Arquivo da categoria: Polêmica

DISCERNIMENTO.

falsoprofeta

Há necessidades básicas como amar e ser amado, de justiça, paz, propósito na vida etc. Na busca pela superação dessas e outras necessidades podemos escolher mal, e isto nos trazer prejuízo. Escolher é uma capacidade humana que vem acompanhada de responsabilidade. Somos responsáveis pelas escolhas que fazemos. Não podemos usar como desculpa as urgentes necessidades para fazermos escolhas erradas. Iremos prestar constas a Deus.

Algo se faz muito necessário para se escolher: DISCERNIMENTO. O discernimento vem com a ação do Espírito no nosso coração que se utiliza das nossas experiências de vida pessoal, vida com Deus, o nosso conhecimento da Palavra de Deus e nossa vida de oração. Exerça-o com sabedoria, assim suas escolhas serão melhores.

Há o discernimento natural que os homens com saúde mental possuem e há o discernimento espiritual, um dom dado pelo Espírito Santo, que capacita a distinção entre o que vem de Deus e o que vem de satanás.

Um exemplo de discernimento espiritual é o de Paulo em sua segunda viagem missionária, quando desenvolvia seu ministério foi importunado por uma menina possuída por um espírito de adivinhação. Ela exclamava: “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo”. Ela não errou no que dizia, mas dizia possuída por demônios com o objetivo de atrapalhar Paulo e seus companheiros. Paulo pelo Espírito percebeu aquele espírito de adivinhação e inquietação, repreendeu em nome de Jesus e a menina foi liberta.

O discernimento não é apenas usado na distinção do bem e do mal. Mas também, numa atitude de sabedoria que sabe aproveitar a hora propícia de agir. Como Paulo em Atenas percebendo a idolatria do povo usou um altar que era dedicado a um Deus desconhecido. Paulo proclamou Jesus como o Deus que os atenienses não conheciam.

É bom que se registre, que discernimento não é “intuição” ou “insight”, ele é dado pelo Espírito Santo, que age de acordo com a Palavra de Deus, que foi registrada para ser o nosso manual, aferidor de todas as coisas. Então o discernimento não se trata de algo subjetivo, mas de uma experiência real baseada na orientação da Palavra de Deus.

Uma das maiores necessidades do povo de Deus em nosso tempo é o discernimento. Discernir o que se ouve. Discernir antes de falar. Discernir antes de escolher. A precipitação traz muitos infortúnios. Evita-se muitos problemas quando o discernimento é praticado.

Jesus foi alvo de muitas armadilhas, mas não caiu em nenhuma, pois discernia tudo, conhecia os corações. Talvez você diga: “não somos Jesus”; mas somos servos dEle. Temos o Espírito Santo. Temos a Palavra de Deus. Temos conselheiros espirituais. O inimigo de nossas almas anda em derredor buscando quem possa tragar. Vigiar. Discernir. São necessidades básicas.

Devemos discernir sem usarmos as togas de juízes dos outros como se tivéssemos a palavra final sobre alguém. Deus está acima de todos. Cabe-nos a humildade de depender de Deus para exercemos tal capacidade de forma acurada e sábia porque sem Deus e sem sua Palavra e oração não dá para fazê-lo.

(O autor do texto é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A ESCOLHA DE ABRAÃO

abraaoelo

Deus convocou Abraão: sai-te da tua terra, e da tua parentela. Ele saiu, mas levou consigo seu sobrinho Ló. Ambos adquiriram riquezas, o que criou a impossibilidade de continuarem juntos, pois a terra não poderia sustentá-los. Houve então uma grande contenda entre os pastores de Abraão e Ló.

Abraão que era o tio, o mais velho, enfim o responsável pela caravana, disse a seu sobrinho: NÃO HAJA CONTENDA ENTRE MIM E TI. SOMOS IRMÃOS! SE ESCOLHERDES A DIREITA, IREI PARA A ESQUERDA.

Naturalmente o direito de escolha seria de Abraão, mas este abriu mão em favor de Ló.

É de estranhar essa atitude de Abraão. O pai da fé teve um espírito “neotestamentário” tipo romanos capítulo 12 nesse episódio. A “coisa” poderia ter ficado feia. Poderia ter ocorrido um “fratricídio” como quase ocorreu em juízes à eliminação da tribo de Benjamim.

Nestes tempos de Teologia da Avareza, onde as pessoas veem Deus como O realizador dos desejos, alguém abrir mão de alguma coisa, soa estranho. Muitos entendem que a vontade de Deus só está relacionada à realização dos desejos pessoais. Não é a vontade de Deus que é buscada, mas a vontade daquele que pede com “fé”. O que se torna não fé em Deus, mas fé na fé. Portanto, uma fé idólatra.

O interessante é que Abraão parecia estar perdendo com essa atitude e na verdade teve a Promessa de Deus confirmada. Enquanto Ló, que escolheu primeiro, parecia levar vantagem, encaminhou-se para Sodoma de onde teve que sair fugido.

Ló escolheu. Deus escolheu para Abraão. Escolher a Vontade de Deus pode na aparência ser prejuízo, mas é a melhor coisa que podemos fazer na vida. O caminho da renúncia. A escolha pela Vontade de Deus. A escolha do amor fraternal. São as melhores escolhas.

Escolha é algo que tem de fazer quando se enfrenta uma contenda. Na maioria das vezes tomamos decisões no “calor da hora” e somos precipitados. Aprendo com Abraão a esperar, esperar a vontade de Deus ser nítida, clarificada. Tomar decisão baseada somente naquilo que os olhos veem é tomar decisão superficial. Deus pediu para Abraão levantar os olhos, assim ele teve a visão do que Deus queria.

Humildade. Espera. Paz. São caminhos de Deus para nós.

Os filhos de Deus são pacificadores. Sejamos como Abraão, pacificadores. Ló seria ajudado por Abraão em ocasiões posteriores. Não ficou mágoa no coração, nem rancor, ou amargura. A “contenda” foi bem resolvida, não ficou resquício negativo para o futuro na vida de Abraão.

Enquanto Ló teve uma semeadura ruim porque escolheu pela aparência, foi altivo na sua decisão, e buscou seus próprios interesses. Ló foi alguém com o “jeitinho brasileiro”, “esperto”. Tornou-se prisioneiro de guerra, teve que sair fugido, perdeu a esposa etc.

Pois é, aprendo com o Pai da fé, Abraão, um bom exemplo na hora da contenda. Oro a Deus para que eu possa seguir seus passos.

Paz!!!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog)

CARACTERÍSTICAS DO REINO DE DEUS.

O reino de Deus não é comida.

No começo da história da Igreja surgiram muitos desafios para a Igreja incipiente. Um deles foi responder o quanto do judaísmo herdaria o cristianismo. Os costumes judaicos deveriam ser impostos aos gentios que se convertiam a Cristo? – era um das grandes questões da época. Quanto à questão dos alimentos Paulo mostrou estar emancipado. Para ele todos os alimentos eram puros depois de se dar graças em oração. O que contamina o homem não é o que entra, mas o que sai dele, disse Jesus. Paulo ensina que os cristãos que faziam acepção de certos alimentos não deveriam ser desprezados por aqueles que não faziam ou vice versa. Porque todos assim faziam com o fim de servir a Deus. O princípio de ética maior, segundo Paulo, é o amor, ou seja, a construção edificante do irmão em Cristo.

Percebemos que o tempo passou, mas a Igreja continua sempre discutindo assuntos controversos, esquecendo-se do essencial. O reino de Deus não é comida ou bebida, escreveu Paulo. Não se pode restringir o reino há questões menores como essas. O reino de Deus é JUSTIÇA, PAZ E ALEGRIA NO ESPÍRITO SANTO. A justiça se refere a obras justas de alguém que foi justificado por Cristo. A paz se refere a alguém que não contende mais com o Criador e foi reconciliado com Ele através de Jesus. A alegria se refere a alguém que desfruta intimidade com o Espírito Santo. O essencial não deveria ser esquecido por essas questões. Não se pode esquecer a fraternidade, o companheirismo e da humildade nas relações. O que caracteriza a ambiência do reino de Deus é a JUSTIÇA, PAZ E ALEGRIA NO ESPÍRITO SANTO. Tais valores virtuosos são a essência do reino de Deus em nós e entre nós.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

CRAVANDO A MENSAGEM DA CRUZ AO INVÉS DA CRUZ DE MADEIRA.

 

cruz

Saiu na Internet : Incidente de cruz no espaço satânico da Academia da Força Aérea – Peter J. Smith. Posted: 24 Feb 2010 02:10 AM PST.

COLORADO SPRINGS, Colorado, EUA, 4 de fevereiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — A Academia da Força Aérea dos Estados Unidos em Colorado Springs estabeleceu um círculo pagão nas matas de seu campus com planos de dedicá-lo oficialmente em março. Contudo, o local gerou nova polêmica, pois os membros da Força Aérea revelaram que uma grande cruz de madeira foi encontrada no local, e alguns estão chamando a colocação da cruz como “crime de ódio”. A população de pretensos pagãos é uma percentagem minúscula dos 4.000 cadetes da Academia (…).

Embora os neo-pagãos afirmem ter uma conexão com as antigas religiões pagãs que outrora dominavam a Europa antes do surgimento do Cristianismo, seu reavivamento só começou no século XX, principalmente na época depois da 2ª Guerra Mundial. A Wicca — a religião da bruxaria moderna — decolou na Inglaterra na década de 1950 depois da revogação das leis contra a feitiçaria, antes de se propagar para outras partes do mundo de língua inglesa. Organizações neodruidas também começaram a aparecer ao mesmo tempo em que as convulsões culturais da revolução sexual estavam ocorrendo no mundo ocidental

A Academia da Força Aérea defendeu sua política de abrir espaço para a bruxaria em seu campus como expressão de seu compromisso para com a liberdade de religião dos cadetes (…).

Mas o fato de que uma grande cruz de madeira foi colocada anonimamente no círculo neopagão várias semanas atrás provocou tumulto na Academia. O local pagão exibe dois círculos concêntricos de grandes pedras que foram instaladas num monte arborizado dentro do campus. O círculo está com data marcada de inauguração para 10 de março.

As autoridades da Academia da Força Aérea — que ainda não sabem quem colocou o símbolo cristão no local pagão — condenaram o ato, e estão investigando a questão como “crime de ódio”.

“Considero isso igual ao caso de alguém que fez pichações na Capela dos Cadetes”, disse em declaração preparada o superintendente da Academia, o tenente general Mike Gould.

Mikey Weinstein, fundador da Fundação de Liberdade Religiosa Militar e formado na Academia em 1977, foi o primeiro a divulgar o caso, dizendo que um de seus clientes havia encontrado a cruz feita de travessas de ferrovia no local. Ele comparou a presença da cruz no círculo pagão como o equivalente de uma suástica num centro judaico.

Mas Bill Donahue, presidente da Liga Católica, denunciou a reação das autoridades da Academia como “estereotipada” e declarou que eles estão indo longe demais ao tratar o incidente como “discurso de ódio”. (…)

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Minha posição (Pr. Eber Jamil) : De fato, creio eu, que num mundo plural e diverso em matéria de religiões, como o nosso, o espaço religioso de qualquer crença deve ser respeitado. Não devemos atacar, destruir, pichar qualquer espaço independente do credo. Ao invés de se cravar uma cruz de madeira num lugar destinado ao paganismo, deve-se cravar a mensagem da cruz neste mundo pagão e não agir com desrespeito e intolerância religiosa.

A história mostra que a intolerância religiosa é causadora de guerras e mortandades. O caminho daquele que crê em Jesus é a pregação das boas novas, confiando no poder do Espírito Santo. A fixação de uma cruz de madeira não transformará um lugar pagão em sacro. Só a mensagem da cruz penetrando no coração do homem que repelirá o paganismo e tornará um homem consagrado a Deus. Por isto ao invés de cravar a cruz de madeira, pregue a mensagem da cruz.