos pecadores com concupiscência que é a inclinação para o pecado. Portanto, a culpa é um problema universal, pois todos são pecadores e todos são culpados. Esclarecido isto fica a pergunta como o homem pode ter sua culpa retirada?

Algumas pessoas esperam a absolvição da culpa através de outras pessoas como ela. Tomaram para si a posição de réu e diante das pessoas esperam ouvir a sentença: inocente ou culpado. Quando são elogiadas a sentença soa como: inocente. Quando criticadas a sentença soa como: culpado. Essas pessoas acreditam emocionalmente que o elogio é sinônimo de absolvição, e a crítica de condenação.  Deve ser insuportável viver assim! Porque a pessoa fica oscilando entre inocência e culpa constantemente.

Percebemos também a tendência de se fazer uma leitura da vida baseada nas circunstâncias. Se algo bom acontece é porque sou merecedor. Se atravessa por dificuldade é porque em algum momento pecou e causou a adversidade. Tal leitura não resolve a culpa mesmo que o momento seja favorável porque a vida com suas oscilações poderá fazer com que aquele que se acha absolvido sentir-se culpado novamente.

Tem outro grupo de pessoas que lidam com a culpa se colocando como juízes sobre os outros. Para seus próprios pecados querem a misericórdia e para os pecados dos outros são juízes togados prontos para dar a sentença. Quando condenam sentem de alguma forma livre de seus próprios pecados, que não são confessados e nem há arrependimento e mudança, pois tentam resolver escondendo seus erros através da condenação de outros. Condenam de muitas formas: interiormente e externamente, mas não encontram paz porque ao apontar o cisco no olho do outro não tira a trave que está no seu.

O pecado não pode ser resolvido por estes mecanismos emocionais criados pelo próprio homem. O perdão só pode vir de Deus. Quando Ele enviou Jesus foi com esta finalidade de redimir o homem do pecado e tirar a culpa do homem. Cristo, na cruz, se fez justiça por nós. Pagou o preço. Expiou a culpa.  Quem crê em Jesus recebe a sentença: JUSTIFICADO, que é uma declaração Divina que não há mais condenação para quem crê em Jesus. Deus é o teu juiz! E se você está em Cristo não há mais condenação sobre você. Mesmo que enfrentes as consequências do pecado, as quais nós enfrentamos, mas diante de Deus os que creem em Cristo como O cordeiro de Deus são perdoados e justificados. Portanto, nada de viver na mendicância por absolvição por parte de outros homens e nada de vestir a toga de juiz para condenar. Quem está em Cristo está justificado.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).