Arquivo da categoria: Pastor

A BARBA DO PASTOR.

barba

O texto abaixo é de autoria desconhecida por mim. Recebi um email com essa história do Pr. Eduardo Macedo Colaço. Gostei da história e de sua aplicação por isto coloquei no blog. O texto é assim:

Cansado de ver seus sermões caírem no vazio, um pastor resolveu dar uma lição inesquecível aos seus ouvintes.

Num dos cultos semanais mais concorridos, ele subiu ao púlpito com seu aparelho de barbear, bacia, água, espuma, caneca, espelho e toalha.

Nem sequer cumprimentou a igreja e, tranqüilamente, colocou água na bacia, testou a temperatura, ajeitou o espelho, pegou uma caneca, fez espuma, passou na cara, e começou a se barbear.

Gastou vários minutos nisso, que pareceram uma eternidade para os presentes.

Ao final, quando todos esperavam que o pastor fosse fazer um desfecho maravilhoso, fosse lhes apontar o "moral da história", ele simplesmente enxugou o rosto com a toalha, encerrou o culto e despediu o povo de volta para as suas casas.

Aquela semana foi atípica.

O povo comentou o fato todos os dias, tentado adivinhar o significado de tudo aquilo:

“Que mensagem ele quer nos passar?”

“Qual é o simbolismo espiritual da água, do sabão, do barbear-se?”

Dias depois, quando ele subiu novamente àquele púlpito, a igreja estava cheia. O pastor olhou para a congregação e disse-lhes:

Sei que vocês querem saber o significado do que fiz aqui neste púlpito na semana passada. Bem, eu vou lhes dizer: não há significado algum! Nenhum simbolismo. Nenhum desfecho maravilhoso. Nenhuma mensagem. Nenhum "moral da história".  No entanto, se podemos tirar alguma lição disto tudo, é a seguinte: Há anos eu venho apresentando para vocês a mensagem bíblica, mas não tenho visto nenhuma mudança em suas vidas. Minhas mensagens têm caído no esquecimento, tão logo vocês saem do templo. Eu gostaria que vocês comentassem meus sermões durante a semana, do mesmo modo que se dispuseram a comentar o meu barbear nestes últimos dias, ou será que a minha barba é mais importante para vocês que a Palavra de Deus?

Como disse Rick Warren, o fato de se estar em uma garagem, não faz de você um carro.

O fato de você estar constantemente na igreja, não faz de você um cristão.

A bíblia diz que a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus.

O que você faz com aquilo que você ouve da parte de Deus?

Somente as Palavras guardadas em teu coração pode fazer você não pecar.

A Palavra de Deus é nosso maior alimento e deve ser o motivo de nossas conversas durante a semana.

Somente fica gravado em nossa mente aquilo que repetimos algumas vezes.

Aprecie a Palavra de Deus e faça uso dela em sua vida diária, em vez de passar seus dias comentando aquilo que não edifica.

Desconheço o Autor

METÁFORAS DA IGREJA.

40anos

A palavra Igreja levanta sentimentos mistos, normalmente ocorrem polarizações quando ela é o assunto: uns amam, outros sentem aversão. Ao mesmo tempo em que a Igreja Evangélica Brasileira cresce, o número dos que não querem pisar em um templo também cresce. Por esta razão, convém, olharmos para algumas metáforas bíblicas acerca da Igreja, para discernimos melhor sua relação com Deus, sua relação consigo mesma e com a sociedade.

1 – Rebanho (I Pe 5:2).

Segundo Isaías 53:6 todos nós éramos como ovelhas desgarradas e cada um se desviava pelo seu próprio caminho. Éramos desconjuntados, desagregados e desviados do Criador. Entretanto, os que creram em Cristo foram reunidos, ajuntados, formando um rebanho sob o pastoreio do próprio Deus. Somos o rebanho de Deus e Jesus é o nosso Sumo Pastor.

A figura da ovelha mostra a docilidade e a amabilidade dessas ovelhas que pertencem ao rebanho de Deus. A ovelha é conduzida pelo Pastor, o pastor, por sua vez, protege, conduz, conhece e dá a vida pela ovelha.

Muitos membros da Igreja parecem ser comportar como bodes, dando cabeçadas, chifradas uns nos outros. Será que entendemos a metáfora do rebanho?

2 – Corpo (1 Co 12:27).

Esta metáfora é muito citada entre nós – somos o corpo de Cristo. Indica a unidade que existe entre os membros. Os membros são diferentes, cada um tem o seu papel, mas formam um corpo, uma unidade. Há a unidade de ação: quando alguém se abaixa para pegar uma caneta no chão, por exemplo, várias partes do corpo se movimentam para conseguir tal feito. Há também harmonia. Se houvesse uma desproporcionalidade entre os membros, ou um membro ferisse o outro, seria necessário encaminhar tal pessoa para um tratamento médico. Cada membro tem uma função no corpo e o comando pertence à cabeça, que no caso da Igreja, é Cristo.

Será que estamos vivendo como corpo de Cristo?

3 – Edifício (I Co 3:9-17).

Paulo usa a metáfora de uma edificação para falar da Igreja. Ele afirma que ela tem um único fundamento que é Cristo e que não se deve, de maneira nenhuma, colocar outro tipo de fundamento. Paulo também fala que a edificação da Igreja é realizada por seus próprios membros e por Deus. Devemos observar quais tipos de materiais usamos por cima do alicerce. Se usarmos madeira, palha ou feno teremos nossas obras queimadas e destruídas no Tribunal de Cristo. Se usarmos ouro ou pedras preciosas nossas obras permanecerão. Temos que vigiar, e muito, a forma como edificamos a Igreja do Senhor. Somos pedras vivas, como diz Pedro, (1 Pe 2:5) desse edifício espiritual. Participamos da construção da Grande Catedral Espiritual de Deus.

4) Coluna (I Tm 3:15).

A Igreja é a coluna da verdade, sustentáculo da verdade neste mundo relativista. A cada dia mais, o mundo descamba para o relativismo ético e moral. Jesus é a verdade. A Palavra de Deus é a verdade. Cabe à Igreja do Senhor ser um arauto proclamador da verdade do Senhor aqui na Terra. Deus usa a Igreja com um “front” da verdade na terra. Quando o mundo afirma que tudo é relativo, a Igreja afirma que Jesus é a verdade e que a Palavra de Deus é a verdade absoluta.

5) Noiva (Ap. 19.7; Ef. 5:23-27).

A Igreja é a Noiva de Jesus, sua futura esposa. O noivado nos tempos de Maria e José era um compromisso que somente poderia ser quebrado com o divórcio. Portanto, a figura da Igreja como uma noiva mostra o compromisso que devemos ter com Jesus. Compromisso com a pureza, pois a noiva se resguarda para o casamento, sendo fiel ao compromisso que tem com o noivo. Pureza, Santificação, Fidelidade, são atributos que a Noiva de Cristo (Igreja) deve ter.

6) Família (Ef.2:19).

A Igreja é a Família de Deus. Tal figura mostra o caráter acolhedor, aconchegante da Igreja. Os órfãos existenciais, os filhos pródigos, as criaturas de Deus, que estão afastados do Criador, encontram em Cristo o meio de aproximação a Deus de tal forma que passam a fazer parte da família de Deus. Recuperam a semelhança com Pai (Deus), desfrutam do amor d’Ele e tornam-se co-herdeiros com Cristo.

Você já é membro da família de Deus? Certa vez Jesus falou que Sua mãe e Seus irmãos são aqueles que fazem a vontade de Deus.

7) Candelabro (Ap. 1:20).

O candelabro é uma luminária. Mostra que a Igreja é a luz do mundo. O candelabro era de ouro batido, mostrando o valor apurado da Igreja. O candelabro também tinha sete hastes, o que indica a permanência dos “sete espíritos” (sete características do Espírito de Deus) na Igreja. O Espírito Santo habita na Igreja e é responsável por espalhar a luz de Deus que é irradiada através da Igreja.

Estas sete figuras mostram o relacionamento de Deus com a Igreja, afinal, a Igreja é o Corpo de Cristo, Sua Noiva e pertence à Sua família. De igual modo, mostram como se compõe a Igreja e como seus membros se relacionam entre si. Estes se edificam (Edifício) uns aos outros, formam um Corpo e são uma família. Aquelas figuras também mostram a relevância da Igreja para com a sociedade, pois Ela é a luz do mundo (candelabro) e sustentáculo (coluna) da verdade na terra.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O VERDADEIRO NATAL.

2733601493_75d0644324

Lucas capítulo 2 versículos 8 a 14 registra a anunciação do anjo do Senhor aos pastores sobre o nascimento de Jesus. Os pastores eram considerados simples e rudimentares pela sociedade daquela época, entretanto Deus escolheu as coisas fracas e loucas para confundir os “grandes” desse mundo. Na mensagem do anjo encontramos características do verdadeiro natal. Vejamos, quais são:

Primeira, no verdadeiro natal não há medo. “ Não temais…”

A mensagem do natal expulsa a imperfeição do medo. Deus mostra o que é o verdadeiro amor, e o verdadeiro amor suplanta o medo. Quem tem medo não ama. A relação com Deus não é agora baseada no receio do castigo divino, mas sim na convicção de que a justiça divina foi satisfeita com o advento e sacrifício de Jesus.

Segunda, no verdadeiro natal há boas novas. “ porque eis aqui vos trago novas …”.

No Natal há a proclamação da boa notícia divina aos homens. A boa notícia da nova aliança. Deus ofereceu aos homens a possibilidade de se viver uma nova vida, cheia de esperança, fé e amor. A vida baseada em ritos e normas não satisfaz, e é insuficiente para alcançar a Deus. Só crendo nas boas novas de salvação é que alcançaremos o céu.

Terceira, no verdadeiro natal há grande alegria. “novas de grande alegria…”.

A chegada do Salvador, do Messias prometido, traz grande contentamento. A esperança alcançada, a promessa cumprida, traz a alegria de Deus que é duradoura. A alegria da salvação é perene e resiste a períodos adversos.

Quarta, no verdadeiro natal há salvação. “ Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador…”.

A salvação é a marca do natal. Anunciamos o Salvador. Aquele menino era Deus encarnado identificando-se com o homem para ser o sacrifício vicário. Só desfruta o verdadeiro natal aquele que conhece Jesus como seu salvador pessoal. Jesus é o Salvador da humanidade.

Quinta, no verdadeiro natal, Jesus é o Senhor. “ … que é Cristo, o Senhor…”.

No verdadeiro natal não é o papai Noel que é o senhor da festa. Não é o comércio o principal motivo. No verdadeiro natal a majestade e o senhorio de Cristo devem ser reafirmados. Jesus é o Senhor. Será que na sua ceia de natal o Senhorio de Jesus é manifesto?

Sexta, no verdadeiro natal o louvor e a glória pertencem a Deus. “E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas… ”.

Sem dúvida que no verdadeiro natal ocorrerá a glorificação de Deus e não dos homens. As luzes opacas das árvores de natal não se podem comparar com a glória que irradia de Jesus. Os símbolos e mitos não são comparáveis com a glória do Rei dos Reis. Como diz o cântico: “O Rei dos reis nasceu hoje é natal…”.

Sétima, no verdadeiro natal há paz na terra entre os homens. “…Paz na terra, boa vontade para com os homens”.

A contenda, a guerra e o ódio devem desaparecer diante do espírito natalino. O natal proclama a reconciliação de Deus com os homens, e a reconciliação de homens com homens. Este é o natal!

Observe na anunciação do anjo aos pastores os elementos e características do verdadeiro natal. Você quer conhecer o verdadeiro natal? Conheça a Jesus! Quer celebrar o verdadeiro natal? Jesus seja o Senhor da sua vida.

(O artigo escrito é do Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O CHAMADO DE MARIA.

 

Gravuras_Evangelho_O%20Novo%20Testamento_241%20A%20Anunciacao%20O%20Anjo%20Gabriel%20Aparece%20a%20Maria Lucas 1

26 E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27 A uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. 28 E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres. 29 E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta. 30 Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. 31 E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pór-lhe-ás o nome de Jesus. 32 Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; 33 E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. 34 E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? 35 E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. 36 E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril; 37 Porque para Deus nada é impossível. 38 Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela.

Se eu fosse chamado para pregar sobre o chamado ministerial, pensaria logo em Moisés, Jeremias, Isaías e Gideão. Em minha opinião são as passagens mais clássicas de chamada ministerial. Entretanto, fiz uma leitura de Lucas sobre o Natal, e me deparei com a passagem acima, onde o anjo Gabriel fala a Maria sobre a sua missão. Encontrei neste diálogo também uma chamada ministerial, que no caso de Maria envolvia a maternidade. Elementos que encontramos na chamada de Moisés, Jeremias, Isaías e Gideão, encontramos na chamada de Maria. Quero em forma de esboço, destacar as principais características do chamamento de Maria.

1◦) Maria foi escolhida por Deus.Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.”

Dentre as mulheres da terra, Maria foi “pinçada” por Deus e escolhida para ser a mãe de Jesus. Assim todo aquele que é chamado por Deus também é um escolhido. O critério para a escolha é a Graça de Deus (agraciada), ou seja, um favor imerecido. O vocacionado por Deus precisa ser humilde. Precisa reconhecer que Deus por sua graça o escolheu.

2◦) O receio de não corresponder ao chamado. E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta. Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus.”

Maria estranhou as palavras do anjo e teve receio. Na Bíblia vemos que os vocacionados olham para suas habilidades e não se acham a altura da missão. Moisés, Jeremias, Isaías e Gideão também acharam isto. Entretanto, como Gabriel disse a Maria é uma escolha da Graça de Deus. O chamamento não é meritório, mas sim, uma escolha deliberada da Graça de Deus.

3◦) A missão terá repercussões abrangentes e eternas. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pór-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.”.

A tarefa dada a Maria tinha implicações abrangentes e eternas. Às vezes achamos que o nosso chamado está restrito a certo “gueto” e “viela”, porém aquilo que se sucederia em Belém, atingiu todo planeta. Não podemos restringir o poder de Deus a certos espaços. Quando ganhamos uma vida para Jesus isto tem repercussões abrangentes e eternas.

4◦) A capacitação vem do Espírito de Deus. E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril; Porque para Deus nada é impossível.”

Maria era virgem, como ela poderia gerar? O anjo responde: o Espírito do Senhor fará isto. A capacitação do vocacionado vem do Espírito. Os receios e os sentimentos de inadequação do vocacionado são vencidos pela capacitação sobrenatural do Espírito. Para Deus não há impossível.

5◦) O vocacionado precisa ser disponível e pronto para cumprir a missão. Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela.”

Maria se dispôs como serva. Entendeu sua vocação e mostrou disposição em cumprir cabalmente o seu ministério. Mostrou ser obediente e disse: eis me aqui. Você, meu irmão e irmã, deixem os receios de lado e obedeça. O Senhor será contigo e O Espírito Santo te capacitará.

(O autor do texto é o Pr Eber Jamil, dono do blog).

EBENÉZER CAVALCANTE JAMIL.

lastscan

Natural de Pernambuco, nasceu no recife, em 1 de junho de 1949, filho de Jacó Benjamim Jamil e Paula Cavalcante Jamil, membros da Primeira Igreja Batista da Torre durante longos anos.

Decidido, aos nove anos, por meio da pregação do ex-padre Raphael Gioia Martins, foi batizado pelo pastor Antonio Dorta. Ebenézer considera que se sentiu chamado para o ministério, aos 17 anos de idade, e que, nessa época, dar-se-ia, também, sua verdadeira decisão ao lado de Cristo.

A partir de 1966, entrou para a Primeira Igreja Batista do Recife, sendo, nesse mesmo ano, evangelista e presidente da Junta de Mocidade da Convenção Batista de Pernambuco. Em 1967, transferiu-se para a Igreja Batista do Cordeiro. Para co-pastor da Igreja Batista de Bebedouro e pastor da Igreja Batista de Utinga, no estado de Alagoas, foi consagrado ao ministério, em 2 de Março de 1968. Nesse mesmo ano, coordenou a Campanha Simultânea de Evangelização da Convenção Batista Alagoana.

Mudando-se para o Rio de Janeiro, no ano seguinte, tornou-se membro da Igreja Batista de Bom Retiro e, em 1971, da Igreja Batista de Lins e Vasconcelos. Com o Pr Feliciano Amaral, foi apresentador do programa Sombra da Cruz, na Rádio Continental do Rio de Janeiro, em 1969, ao mesmo tempo foi diretor da JUERP. Em 1970, idealizou a Semana da Bíblia. A primeira foi realizada em convênio com a empresa oficial de Turismo, RIOTUR, e foi instalada em frente ao Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1972, conseguiu que o governador Chagas Freitas oficializasse o Dia da Bíblia. De 1971 a 1975, dirigiu a interessante coluna Responda se é é capaz, no Jornal Batista.

Em 1977, voltou para Pernambuco e, novamente , filiou-se à Primeira Igreja. Sempre dedicado ao evangelismo, nesse mesmo ano, dirigiu o programa Cristo é Tudo para mim, na Rádio Continental, que foi ao ar até 1982. Por se trabalho, recebeu Moção de Aplauso da Assembléia legislativa do Estado de Pernambuco e da Câmara Municipal do Recife.

papai1

Criou o Curso de Evangelismo, que atingia a média de 400 alunos por ano, bem como o Curso de Pregadores leigos, com frequencia de 280 alunos. Foi professor de Homilética, de Evangelismo, no Seminário Congregacional do Nordeste, de 1979 a 1982. Em 1980, recebeu a Medalhado Mérito José Mariano, da Câmara Municipal do Recife, ocasião em que homenageou a Primeira Igreja e realizou um culto no plenário da Casa.

Na rede Globo, ficou responsável pelas chamadas da Primeira Igreja, leitura de textos bíblicos, de segunda a domingo, na Sessão Coruja Colorida, horário mantido pela igreja, de 1978 a 1982. Na mesma emissora apresentou, todas as noites, nesse mesmo período, o SOS Divino, programa que consistia em prestar auxilio espiritual aos que procuravam paz em meio às tribulações.

Coordenou, na Primeira Igreja, o Sistema de Evangelismo por telefone, denominado Teleesperança, trabalho pioneiro no Brasil.

Em convênio com a Secretaria de Educação e Cultura do Estado de Pernambuco e a Câmara Municipal de recife, programou a Semana da Bíblia, que se realizou, ininterruptamente, de 1978 a 1982, na Casa da Cultura, tendo como principal colaboradora a Primeira Igreja, mas da programação participavam Igrejas de várias denominações e Conjuntos corais dessas Igrejas. Muito interessantes foram as exposições de exemplares da bíblia em diversas línguas, arrumadas em vitrines nos corredores da Casa da Cultura, atraindo numerosos visitantes.

No dia 21 de abril de 1978, foi orador oficial da Grande Noite Evangelísitca do Nordeste, promovida pelaPriemira Igreja, com apoio do programa Cristo é Tudo para Mim. Cerca de 40 mil pessoas lotaram o Estádio do Arruda, com a presença de um grande coral, especialmente preparado para essa comemoração. Foi regente do Coral, Josué Lira, membro da Igreja Batista de Zumbi.

Ebenézer Jamil realizou um grande ministério na Primeira Igreja. Voltado para a evangelização, o resultado desse seu imenso trabalho, das Campanhas Evangelísticas, dos Cursos de Evangelismo Pessoal e de Pregadores leigos, incentivou uma geração de interessados na divulgação da palavra de Deus. Em todas as Igrejas de recife são encontrados hoemns e Mulheres, hoje preparados para evangelizar, e que foram alunos desses cursos.

Nunca o Recife foi tão sacudido por movimentos evangelísticos no Centro e nos seus arrebaldes. Nenhum pregador conseguiu, com tanta facilidade, fazer tantos trabalhos, sempre com resultados positivos. e nenhuma campanha evangelística teve jamais o êxito das realizadas sob a direção de Ebenézer. A maioria das Igrejas da Capital e do Interior teve momentos de grande comunhão, de fraternidade, de esforços conjuntos. Nunca se viu isso antes.

Ebenézer Jamil Jamil deixou a comunhão da Igreja em 1984. Mas em 1987, durante as conferências comemorativas do 101 aniversário da Primeira Igreja, ele solicitou sua reconciliação.

Ele faleceu em Março de 2007.

(O Texto é uma compilação).

 

QUANDO TUDO DESABA.

Quando tudo desaba
Algo fica em pé:A minha fé.
Quando tudo desaba
Há algo que possa fazer: Interceder.
Quando tudo desaba
Tenho motivo para sorrir,
Porque Jesus é minha força motriz

Quando tudo desaba
Aprendo a humildade
Porque só em Cristo
Há possibilidade.
Quando tudo desaba
Há alguém para me socorrer:
Jesus Cristo, o Rei

Quando tudo desaba
Chego a conclusão
Que dizer “tudo acabou”
É um engano,
Porque em tudo
Deus tem um plano.

Publicado no jornal Kerigma 37
de Outubro de 2000,
da Missão Batista Nova Peniel em Santa Cruz.

Autor: Pr Eber Jamil

DESCULPAS QUE NÃO DESCULPAM

Deus quer que todo o crente seja um ganhador de almas. Ide e pregai o evangelho a toda criatura – foi uma das últimas palavras de Cristo. Apesar deste desejo de  Deus, muitos crentes dão desculpas para não evangelizar. Evangelizar é mais que um dever: é um gigantesco privilégio. Privilégio que não foi dado aos anjos. Privilégio que Cristo enfatizou em cinco comissões: Mt 28.19 e 20; Mc 16.15: Lc 24.47-49; Jo 20.21 e At 1.8. Privilégio de responder afirmativamente à grande pergunta de Deus: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós?” (Is 6.8). Desfrutar deste privilégio é uma atitude sábia: “O que ganha almas é sábio” (Pv 11.30). Apesar disso, muitos têm dado desculpas. São desculpas que não desculpam.

Citarei algumas:

1.    Não tenho dom. Essa é uma das desculpas mais usadas. Não se pode confundir o dom ministerial do evangelista (Ef 4.11) que é só para alguns, com a responsabilidade que cada crente tem de falar de Cristo. Para falar de Cristo é necessário ser nascido de novo. Um exemplo clássico é o da mulher samaritana que ao conhecer a Cristo correu para falar aos seus sobre Jesus. Quem teve uma experiência pessoal com Cristo já tem algo para transmitir.

2.    Sou tímido. Paulo escreveu: Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação (2Tm 1.7). Tais pessoas se escusam por causa do temperamento alegando que não são aptas para isto. Falar do evangelho não passa sempre pela proclamação pública, muitas vezes é na conversa particular em pequenas citações que a evangelização acontece. O Espírito Santo dá a pessoa ousadia para falar de Cristo. Portanto, vença a timidez e fale de Cristo!

3.    Já tenho cargo na Igreja. Nenhum cargo na Igreja tira a sua responsabilidade de resgatar uma vida do inferno. O que você vai dizer quando chegar diante do tribunal de Cristo? Deixei de falar de Cristo por causa do meu cargo?…“ Quando eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; e tu não o avisares, nem falares para avisar o ímpio acerca do seu mau caminho, para salvar a sua vida, aquele ímpio morrerá na sua iniqüidade, mas o seu sangue, da tua mão o requererei” (Ez 3.18).

4.    Não tenho tempo. Quem dá essa desculpa provavelmente pensa que a única maneira de evangelizar é participando da evangelização organizada pela Igreja local. Estando ocupada, pensa estar eximida da responsabilidade de evangelizar. E os seus parentes, vizinhos, amigos, colegas de trabalho…? Quem quer realmente evangelizar não fica somente esperando as oportunidades aparecerem, mas cria as oportunidades de evangelização. “Pregue a palavra, instes a tempo e fora de tempo” (2 Tm 4.2).

5.    Sou dizimista. São aqueles que dizem: meu dízimo evangeliza por mim. Sem dúvida alguma, as contribuições ajudam a expandir o Reino de Deus na terra. Apesar disto, aquele que contribui continua com a responsabilidade e privilégio de falar de Cristo. Quem dá esta desculpa está como que dizendo – eu pago para outro fazer por mim. Observe o grito de Pv 24.11: “Livra os que estão destinados à morte, e os que são levados para a matança, se os puderes retirar”. Não dê desculpas, evangelize!

6.    Não sei falar. Esta foi a mesma desculpa que Moisés deu (Ex 4.10). Existe uma linda promessa bíblica que destrói essa desculpa: “Mas quando vos entregarem, não vos dê cuidado como, ou o que haveis de falar, porque naquela mesma hora vos será ministrado o que haveis de dizer. Porque não sois vós quem falará, mas o Espírito de vosso Pai é que fala em vós” (Mt 10.19 e 20).

O que fazer? Continuar dando desculpas? Ou realizar a maior de todas as tarefas: Evangelizar. Lembre-se que quando Jesus deu o Seu Ide também disse que estaria conosco todos os dias até a consumação dos séculos. Portanto temos o conforto, habilidade, poder do Espírito para juntos com Ele realizar esta magna tarefa. Vamos lá!  “Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” (Jo 9. 4).

Este texto é de autoria do Pr Eber Jamil).

O SEXO É UMA DÁDIVA DIVINA.

aliancasO sexo é uma dádiva divina. Foi algo que o senhor deu aos homens com o fim primário da procriação, porém dotou ao homem com capacidade de ter prazer no sexo. Muitas vezes  pessoas casadas possuem uma sensação interior que o sexo é algo impuro. Entretanto, dentro do casamento não é. É bom que se diga que o sexo é uma dádiva divina e prazerosa para ser desfrutada no casamento. Atente para Gênesis 2.24:  

               Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.     

     A união sexual entre o casal transforma-os em uma só carne. Porém, observe que antes de ser uma só carne precisa haver o deixar e unir-se . O sexo é o terceiro passo para o casal e não o primeiro. O homem não deve inverter esses passos porque tais passos foram estabelecidos por Deus.      

   Depois que o homem deixou seus passos e uniu- se a sua esposa pode e deve desfrutar da benção do sexo. Vejamos alguns textos bíblicos:       

   Ec 9. 9: Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol.        

 Pv 5.18: Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade,         

Existe um pensamento antibíblico e que traz muita culpa é de que o pecado original do homem foi o sexo, e que o fruto foi a maça, dando a este uma conotação sexual. O pecado original foi a desobediência de Adão e Eva em comerem o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, e não o sexo.        

 A primeira ordem que Deus deu ao primeiro casal foi: frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra (Gn 1.28). Esta ordem foi dada antes do pecado entrar no mundo, portanto, o sexo e a reprodução foram ordenados ao casal em seu estado original de inocência. Depois de criar o homem e a mulher com suas capacidades sexuais, Deus observou e disse: que tudo era muito bom (Gn 1.31). O clima de santidade e pureza que havia em Adão e Eva, em relação ao sexo era tão grande, que logo depois da ordem do Senhor deles se tornarem uma só carne, a Bíblia registra: Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam. (Gn 2.25).         

 Para encerrar este comentário, quero citar as palavras do Dr Gaye Wheat (in: sexo e intimidade): Você tem permissão de Deus para desfrutar do sexo dentro do casamento. Foi ele que inventou o sexo; foi Ele quem teve a idéia em primeiro lugar”.

 (Este texto é da autoria do Pr Eber Jamil).

GANHANDO ALMAS COM A BÍBLIA.


Quero reafirmar e incentivar uso da Bíblia na divulgação do evangelho. Pois o que transforma o coração do homem não são os argumentos ou teoremas, mas sim o Espírito Santo através da instrumentalidade do homem que divulga as Escrituras. Temos que nos preocupar em pregarmos a genuína Palavra.

Sendo assim vejamos algumas razões para usarmos a Bíblia:

1)     A Bíblia mostra o estado pecaminoso do homem. Paulo disse: Eu não teria conhecido o pecado a não ser pela lei (Rm 7.7).

2)     A Bíblia revela a Jesus Cristo de Gênesis a Apocalipse. Por isto Jesus advertiu: Examinai as escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam (Jo 5.39).

3)     A Bíblia tem o poder de levar o homem a fé – É o que está escrito em Romanos 10.17: De sorte que a fé vem pelo ouvir, e ouvir pela Palavra de Deus.

4)     A Bíblia tem poder para operar o Novo Nascimento – Este ocorre na vida do homem quando ele ouve a Palavra e tem o seu coração convencido pelo Espírito Santo. Tanto assim que Tiago escreveu: Recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas (Tg 1.21).

Queremos ganhar almas para Jesus? Usemos a Bíblia abundantemente durante a evangelização. O Espírito santo nos ensinará manusear a Sua espada. Lutemos este santo embate.

(Este texto é da autoria do Pr Eber Jamil).

NOÉ: EXEMPLO DE OBEDIÊNCIA.

“E Noé fez tudo exatamente como Deus tinha ordenado” Gn. 7: 5

 

E a Bíblia fala assim de Noé:  ele obedeceu a Deus em tudo.  Noé foi abundante no obedecer.  Lembro-me dos serventes, das bodas de Caná da Galiléia, que encheram as talhas que Jesus pediu até em cima.  Assim, Jesus transformou aquela água que servia para purificação em vinho, no melhor dos vinhos. Como anda a minha obediência?  Como anda sua obediência?  Acerca de Noé, lemos que ele fez tudo que O Senhor ordenou.  A obediência dele é um exemplo.  A ordem para ele foi a construção da arca. Para nós, é pregar o evangelho a toda criatura.

 

Noé obedeceu a Deus, vivendo no meio de uma geração corrompida e violenta.  Ele não encontrou eco, nem par na sua obediência.  Deus olhou para a humanidade e só achou Noé.  Daquela geração (Gn. 6:5), sabemos a grande maldade: que seus pensamentos eram malignos; bebiam, comiam, casavam-se e se davam em casamento, sem discernir o juízo que sobreviria (Mt. 24:37-42).  Noé, porém, andava com Deus (Gn. 6:9) e obedeceu a ordem de Deus de construir a arca.  A construção da arca demorou 120 anos.  Não foram 120 dias, mas 120 anos.  Ele perseverou em obedecer.  Enfrentou zombarias e deboches, mas continuou obedecendo.  Durante todo este tempo, ele foi pregoeiro da Justiça (II Pe. 2:5).  Sua vida e a arca eram o “outdoor” da justiça de Deus na terra.  Todavia, aquela geração continuou comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento,  e desobedecendo a Deus.   Noé, por sua vez, obedecendo.

 

Como Noé conseguiu obedecer, vivendo naquele ambiente desfavorável?  A resposta encontra-se em Hb. 11: 7: “Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, sendo temente a Deus, preparou uma arca para o salvamento da sua família; e por esta fé condenou o mundo, e tornou-se herdeiro da justiça que é segundo a fé”. Ele obedeceu porque creu. Porque teve fé.  Para se obedecer a Deus tem que se ter fé.  Para se obedecer as ordens de um Deus que não se vê, é necessário fé.  As coisas deste mundo cooperam para a desobediência.  Quando desejamos desobedecer, encontramos facilidades, mas o caminho da obediência é estreito e difícil.  Não foi fácil para Noé obedecer no meio daquela geração.  Mas como podemos vencer o mundo?  “…e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (I Jo. 5:4).  Vivendo em fé: venceremos.

 

Outro aspecto da obediência de Noé foi que ele teve um parceiro que o ajudou obedecer.  Este parceiro foi o próprio Deus.  Deus mandou Noé construir a arca, porém Noé não poderia fazer chover.  Deus o fez.  Noé não podia fechar por fora a porta da sua arca.  Foi  Deus que fechou.  Jesus falou em Mt. 11:29: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma”.  O jugo de que Jesus falou era posto em dois animais e estes puxavam o carro do arado.  Preste atenção, era necessário que dois puxassem.   Jesus falou: “meu jugo”, significando “o jugo que levo”. Jesus Cristo, do outro lado, me ajuda a carregá-lo.  Por isso o jugo dele é suave. Deus ainda prometeu em I Co. 10:13 – “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”  Quando somos tentados a desobedecer Deus promete ser o nosso parceiro não permitindo que sejamos tentados além do que podemos nos suportar e ainda providencia o escape.

 

A obediência de Noé trouxe benefícios a sua família e a toda humanidade.  A humanidade foi preservada do dilúvio, porque Noé obedeceu.  Hoje vivemos, porque Noé sobreviveu ao dilúvio.  Fica a lição de que a obediência a Deus traz benefícios em nossa volta.  O contrário, a desobediência, traz malefícios e prejuízos.  É melhor obedecer.  Indo contra o senso e a geração de sua época, ele construiu a arca e foi a obediência que salvou-o, assim como a sua família e a humanidade.

 

Entretanto, a história de Noé apresenta uma mácula.  Já em terra firme ele prosperou e plantou uma vinha.  Bebeu do fruto da vide e se embriagou de tal forma que ficou nu, com as vergonhas de fora.  Certamente falando bobagens.  Um homem temente a Deus e cheio de fé desobedeceu a Deus neste momento.  O fato de a Bíblia registrar este episódio de Noé, não me desanima quanto a obedecer a Deus, pelo contrário.  Isto me mostra que Noé era gente como eu, passível de fraquezas, e foi este homem ,gente como a gente, que O Senhor usou para reescrever a história da humanidade.  Isto me mostra que Deus pode me usar “apesar de já ter me embriagado em algumas vinhas”.  A desobediência de Noé me ensina que posso obedecer.  Posso ser usado também como Noé o foi.  “Se já me embriaguei”, devo confessar a Deus o meu pecado e seguir avante.  Porque tenho uma arca para divulgar a todas as nações e esta arca é Jesus. Devo convidar a todos que entrem na arca, porque o “dilúvio” se aproxima.  A volta de Cristo está próxima.  A geração de Noé é bem semelhante a nossa.  Oremos a Deus para que sejamos “Nóes” no meio desta geração perversa.

 

(Este texto é de autoria do Pr Eber Jamil)