Arquivo da categoria: Paz

QUEM É QUE ALCANÇA O PRAZER ESPIRITUAL? 

salmo 1

Creio que é para o crente em Jesus o prazer espiritual é uma descoberta. Fui criado no evangelho e aceitei Jesus aos sete anos de idade e me tornei afiado no manuseio da Bíblia. Mas confesso que só na maturidade entendi o que é ter prazer na lei do Senhor. Por isto afirmo que o prazer espiritual na meditação da Bíblia, na oração e jejum é uma descoberta que o crente faz. Muitas vezes os crentes praticam as disciplinas espirituais sem experimentarem a alegria do prazer espiritual. Praticam por obrigação, por costume, por causa das demandas ou por religiosidade. Tendo até experiências, mas sem o deslumbramento da prática. Sem descobrir as maravilhas da lei. Sem recreia-se na presença de Deus. Trataremos neste pequeno artigo baseando-nos no salmo capítulo um quem são as pessoas que encontram o prazer espiritual. 

A pessoa que encontra o prazer espiritual é aquela que não é influenciada pela impiedade dos homens. Segundo o salmista o bem-aventurado é aquele que não anda segundo o conselho dos ímpios. Sem dúvida, o frescor da vida espiritual não é compatível com uma vida influenciada pelo mau caminho. A intimidade com Deus é para aqueles que o temem. A Palavra de Deus tem tudo que o homem necessita para guiar a sua vida pelo caminho de Deus. Portanto, o homem que tem o prazer nela não aceitará a impiedade e os conselhos do mal. 

A pessoa que encontra o prazer espiritual é aquela que não peca de forma recorrente. Segundo o salmista o bem-aventurado é aquele que não se detêm no caminho dos pecadores. Acontece eventualmente de pecar, mas é algo ocasional. Ele não se detém, não se fixa na prática do pecado. Segundo o apóstolo João “sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o Maligno não lhe toca” (1 Jo 5:18). Portanto, quem tem o prazer espiritual é alguém que nasceu de novo, arrependeu-se dos seus pecados e tem segurança em Deus. 

Andando pelo salmo um percebemos que aquele que encontra prazer espiritual é aquele que não se alegra no escarnecimento. O escarnecedor é aquele que profana e zomba das coisas sagradas. Usa de linguagem chula para tratar o alvo do escárnio. Sem dúvida, se alguém senta na roda dos escarnecedores também não se sentará aos pés de Jesus para receber sua instrução. São incompatíveis tais posturas. Não se encontra na mesma fonte o amargo ou o doce. Quem tem prazer do Senhor bebe da fonte doce então não beberá também da fonte amarga. 

Pode até parecer que estou ensinando um estilo de vida espiritual ermitão. Ensinado que só aqueles que se isolam alcança o prazer pela Palavra. Mas, o salmo um fala que há uma congregação dos justos. Portanto, aquele que tem prazer espiritual na Palavra será uma pessoa que tem comunhão com os irmãos de fé. Será a pessoa que não abandona a congregação apesar de meditar na Palavra. Não é autêntica a vida com Deus se o próximo não estiver incluído. O salmista afirma que os maus não congregarão com os servos de Deus no céu. Os servos que congregam aqui também congregarão no ceú, mas os pecadores não arrependidos serão condenados.  

A vida de quem tem prazer na lei do Senhor não será descuidada. Ele sabe que Deus conhece o caminho dos justos e ele vive sobre esta perspectiva. O caminho dos ímpios é de condenação, mas o caminho dos justos é de temor, prosperidade e prazer espiritual. Eles sabem que a Palavra de Deus não é somente para o deleite espiritual, mas é a orientação de Deus para que eles possam caminhar no caminho que é Jesus e por isto ser aprovado por Deus. Quando o salmista fala que Deus conhece o caminho dos justos está como que dizendo que Deus aprova o caminho que eles seguem porque a Palavra de Deus é a bússola que o orienta no caminho que é Jesus. 

Portanto, chegamos à conclusão que o prazer espiritual que a pessoa sente na Palavra de Deus não é um emocionalíssimo barato e passageiro, mas é algo em consonância a vontade de Deus. As emoções desta pessoa estão submissas a vontade boa, perfeita e agradável de Deus. Por isto, devemos cultivar cada vez mais a nossa comunhão com Deus para que nossas vidas se deleitem em Suas Palavras e Vontade todos os dias e assim seremos bem-aventurados. Deus quer que tenhamos vida em abundância e ela necessariamente passa pelo prazer espiritual. A alma que descobriu o prazer da presença de Deus anseia por mais de Deus todos os dias. 

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

INTIMIDADE COM O SENHOR.

intimidade

“O segredo do Senhor é com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará a sua aliança” (Salmos 25:14).

Para vivermos precisamos de sabedoria. Ela nos dá possibilidade de discernimos melhor e caminharmos acertadamente. É mais do que ter conhecimento. Mais do que ser culto. A sabedoria tem haver mais com a aplicabilidade daquilo que se conhece. Tem mais haver em ter soluções para os embates que demandam da vida. Moisés que foi um homem sábio compôs um salmo em que ele fala da eternidade de Deus e a brevidade da vida humana onde pede a Deus: “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios” (Sl 90:12). Mostrando que para ele a sabedoria era necessária para se viver todas as fases da vida e que Deus é a fonte. A vida sendo preciosa é necessária uma valorização dela e a sabedoria é parte desta valorização porque quem a tem pondera os passos.

Salomão é tido como um dos homens mais sábios que existiram e de fato foi. Deus deu sabedoria a ele depois dele pedir. Porém, conforme foi envelhecendo Salomão deixou-se levar pela luxúria, ostentação o que levou a adorar outros deuses. A sabedoria dele foi empalidecida porque ele deixou de aplicá-la em sua vida. Diferentemente, Jesus teve como alimento a vontade de Deus e não cedeu as tentações sempre aplicando a Sua sabedoria nas questões que lhe aconteciam. Ele foi maior do que Salomão. O seu sermão do monte termina como que explicando a sabedoria de Deus quando compara o homem que ouve e pratica a Palavra de Deus com um construtor que constrói sua casa na rocha que depois sofre uma tempestade, mas se mantém de pé porque aplicou tudo o que aprendeu.  A sabedoria não é para acúmulo e soberba, mas para viver.

Salomão já idoso retorna ao bom senso. O livro de Eclesiastes mostra uma busca pessoal dele pelo sentido da vida. Ele faz um exame considerando as coisas debaixo do sol pela razão da existência e chega a conclusão que não é o prazer, o conhecimento, o trabalho e as riquezas que dão o sentido das coisas, mas sim desfrutar da vida temendo a Deus e lhe sendo sujeito porque um dia prestará contas a Deus de tudo. “ De tudo o que se tem ouvido, o fim é: teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo a toda a obra e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau” escreveu Salomão em Eclesiastes 12: 13 e 14.

O temor a Deus é resultado do entendimento que Deus está em todos os lugares e por isto se tem uma vida de reverência e respeito aliada a adoração. O entendimento da Onisciência, Onipresença e Onipotência Divina na prática traz a consciência de que ninguém consegue esconder-se de Deus o que trará respeito e reverência para vida. Em Sl 139:7 está escrito: “Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da tua face?” Os livros de sabedoria e poéticos da Bíblia ressaltam o temor como o princípio da sabedoria, pois a pessoa com o temor aparta-se do mal (Pv 1:7; Jó 28:28; Pv 8:13).

O nosso versículo escolhido ressalta que “O segredo do Senhor é com aqueles que o temem”, ou seja, “a intimidade do Senhor é com aqueles que o temem”. A devoção a Deus implica em respeitá-lo, honrá-lo com amor e fé. Havendo este temor a pessoa penetrará nas maravilhas de Deus tendo o entendimento do que é viver aliançado com Deus, pois o versículo acrescenta: “e ele lhes mostrará a sua aliança”. Para viver em aliança com Deus é preciso estar em acordo com Ele e discernir em vida as implicações do pacto (Am 3:3). A reverência, respeito e fé serão atitudes decorrentes e entendidas por aqueles que temem a Deus e tem uma aliança com Ele.

Percebemos pelo versículo a associação do temor a Deus com a adoração e a devoção a Deus. O temor não é ter medo. É respeitar e honrar, portanto está incluído o amor a Deus. O versículo  base deixa implícito que o amor também está presente porque Deus é amor e só terá intimidade com Ele quem o ama, quem o adora. Paulo ressalta que “o amor ´não folga com a injustiça. Mas, folga com a verdade” (1 Co 13:7). Quem ama procede bem, teme ao Senhor e anda na justiça. Quem ama a Deus o respeita o que é diferente do medo. João escreveu: “No amor não há medo antes o perfeito amor lança fora o medo; porque o medo envolve castigo; e quem tem medo não está aperfeiçoado no amor”(1 João4:18).

O versículo também afirma que a pessoa que teme ao Senhor não viverá na superficialidade com Deus, mas desfrutará de Sua intimidade, portanto, do Seu conhecimento compreendendo Sua Palavra pelo Espírito Santo. Terá uma vida de oração contínua que se entenderá as suas obras como pessoa. Fazendo isto porque ama ao Senhor. Conhecerá mais a Deus e terá uma vida profunda com Ele. Jesus disse: “Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamados amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer” (Jo 15: 14 e 15). Mostrando que aqueles que creem, amam, temem a Deus também o obedecem e assim terão um relacionamento dinâmico, revelador e profundo com Deus.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O PROPÓSITO DA ADORAÇÃO.

adorar

O primeiro propósito da Igreja é a adoração.  Em todas as Escrituras somos convidados a celebrar o nosso amor a Deus através da adoração. Podemos faze-lo individualmente (Mt 8:2) ou coletivamente (Mt 18:20). Ela deve ser feita de ambas as formas. São duas formas que não se substituem uma pela outra. Devemos adorar das duas.

A adoração a Deus não está restrita aos Templos e nem reduzida ao tempo do louvor. Paulo em Atenas afirmou: “O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos dos homens” (At 17:24). A adoração é um estilo de vida que envolve todo o ser em todo o tempo. Paulo aos Coríntios afirmou: Portanto, quer comais, quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a Glória de Deus (1 Co 10:31). Paulo aos Colossenses também escreve: A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração. E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” (Cl 3:16 e 17).

Somente aqueles que creem verdadeiramente em Deus podem adorá-lo. Jesus falando do contexto religioso do seu tempo afirmou: “Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Mt 15:8). Tiago assertivamente afirma: Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o creem, e estremecem (Tg 3:19). O contexto do que Tiago diz é que se uma pessoa tem realmente fé realizará obras coerentes com a fé que tem porque a fé que não realiza obras mostra não existir. Havendo tempo hábil quem tem fé realizará obras. Quem crê verdadeiramente adorará a Deus. A adoração é pela fé. Só pela fé adoraremos a Deus em Espírito. Muitos canalizam sua fé em objetos,  pessoas e limitam a adoração a espaços sagrados dependendo do material para crer. Entretanto, a verdadeira adoração é pela fé em Espírito. Tal adoração é desejada pelo Senhor.

A adoração e o conhecimento da Palavra devem andar juntos. Jesus ao conversar com a mulher samaritana disse que os samaritanos adoravam o que não conheciam (Jo 4:22) e disse que Deus deve ser adorado em verdade, ou seja, verdadeiramente conhecido. Mostrando que a adoração deve ser sincera, mas mais do que isto em consonância com que a Palavra revela, pois, a Palavra é a verdade (Jo 17:17). Em Deuteronômio Deus mostra que o amor a Ele, ou seja, a adoração, e a Sua Palavra devem estar em nosso coração: “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças. E estas palavra que hoje te ordeno estarão no teu coração” (Dt 6: 5 e ¨6). Os Vs. 4 a 9 de Deuteronômio capítulo 6 é um trecho conhecido como shema (palavra hebraica que significa “ouça”). Veio a ser confissão da fé judaica, recitada diariamente. O shema consiste apenas nos versículo 4 em sua forma original, sendo expandido depois para incluir os versículos 5 – 9; Dt 11:13-21 e Nm 15:37-41. O shema, para o judeu praticante, deve ser recitado de manhã e de  noite. Ele mostra que quem ama a Deus procurará obedecer a Palavra. Guardará a Palavra no coração. Ensiná-la-á ao filho dentro da própria casa. Quando sair, acordar e dormir, a Palavra estará presente, suas ações serão norteadas pela mesma e sua vida será um verdadeiro outdoor das Escrituras.

A adoração e o serviço devem também andar juntos. A Bíblia diz: “Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a Ele servirás” (Mt 4:10).  O crente amando a Deus sobre todas as coisas o seu serviço será também uma expressão de adoração. Há uma frase marcante que “o resultado do evangelismo não é quantos entram no templo para adorar, mas quantos saem para servir”. Maria Madalena exemplifica bem esta verdade quando ela reconheceu a Jesus ressuscitado segurou-o com devoção. Foi uma atitude de alegria e adoração. Mas Jesus falou para ela não o deter, mas ir anunciar aos seus discípulos a sua ressurreição. A contemplação deve estar unida a ação. A adoração e o serviço andam juntos. A adoração vem em primeiro porque sem amar a Deus o serviço não agradará a Deus. Será como o sino que tine.

Jesus falou que Deus procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade. Mostrando que o que a adoração também tem relação com o evangelismo. O evangelismo é a missão de levar a Deus adoradores. Devemos ganhar vidas para o Senhor, pois assim se tornarão adoradores agradando o coração do Pai celestial. Claro que sem ação do Espírito Santo a Palavra de Deus pregada não convence. A ação do Espírito unida a oração e a adoração dos discípulos no cenáculo durante o Pentecoste chamou atenção de muitos que depois ouviram um sermão de Pedro e 3.000 almas se converteram. A Igreja de Jerusalém se formou tendo a adoração e a comunhão como algumas das marcas entre eles sendo um tremendo testemunho do poder de Jesus e cada dia Deus acrescentava pessoas a aquela Igreja.

A adoração é o primeiro grande mandamento que Jesus destacou. Nada que se faça na obra de Deus estará no lugar certo se não amarmos a Deus em primeiro lugar. A inversão das ordens espiritualmente falando alterará tudo. “Se Deus não for o primeiro Ele não aceitará ser o segundo”. A Igreja é tentada a priorizar-se, a enfatizar a personalidade humana de seu líder, mas se cair nesses erros tudo mais estará fora do seu lugar. Amemos o Senhor de Todo o nosso coração se não nada fará sentido.

 (O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

AH, SE NÃO FOSSE O SENHOR!

blog

Se hoje tivéssemos a oportunidade de contemplar a vida de Davi esse herói bíblico, músico, estadista, profeta, poeta e guerreiro acharíamos que era um herói sem temores. Os feitos de Davi estão em nossas mentes. Grande guerreiro. A vitória sobre Golias é sempre recordada.  Em sua época as mulheres cantavam e dançavam a seguinte música: Saul feriu os milhares, porém Davi dez milhares. Mas como Eugene Peterson escreveu que se quiséssemos conhecer a história de Davi deveríamos ler primeiro e segundo livro de Samuel, mas se quiséssemos conhecer o coração de Davi deveríamos ler os salmos. Nos salmos vemos as angústias e alegrias de Davi.

No Salmo 124 especificamente vemos Davi mostrar seus temores e reconhecer que: “Ah, se não fosse o Senhor” teria sido destruído. Diante das vitórias da vida não devemos nos ufanar, e envaidecer, mas sempre reconhecer que se não fosse o Senhor não teríamos alcançado como fez Davi. Humildade sempre.

A maneira como Davi descreve seus inimigos mostram seus temores o que nos escaparia se não fosse ele mesmo abrir o seu interior através da composição de salmos como este. Ele evoca o testemunho do povo de Israel porque toda história do povo de Israel é marcada por estes confrontos e como parte importante do povo Davi também enfrentou estes adversários. Os temores e os medos se manifestam dentro de Davi e na coletividade do Povo de Deus de formas diferentes dependendo da própria subjetividade individual de Davi e coletiva do povo em suas percepções.

No versículo 3 ele retrata seus adversários e do povo de Deus como um mostro voraz, que seria capaz de engoli-los vivos. Nos versículos 4 e 5 seus inimigos e do povo são descritos como um dilúvio que quase cobriram todo o povo de Israel afogando-os. No versículo 6 o adversário é como uma fera correndo atrás da presa com seus dentes afiados. No versículo 7 o adversário é como um caçador que lança armadilhas como uma cova e aqui especificamente como um laço do passarinheiro que chegou a pegar o povo como se pega um pássaro, mas o laço quebrou-se.

Davi descreve seus receios e do povo de Deus, mas o medo não o dominou. Ele confiava no Senhor. Ele teve uma visão de Deus durante os confrontos e perseguições. Houve temores, mas ele não foi enlaçado pelo medo. O sábio disse: O receio do homem armará laços, mas o que confia no Senhor será posto em alto retiro (Provérbios 29:25).  Quem está em alto retiro tem visão privilegiada e segurança.

Mesmo sendo um hábil guerreiro ele não atribui suas vitórias e do povo de Deus as suas habilidades e perícia. A humildade de Davi, sua visão correta de Deus, da sua história e do povo Deus são vistas neste salmo. Ele reconhece os benefícios dados por Deus e escreve: Ah, se não fora o Senhor! Não foi sem dúvida um recurso linguístico ou melódico foi de fato a percepção do agir de Deus nas adversidades. O sábio escreveu: Reconhece O Senhor em todos os teus caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas. Davi também reconhece que o tempo todo Deus esteve ao lado deles. As vitórias e os livramentos foram alcançados porque Deus esta ao lado e decidiu livrar o povo de ser engolido (v.3), do dilúvio (v.5), dos dentes da fera (v.6) e quebrou o laço que os havia prendido (v.6). Davi termina afirmando que o socorro está no Nome do Senhor, que tem haver com quem Deus é, e sua supremacia sobre qualquer força do universo e da terra. O nome do Senhor é tão poderoso que é utilizado por pessoas que não o conhecem e o poder se manifesta, mas Davi fala constantemente como uma pessoa, como um povo que conhece a Deus. se relaciona com Ele e já discerniu seu agir na história. Ele diz que O Senhor é o nosso socorro, sempre esteve ao nosso lado, interviu, nos livrou e que Ele seja bendito. Portanto, Davi compôs o salmo mostrando um relacionamento próximo e de submissão a Deus.

Possamos olhar para nossa vida com gratidão e dizer: Ah, se não fosse o Senhor! Com certeza não chegaríamos até aqui e a certeza da nossa eterna morada no céu não seria uma forte convicção para nós.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

ESCOLHA A VIDA!

portas

 

Considerei como um dos símbolos desta geração anos atrás o controle remoto. Porque vivíamos época chamada de pós moderna, época do pluralismo, das muitas escolhas e com o controle nas mãos o indivíduo passeava pelas muitas opções e possibilidades. Surgiu até na época a palavra “zaping”, que descreve o ato de passear pelos canais de tv usando o controle remoto. No início dos anos 2000 se falava muito em pós-modernidade onde além das muitas opções que se ofereciam eles criam que a única verdade era que tudo é relativo. Pois, o entendimento era que não havia verdades absolutas e que a única verdade absoluta, que é uma contradição, era que tudo é relativo.

Hoje já se fala na era pós-verdade. Consideraram tudo relativo tanto que hoje para esta geração não existe mais a verdade como algo concreto. Hoje muitas informações que nos chegam não carregam mais a certeza de ser confiável. Todas sortes de Fakes News nos são divulgadas. Há uma sorte de citações de seletas personalidades com frases célebres que não correspondem a verdade.  Estranho o mundo que estamos vivendo. Estamos colhendo os frutos do tiro no pé é que demos em nós mesmos quando aceitamos a falsa ideia de que tudo é relativo. A geração atual, principalmente que atingiu a idade adulta na década de 2010, recebeu o título de “geração floco de neve” porque se ofende por tudo. Todo este combate a verdade absoluta fragilizou a sociedade que precisa de valores e verdades absolutas.

Podem existir no sentido humano muitas opções, mas espiritualmente falando não é assim. Cristo alerta: não há muitas opções, há apenas duas, não há muitos caminhos, há apenas dois. Um leva ao céu, o outro ao Inferno. No sermão do monte que é onde me baseio para escrever o que escrevo Jesus falou da impossibilidade de se servir a dois senhores e termina o sermão contando a parábola dos dois fundamentos, um que é o de areia e o outro que é o da rocha. O profeta Jeremias afirmou em 21:8 – Assim diz o Senhor: eis que ponho diante de vós o caminho de vida e o caminho da morte. Cristo enfatizou que há a necessidade da escolha e não há uma opção neutra. O profeta Elias em 1 Rs 18:21 perguntou ao povo: até quando coxeareis entre dois pensamentos?

No texto de Mateus 7:13 e 14 Jesus deixou bem claro que só há duas opções ou se entra pela porta larga ou pela porta estreita. A porta larga é fácil e não precisa deixar nada. A porta estreita é difícil e é preciso abandonar o pecado,  como o  egocentrismo e o mundanismo por exemplo. Jesus disse: entrai pela porta estreita, sendo a porta o próprio Jesus que disse em outra ocasião: Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá e achará pastagens (Jo 10:9).

No mesmo texto de Mateus 7 Jesus afirma que só há dois caminhos o largo, espaçoso e o caminho apertado. O caminho estreito é Jesus, que disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém chega ao Pai a não ser por mim. Pedro em Atos 4:12 afirmou: E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devemos ser salvos. Tal entendimento se manifestou nos primeiros cristãos que foram chamados de seguidores do caminho (At 24:14).  O caminho largo é o caminho proposto pelo sistema pecaminoso deste mundo que é governado por Satanás. É o caminho mais fácil. Em Salmos 1 o salmista faz a afirmação que O Senhor conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá (v.6).

Como há duas opções e dois caminhos haverá também dois resultados. Quem escolhe a porta larga e o caminho largo terá como resultado a perdição e a destruição. Quem escolhe a porta estreita e o caminho apertado terá como resultado a vida. Certa vez Jesus afirmou que o ladrão (que é satanás por antítese) vem senão para roubar, matar e destruir e Ele tinham vindo para dar vida, e vida com abundância. Quem escolhe a porta estreita, que é Jesus, o caminho apertado, que também é Jesus, encontra a vida ao contrário desta escolha encontrará perdição eterna.

Fica entendido também no texto que há o grupo dos muitos que escolhem o caminho que leva a perdição e o grupo dos poucos que escolhem a vida. Paulo escreve aos coríntios (1:18) – Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos é o poder de Deus. O povo de Deus não é mais escravo do pecado e nem escravo do sistema pecaminoso que domina este mundo por onde a maioria é dirigido.

Diante do exposto fica dito que temos duas escolhas:

– Porta estreita ou porta larga

– Caminho estreito ou caminho largo

– Caminho que conduz a vida ou o caminho a perdição

– Pertencer ao grupo dos poucos ou ao grupo dos muitos

O desafio de Deus feito por Moisés ao povo de Deus é o mesmo desafio para nós – “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, que tenho proposto a vida e a morte, a benção e a maldição, escolhe, pois a vida, para que vivas tu e a tua semente” (Dt 30:19).

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

PRESOS, PORÉM, LIVRES!

paulo e silas

Quando pensamos em prisões pensamos normalmente nas prisões tradicionais onde os criminosos estão detidos por causa dos seus crimes que foram julgados pela justiça, mas há outros tipos de prisões que podem deter e impedir pessoas de se movimentarem livremente e desembaraçadamente. O prisioneiro, escrevamos assim, é o indivíduo que está privado da sua liberdade de forma variadas.

A história acontecida com Paulo e Silas em Filipos mostram tipos de prisões diferentes e não somente aquela em que eles foram lançados injustamente. Há muitos tipos de prisões como as espirituais, a ganância, medo e há aqueles que estando presos são verdadeiramente livres.

A prisão espiritual é retratada nessa história em Filipos. Durante o seu trabalho de evangelização Paulo foi importunado por uma menina que era escrava e possessa por um espírito de adivinhação. Era uma pessoa explorada pelos seus senhores e possuída por espíritos demoníacos. Portanto, vivia numa prisão espiritual. A adivinhação dela não era um truque, ou uma superstição, mas eram espíritos do mal que faziam ela adivinhar. Especificamente o espírito que possuía era conhecido na religião grega como píton, que era uma cobra imensa, por isto ela era chamada de pitonisa. Como esta menina há muitas pessoas em prisões espirituais que pode até parecer trazer alguma vantagem, mas o inimigo dá para prender e impedir a pessoa de conhecer a Deus. O inimigo dá para depois aniquilar totalmente a pessoa. Na Bíblia vemos muitos exemplos destes tipos de prisão espiritual por possessão demoníaca. Essa menina foi liberta pelo poder de Deus e perdeu a capacidade demoníaca de adivinhar.

Nessa história vemos outro tipo de prisão que é a ganância, a ânsia exagerada pelo ganho. A menina pitonisa era escrava de determinados senhores que lucravam com sua adivinhação. Quando ela foi livre do espírito de adivinhação parou de dar lucro para seus senhores que se sentiram atingidos profundamente pela perda. Eles eram prisioneiros da ganância tanto que não se alegraram com a libertação espiritual da moça, pelo contrário sentiram se prejudicados com tal libertação. Para eles a moça era uma mercadoria. O objetivo deles era lucrar. Quando viram perder o lucro prenderam Paulo e Silas, e os levaram à praça, à presença dos magistrados que juntamente com a multidão acoitou-lhes depois de rasgar suas vestes. Não houve um cuidado na hora de apurar com justiça o que Paulo e Silas fizeram. A ânsia de puni-los pela perda do lucro foi tão grande que negligenciaram a cidadania romana deles e os açoitaram sem um julgamento. Paulo em outra ocasião ao escrever a Timóteo afirmou que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Esses senhores envolvidos pela ganância cometeram injustiças e arbitrariedades.

Ainda vendo alguns tipos de prisões vemos aqui que havia outros prisioneiros na prisão em que Paulo e Silvas foram lançados, que estavam ali trancafiados pela justiça dos homens por causa dos crimes cometidos. Esses eram pessoas que normalmente classificamos como prisioneiros. Hoje em nosso País temos uma população carcerária maior do que as nossas prisões comportam e os prisioneiros estão em condição sub-humana sujeitos há vários tipos de males. O indivíduo que paga pelo seu crime encara os efeitos dos seus atos cometidos e muitos desses não se reabilitam voltando depois para a sociedade piores do que entraram com algumas exceções, é claro. Podemos dizer que estes tipos de prisioneiros são aqueles tipicamente que vemos como tais. Homens e mulheres continuam sendo presos por cometerem crimes que agridem a sociedade e a Deus.

Neste acontecimento há também o prisioneiro pelo medo, que foi o carcereiro, que era responsável por manter os prisioneiros trancafiados e acorrentados. Apesar de parecer que ele tinha liberdade ele estava agrilhoado pelo medo. Como carcereiro ele era responsável pela manutenção dos prisioneiros em seus cárceres podendo pagar com a vida se algum deles fugissem. Percebemos pela história que ele vivia em tensão sabendo dos riscos que ele corria e temia sobremaneira a fuga de algum prisioneiro. Ele temia a punição de seus superiores que seria possivelmente a morte. Quando ele notou que depois do terremoto acontecido na prisão porque Paulo e Silas cantavam e os prisioneiros tiveram seus grilhões quebrados, cadeias abertas e eles poderiam fugir, ele tentou o suicídio. Mas, foi interpelado por Paulo e Silas que impediram a ele cometer o mal contra si mesmo. Paulo gritou: não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. O carcereiro cônscio de que estava acontecendo pediu ajuda a Paulo e Silas dizendo: Senhor, que é necessário que eu faça para me salvar? Paulo respondeu: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e tua casa. O carcereiro creu e foi liberto da prisão do medo pois levou Paulo e Silas para sua casa, lavou as feridas deles, foi batizado, pôs a mesa para eles e alegrou-se com todos da sua casa que creram em Jesus e foram batizados.

Enquanto, Paulo e Silas em parte do acontecimento estiveram presos de fato e em verdade nunca deixaram de ser livres. Mesmo açoitados e com os pés no tronco que era um instrumento de tortura, construído de tal modo que forçava as pernas ficarem bem separadas uma da outra e causando assim grandes sofrimentos estavam espiritualmente livres. Em Cristo, podemos passar situações imobilizantes, porém, seremos verdadeiramente livres. Podemos ser limitados na saúde, nas finanças, socialmente, nos relacionamentos, mas em Cristo seremos livres.  Como Paulo dizia, preso pela justiça, por pregar o evangelho, se dizia livre e prisioneiro de Cristo. Quem está ligado a Jesus está verdadeiramente livre. É servo de Cristo, mas é uma servidão voluntária onde há verdadeira liberdade. Paulo e Silas presos injustamente cantaram a meia noite. Mesmo nesta condição e feridos impediram o carcereiro de cometer o suicídio. Aceitaram ir em sua casa, e tiverem suas feridas lavadas por ele sem ressentimentos, pregaram o evangelho para todos da casa e ainda batizaram o carcereiro e os familiares porque apesar de tudo sempre foram livres em Cristo Jesus mesmo que passando por uma situação limitante certa vez falou: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (João 8:36). Paulo e Silas foram presos, porém, eram verdadeiramente livres.

Talvez você que está em Cristo possa estar passando por uma situação limitante, mas é verdadeiramente livre.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

PAI NOSSO QUE ESTÁS NOS CÉUS.

pai e filho

Aprendemos na oração modelo que a oração deve se basear na Paternidade Divina e na verdade que Deus é Pai de todos os que creem em Jesus. Para o judeu o nome de Deus era algo tão Digno, porém tão distante que a intimidade na oração que Jesus ensinou confrontou o entendimento da época. Pode parecer “chover no molhado” afirmar, mas muitos não compreendem até hoje a oração modelo com seus elementos e significados. A oração é um recurso espiritual que muitos não se utilizam ou distorcem com seus pragmatismos. Entretanto, ao iniciar chamando-O de Pai Jesus nos ensinou que precisamos deixar a superficialidade e aprofundar no relacionamento com Deus. O relacionamento com Deus precisa ser algo denso como é o pai com um filho porque os que creem são de fato filhos por adoção.

Paulo ensina que O Espírito Santo clama em nós “Abba”., que é uma palavra em aramaico e era de uso diário dita num ambiente familiar indicando a intimidade que devemos ter com Deus. Nenhum judeu se atreveria a dirigir-se a Deus dessa forma. O “Abba” é como se fosse o nosso “papai”. Revolucionário para a época e até para os dias de hoje esta visão acerca da oração.

O Espírito Santo, segundo o mesmo Paulo, testifica no crente o fato de ser esse um filho de Deus. John Wesley numa viagem missionária teve sua vida mudada quando entendeu a doutrina da testificação do Espírito Santo influenciado pelos Morávios. Portanto, percebemos o quão é o interesse de Deus que oremos e vivamos como filhos de Deus se cremos em Jesus. Não podemos agir e nem orar como bastardos, mas sim como filho, que de fato somos se recebemos Jesus como Salvador e Senhor.

A oração modelo mostra também a necessidade de vivenciar o relacionamento comunitário com o outro e não usar a oração para fins egoístas que só visam o deleite pessoal em detrimento dos seus relacionamentos com Deus e o próximo. Tiago asseverou que quem faz assim pede mal e por isto não é atendido por Deus. Hoje se “cunhou” popularmente o termo “oração contrária”, que é praticamente uma espécie de feitiçaria, porque pensa que um crente possa orar contra o outro, mas o Deus que ensinou a orar “Pai nosso” atenderá um mal pedido que visa o mal do outro? Obviamente que O Deus Bondoso não faria isto. Então, de fato não existe oração contrária, pois tal não pode ser chamada de oração.

Sabendo dessa verdade, podemos pedir, buscar e bater em nossas orações, porque temos um Pai que nos ouve e se preocupa conosco. Jesus falou que o pai terreno mesmo sendo mau, na maioria das vezes, dá boas dádivas aos seus filhos, e Jesus comparou afirmando que se o pai terreno faz isto quanto mais o Pai Celestial dará aos seus filhos quando pedirem bem. Portanto, a Paternidade de Deus é citada por Jesus como um incentivo a oração. Um dos pedidos que Jesus se refere é acerca do Espírito Santo que visa glorificar a Cristo e como já afirmei testifica ao crente que é filho de Deus.

Entretanto, a expressão “Pai Nosso que está nos céus” não mostra somente o sentido de Deus para conosco, o sentido nosso para com o próximo, mas o sentido nosso para com Ele. Podemos afirmar que é uma expressão de adoração que exalta a Sublimidade de Deus acima de tudo que existe na terra e que apesar disto nos adotou como filhos através de Jesus, está disposto a relacionar-se conosco e disposto a ouvir nossas necessidades espirituais, emocionais, morais e físicas.

Jesus orou afirmando que Deus é Pai “que está nos céus”, ou seja, diferente do Pai terreno. Seja qual for a nossa visão acerca da figura paterna boa ou ruim Deus como Pai é superior a tudo que conhecemos a nível terreno. Costumamos misturar as estações, ou seja, o terreno com o espiritual, e temos dificuldades no nosso relacionamento com Deus como Pai Celestial. Portanto, precisamos meditar na Palavra dia e noite para que nossa mente seja renovada e compreendamos a imensa distinção de Deus como Pai em relação aos terrenos. O profeta falou que os caminhos de Deus são mais altos do que os nossos, como são também os Seus pensamentos então permitamos as nossas emoções o aprendizado da Paternidade superior de Deus.

Nesta oração percebemos que uma das maiores necessidades humanas é suprida que é o pertencimento. O Pai é Nosso. Portanto, o crente tem a Deus como Pai e muitos irmãos na fé que compõem a família de Deus. A crise existencial da falta de sentido, de propósito acaba logo no início da oração se entendermos o significado da plenitude que é ser filho de Deus.

Aconselho a você se aprofundar na vida de oração. Ela é mais do que uma mera obrigação religiosa. Ela é mais do que um ritual ritualístico. Ela é mais do que uma forma para se obter as bênçãos que deseja de Deus. Ela é relacionamento com Deus. Ele é diálogo. Ela mostra que há vida e comunhão. Pratique, aprofunde a sua vida de oração.

( O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).