Arquivo da categoria: Medo

O NATAL E O FOCO DE INCÊNDIO.

foco de incendio

Quando pensamos em natal pensamos em nascimento, felicidade, paz, fraternidade, família reunida e muitos mais predicados positivos que a data traz à lembrança. Quando analisamos o primeiro natal vamos encontrar esses elementos, mas não houve só calmaria na época natalina. Uma forte oposição se levantou contra o nascimento de Cristo tendo como protagonista Herodes, o grande, rei da Judéia.

Como estava nos planos de Deus, a encarnação de Cristo, Herodes não conseguiu matar Jesus ainda infante. Haveria de chegar no tempo de Deus a crucificação de Cristo, mas não era a hora. Aquele não era o tempo da morte e ressurreição de Jesus. O natal foi tempo do seu nascimento, mas como na vida, nem tudo foram flores, entre anjos, pastores, magos, animais e estrela houve como que um incêndio em Belém, houve uma matança de crianças por parte de Herodes de dois anos para baixo. Uso a figura do incêndio como uma metáfora. Porque houve uma combustão no coração de Herodes. Houve um foco de incêndio em seu coração. Num incêndio real e atual entre as causas habituais podemos destacar falhas ou avarias nas instalações elétricas, acidentes com velas, cigarros ou outras fontes de calor. Com Herodes o foco da combustão no seu coração foi o orgulho. Ele ordenou uma matança pela espada de crianças tentando atingir o Salvador porque viu o seu poder ser ameaçado.

Herodes é um tipo de satanás. Ele foi influenciado pelo espírito luciferiano. Ele como monarca desfrutou de uma impunidade quase absoluta. Um dos seus primeiros atos no governo foi assassinar quarenta e cinco membros do Sinédrio. Também matou seu sogro e cunhado. Forjou um julgamento para matar sua esposa Mariana, e depois matou três de seus filhos. César Augusto disse que era melhor ser porco de Herodes do que seu filho (porque ele não comia carne de porco). Herodes, um pouco  antes de  morrer, mandou matar as pessoas mais representativas do seu reino para que houvesse choro no dia de sua morte. Morreu aos setenta anos e ao invés de choro houve alegria por parte do povo no dia da sua morte. Jesus nasceu no fim da vida de Herodes, quando esse julgava seus rivais eliminados, e quando suas perturbações domésticas chegaram ao auge. Com o nascimento de Jesus o orgulho e inseguro Herodes perturbou-se e satanás usou a vaidade de Herodes como um foco de incêndio para tentar impedir o nascimento do Messias.

Nem sempre entendo a palavra orgulho como algo pernicioso. Creio que num sentido benigno a palavra pode significar um certo amor-próprio ou contentamento por alguma conquista. Não creio que eu erre ao dizer que tenho orgulho da minha filha por quem ela é. Entretanto, creio que o orgulho na maioria das vezes pode ser soberba, que desagrada a Deus e faz com que Ele resista tal pessoa. A Bíblia chama isto de soberba da vida, que foi uma das causas do primeiro pecado do homem, que quis conhecer o bem e o mal como Deus conhecia comendo do fruto proibido. C. S. Lewis tem uma frase interessante: “o orgulho é a galinha sob a qual todos os outros pecados são chocados”. No caso de Herodes sua soberba, seu amor ao poder, seu orgulho e vaidade foi um foco de incêndio numa ocasião majestosa que foi o nascimento de Cristo. No salmo 19 o salmista Davi pede no versículo 13: Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhoreie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão. Davi chama de grande transgressão a soberba, que acaba se assenhorando da pessoa. Foi o lastimável caso de Herodes.

Tal espírito é tão distante da singeleza, e beleza do natal, do seu significado, mas como vimos no primeiro natal, tal espírito satânico se opôs frontalmente ao Espírito Santo que gerou no ventre de Maria, Jesus, O Filho de Deus, Emanuel, o Salvador. Mas, a soberba, o orgulho, a jactância, não venceram Jesus. Aliás na Bíblia vemos que Faraó, Manassés, Senaqueribe, Nabucodosor, Golias, a família Herodiana e tantos outros foram até onde Deus permitiu ir. Não prevaleceram contra Deus. Herodes, o Grande, mesmo tendo obsessão pelo trono não conseguiu vencer aquele que nasceu numa estrebaria e foi deitado numa manjedoura. Os soberbos deste mundo que esbravejam seus poderes para todo mundo ouvir como Hitler, Stalin e tantos outros se prostrarão diante daquele que tomou a forma de homem e nasceu em Belém. É o que está escrito em Filipenses capítulo 2: 5 – 11:

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

Neste natal entenda a importância de você andar em humildade com o teu Deus. Procure ter o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus. No livro de Miquéias que profetiza sobre o nascimento de Cristo na pequenina Belém mostra o que Deus deseja de nós neste natal e sempre no capítulo 6:6-8:

Com que me apresentarei ao Senhor, e me inclinarei diante do Deus altíssimo? Apresentar-me-ei diante dele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o Senhor de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus?

Não é pirotecnia religiosa soberba que Deus quer. Ele quer que creiamos nEle e em Seu filho que Ele revelou.  Havendo fé genuína haverá coração contrito que Deus não rejeita. No natal não podemos ir na contramão do Deus que tomou a forma humana e nasceu numa estrebaria. Se queres andar com Deus só pode ser em fé e humildade.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

RELACIONAMENTO COM DEUS.

deus33

Temos a facilidade de expor a Deus o que queremos dEle, mas não encontramos a mesma facilidade para lembrar o que Deus requer de nós. O relacionamento com Deus não é uma mão de via única. Aliás, só temos um relacionamento com Deus porque Ele tomou a iniciativa. Portanto, o relacionamento com Ele que temos é porque respondemos a iniciativa dele. Assim significa que ao recebermos a salvação pela fé temos para com Deus respostas que são implícitas neste relacionamento.

Há toda uma ética e prática que deve ser baseada na Palavra de Deus, que só é possível tê-la por causa da Graça de Deus que se manifestou na salvação e continua se manifestando até a nossa glorificação. O viver cristão não é uma vida de cumprimento de regras, mas uma vida que é transformada, uma vida liberta da escravidão do pecado, do tacão de satanás.

Tal liberdade faz com que haja desprendimento das ciladas da vida mundana e um apego ao padrão da vida celestial, Divina. Isto é a verdadeira liberdade. Viver na liberdade que Cristo outorgou é viver na vontade dEle que é boa. A qualidade da vida no sentido de paz de espírito se dará pela pacificação da consciência de quem sabe que está aonde e como Deus quer.

Fica implícito que a base do relacionamento com Deus é o amor e não o medo. Não se encontra em pacificação aquele que procura obedecer a Deus por medo de ser punido por Deus. A base do relacionamento com Deus é o amor, o que inclui claro o temor a Deus, que é o respeito e a reverência que se tem por Ele. Realmente passamos por uma disciplina Divina quando erramos, mas é um ato de amor de Deus por nós, que nos trata como filhos, como de fato em Jesus somos. Chegará o dia de prestação de contas. Não para condenação para os que estão em Cristo Jesus. Todo nascido de novo, quando na volta de Cristo, passará pelo Tribunal de Cristo, onde as suas obras e motivações serão julgadas, para recebimento de galardão ou não. Tal fato, não nos deve causar medo, pois o Perfeito Amor lança fora o medo, mas deve nos trazer um grande senso de responsabilidade e privilégio em relação às obras que fazemos aqui na terra.

Porque a Graça de Deus que se manifestou no momento da nossa salvação perdura por toda a existência. Uma das suas manifestações é a honra que Deus nos concede de sermos coparticipantes de Sua obra na terra trabalhando para o avanço do Reino de Deus no coração das pessoas. Somos cooperadores de Cristo. Fazemos parte do corpo de Cristo, e O Espírito dispôs os membros como quis, com a finalidade de engrandecermos o nome de Deus em toda a terra.

Tendo consciência do relacionamento com Deus faz-se necessário cultivarmos uma vida devocional que enfrenta a displicência, inquietação da alma e que diariamente bebe das fontes do Espírito Santo, que é Jesus no exame das Escrituras e prática da oração. Que a devocional não se torne uma atividade, mas um deleite, cuja finalidade é deliciar-se da Presença de Deus, que continuará conosco no restante do dia, mas onde se reserva de forma pontual e diária um horário para um momento a sós com Ele.

Por ora, convém ressaltar que a vida com Deus também tem o seu sentido horizontal, ou seja, inclui o próximo. É falso o relacionamento com Deus em que o amor ao próximo não está incluído. Porque como pode estar em nós o amor de Deus que não vemos se não amamos o próximo que vemos? Quem ama a Deus mostrará que ama também amando o próximo e procurando viver em paz testemunhando a vida que tem com Deus.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

PAZ DE DEUS NA VIDA.

paz6

Todo nascido de novo desfruta da Paz com Deus. Não tem mais contenda com O Criador. A Paz com Deus vem mediante a fé no Senhor que justifica o que crê. Agora há comunhão, não há mais rebeldia. Esta paz está estabelecida mesmo quando não se sente. O relacionamento com Deus está pacificado quando há fé em Jesus.

Antes de Cristo, a pessoa vive na contramão do fluxo da vontade Divina. Está em oposição. Vive sob o domínio do pecado, e sob condenação. Ocorrendo a fé em Jesus através da pregação da Palavra de Deus ocorre a libertação da escravidão do pecado estabelecendo-se a paz com O Criador. Entretanto, muitos servos do Senhor não desfrutam da Paz de Deus, que é a paz na alma, a pacificação do interior. Tal ação é uma ação do Espírito Santo na vida do crente, pois O Espírito habita na vida de quem crê em Jesus. Para o cristão desfrutar dessa paz precisa viver em submissão ao senhorio de Cristo, e buscando as coisas espirituais, pondo em prática certos princípios, como a confiança em Deus, a oração e o descanso.

A confiança em Deus é decorrente da fé. Seria a prática da fé na vida de quem nasceu espiritualmente. Passos na vida espiritual são dados pela prática da fé e quando se dá passos à frente se mostra que há confiança. A confiança é fruto da fé. Quem tem fé em Jesus confia nEle. Davi ao enfrentar Golias confiou em Deus. Enfrentou o adversário valendo-se do nome de Deus. A confiança dele não foi em si mesmo e nem na sua funda. O povo de Israel teve uma grande vitória sobre os filisteus por tal atitude. Abrão ao partir para uma terra que O Senhor lhe mostraria confiou em Deus e sua descendência foi abençoada até os dias de hoje por essa atitude de confiança.

A oração da fé é o antídoto da ansiedade, que é algo que precisa ser desaprendido. Quando a oração se torna natural como o ar que se respira se substitui ansiedade prejudicial pela paz de Deus. Fala-se da batalha espiritual na oração, mas há também a batalha dos sentimentos, da inquietação na alma. A Batalha é vencida com a prática cotidiana da oração e o desenvolvimento da intimidade com Deus. Daniel é um exemplo de homem que não abria mão da prática da oração. Mesmo com um edito real proibindo qualquer invocação a qualquer deus, Daniel continuou orando ao Deus verdadeiro. Certamente aquela prática habitual de Daniel era um dos segredos da prosperidade dele. Quando foi lançado na cova dos leões foi poupado de forma miraculosa.

A confiança e a oração resultarão numa vida que conseguirá descansar em Deus. O descansar não é uma atitude passiva, mas um deleitar-se em Deus, ter sua alegria em Deus, que gera a capacidade de esperar em Deus de forma pacificada. O interior da pessoa consegue se aquietar apesar da turbulência em sua volta. Ana depois que orou por um filho de forma contundente teve seu semblante mudado. Ela deixou de ter o coração atribulado e teve o coração descansado em Deus. Ela entendeu que Deus ouviu sua oração. Descansar é o repouso que a alma encontra depois de confiar e orar a Deus.

Pratique estes princípios porque Deus quer que você desfrute na sua mente e coração da Paz que excede todo o entendimento. Exerça a sua fé. A Paz que vem de Deus é diferenciada. O mundo pensa que a paz é ausência de guerras, mas a paz de Deus independe das circunstâncias. É a paz que vem do alto dada por Jesus e prometida por Ele pouco antes da sua crucificação. A paz de Deus soergue em qualidade a vida aqui na terra fazendo que a vida abundante prometida por Cristo seja vivenciada. Deleita-te no Senhor.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

FRASES POSTADAS NO TWITTER 9

consolacao

22 de Jan

Jesus é aquele que faz raiar o sol na vida daquele que passa por uma noite. Jesus traz esperança onde o luto se estabeleceu.

23 de Jan

Creia sempre em Deus como alguém que está perto dos que creem e dos que são contritos de coração.

24 de Jan

Deus é Rocha. Para Ele sempre podemos correr. Quando não tivermos nenhum tipo de segurança que possamos nos apoiar, nEle acharemos refúgio.

25 de Jan

Jesus deseja a nossa perseverança. Aquele que vê tudo e tem o poder de julgar as nações nos diz para perseverar. Não desista.

26 de Jan

Jesus é O Deus Forte: entregue seus temores a Ele. Creia e ame-o de tal forma que o medo anormal e nocivo será lançado para fora.

27 de Jan

O segredo da oração eficaz não é só saber que no Nome de Cristo há poder, mas é, ter comunhão com Deus e com Sua Palavra.

28 de Jan

Nossas vestes se tornam brancas no momento que manifestamos a nossa fé em Jesus. Somos justificados pela fé e purificados pelo Sangue de Jesus.

29 de Jan

A resposta para o desespero é a fé em Jesus. A resposta quando o medo se estabelecesse é a fé em Jesus.

30 de Jan

A nossa fidelidade a Deus deve independer das circunstâncias, mesmo quando estivermos sem recursos, devemos perseverar naquilo que O Senhor nos deu.

31 de Jan

Cristo é o SIM, o AMÉM de todas as promessas de Deus. Podemos depositar a nossa confiança em suas promessas.

(O autor das frases é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

QUER PAZ?

paz4

A vida é semelhante ao mar às vezes está plácido, outras vezes revolto. No mesmo dia podemos chorar ou rir, ter boas notícias ou más. Muitas vezes podemos passar por tempestades existenciais. O interessante que a passagem bíblica da tempestade no barco descreve Jesus tendo uma espécie de conforto – dormindo. Ele não foi acordado pela tempestade, mas pelo clamor dos discípulos.

É possível desfrutar a paz no momento da tribulação.

Quer paz? Creia em Jesus, o Príncipe da Paz. A fé em Jesus faz com que o coração fique pacificado e as circunstâncias sejam vencidas. Faz com que o apego da Palavra seja maior do que as coisas que estão em volta. Faz com que haja Paz com Deu e que se reflita em paz com o próximo.

Quer paz? Busque-a em Jesus clamando em oração. Certamente que a oração é a escolha que devemos fazer ao invés de ficar curtindo a ansiedade e preocupação. Levando até Jesus toda nossa ansiedade. Carregar peso? Ou entregar o peso a Deus? É a escolha que fazemos quando oramos ou deixamos de orar. Orando entregamos o peso a Deus.

Quer paz? Não murmure. A murmuração turva a cor da água outrora plácida e límpida. A murmuração traz amargura sobre mais amargura. Traz mais azedume sobre aquilo que já é azedo. A murmuração é desobediência, ingratidão. É ausência de reconhecimento que Deus está no controle. É pecado.

Quer paz? Então louve. O louvor e a adoração são armas combativas para se enfrentar as tempestades existenciais. Paulo e Silas presos cantaram a meia-noite e as cadeias se quebraram. O carcereiro e a família foram salvos. Aquilo que foi injustiça promoveu a salvação de pessoas porque houve a decisão do louvor e da adoração.

Quer paz? Semeie boas sementes hoje porque muita coisa que a gente colhe hoje é resultado do que se plantou ontem. A má semeadura traz resultados ruins. Não é possível colher algo doce se o que se plantou é amargo. As escolhas e ações geram consequências. A semeadura tem que passar pela espera do crescimento. Semeie boas sementes e confie que Deus dará o crescimento.

Quer paz? Não canalize a indignação em cima de alguém tornando-a raiva, ódio e vingança. Responder com o mal trará mais mal. Ferir alguém trará afronta para si. A indignação deve ser usada como um impulso para o enfrentamento da situação e não das pessoas. O enfrentamento visa a pacificação e não a contenda.

Quer paz? Perdoe como você foi perdoado por Deus. Um coração magoado é um coração em chamas, aflito e sem descanso. O perdão é o recomeço. A oportunidade de reescrever a história com cores mais bonitas e vivas.

A Paz de Deus vem de Deus, mas para usufruirmos temos que ter fé, e termos atitudes que correspondem a fé que se tem. A Paz com Deus foi conquista na Cruz. Já a Paz de Deus para na vida desfrutarmos se faz necessário a nossa participação em ações coerentes com a fé em Jesus.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

CONFIA NO SENHOR DE TODO O CORAÇÃO.

confiar

Pv 3: 5 “ Confia no SENHOR de todo o teu coração (…)”.

Estamos diante de um apelo feito por um sábio. Ele nos apela a confiarmos no Senhor sem restrições, totalmente. Vivemos numa sociedade sem confiança, que vive em paranóia, com o sentimento de que todas as pessoas conspiram contra ela. Entretanto, o caminho do justo deve ser o da confiança em Deus.

A primeira vez que o verbo confiar aparece na Bíblia mostra Faraó afligindo o povo de Israel para que este não confiasse nas palavras de Deus.

Êxodo 5:9 – Agrave-se o serviço sobre estes homens, para que se ocupem nele e não confiem em palavras mentirosas.

Jesus, depois de contar uma parábola, fez uma pergunta: “ quando vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (Lc 18.8). Jesus mostrou que a tendência do mundo é apostasia, e que muitos deixarão de confiar no Senhor. Entretanto, o salmista fala que é melhor confiar no Senhor.

Sl 118. 8 e 9 – É melhor confiar no SENHOR do que confiar no homem. É melhor confiar no SENHOR do que confiar nos príncipes.

Aquele que confia no Senhor persevera, resiste e supera as intempéries da existência.

Salmos 125: 1 – OS que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre. (A palavra Sião significa “colina ressecada pelo sol”).

Aquele que confia no Senhor põe Deus como seu refúgio e por isto estará seguro.

Provérbios 29:25 – O temor do homem armará laços, mas o que confia no SENHOR será posto em alto retiro.

Aquele que confia no Senhor será bem sucedido. Suas obras encontrarão bom termo.

Provérbios 16:3 – Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos.

Aquele que confia no Senhor terá contentamento, paz e será feliz.

Provérbios 16:20 – O que atenta prudentemente para o assunto achará o bem, e o que confia no SENHOR será bem-aventurado.

Diante dessas afirmações percebemos que é uma atitude sábia escolher confiar no Senhor. Muitos vão pelo caminho da autoconfiança exagerada e agem com imprudência.

Provérbios 28:6 – O que confia no seu próprio coração é insensato, mas o que anda em sabedoria, será salvo.

Outros ainda confiam de maneira exagerada em pessoas que se mostram infiéis e por isto ficam desconjuntados.

Provérbios 25:19 – Como dente quebrado, e pé desconjuntado, é a confiança no desleal, no tempo da angústia.

A melhor conclusão que podemos chegar está em salmos 37:5 – Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará.

Qual o caminho que você escolherá? O caminho da Confiança em Deus? Ou o caminho da ansiedade, nervosismo e intranqüilidade?

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O SEGREDO DA VITÓRIA.

medo2

Porque Deus não nos deu o espírito de medo, mas de fortaleza e de amor, e de moderação” (2 Timóteo 1:7).

Sempre ouvi sobre a timidez de Timóteo e de sua juventude. Sobre as questões sérias que ele teve que enfrentar no seu pastoreio da Igreja de Éfeso como, por exemplo, os falsos mestres. Sobre as lutas espirituais que também passava.

Percebemos assim três níveis de dificuldades: o pessoal (temperamento); circunstancial ( Falsos mestres, perseguição etc.) e espiritual (espírito de medo).

Ao citar sobre as características que o Espírito Santo outorga, Paulo mostra a Timóteo que ele podia vencer as intempéries com o Espírito. O Espírito Santo é de fortaleza, de firmeza, que capacita a vencer as dificuldades do temperamento, vence o espírito de medo e capacita o enfrentamento dos falsos mestres. O Espírito é de amor, que lança fora todo o medo, que harmoniza as emoções e ensina a defender a fé sem ódio, ou sem rancor. O Espírito é de moderação, de equilíbrio, que faz a palavra ser temperada com sal para contradizer o contradizente, que traz harmonia ao temperamento e faz não ser dominado por nada.

Você observou como tudo que Timóteo precisava estava disponível no Espírito Santo? Não é o que você precisa para vencer seu temperamento, as circunstâncias e aos inimigos espirituais? Certamente que é. Portanto, encha-se do Espírito. Não ceda as concupiscências carnais. Não dê lugar ao diabo. O mandamento de Deus para você é: E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito (Ef 5:18).

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).