Arquivo da categoria: Sexualidade

SALOMÃO: A OSTENTAÇÃO OFUSCA A SABEDORIA.

Vivemos sob um sistema plenamente consumista, a obtenção de riquezas tem se traduzido como o alvo das pessoas. Temos muitos exemplos de que o alcançar as riquezas não satisfazem plenamente o homem. Salomão teve tudo o que quis, mas isto não lhe trouxe felicidade, pelo contrário trouxe frustração, um sentimento de vazio. Salomão em Eclesiastes capítulo 2 afirma que:

. O prazer não lhe trouxe satisfação (2.1).

. A bebida não lhe trouxe satisfação (2.3).

. Grandes obras para si não lhe trouxeram satisfação (2.4-6).

. As riquezas não lhe trouxeram satisfação (2.7 e 8).

. O alcance de tudo que desejava não lhe trouxe satisfação (2.9 e 10).

. Tudo isto foi como correr atrás do vento (2.11).

Salomão teve um começo admirável. Ele era filho de Davi com Bate-seba. Seu nome significa pacífico. O profeta Natã o chamou de Jedidas, que quer dizer “amável” do Senhor (II Sm 12:25). Ele foi escolhido por Davi para reinar no lugar dele e começou a reinar com 20 anos. Certa ocasião Deus lhe apareceu em sonho perguntando-lhe o que desejava. Salomão pediu sabedoria e recebeu um coração sábio e entendido.

O seu reinado foi de paz e progresso. Estabeleceu uma paz que duraram quarenta anos de seu reinado. Foi um verdadeiro diplomata. Ele edificou o templo de Jerusalém que Davi desejou construir. (Foi Davi que havia ajuntado o material em grande quantidade e até mesmo deixado a planta do templo para a construção). O templo foi construído em sete anos. Ele também edificou palácios. O palácio que edificou para si levou 13 anos para ser concluído. (Mais tempo que a construção do templo). Também construiu um palácio no bosque do Líbano, tudo com muito luxo. A fama de Salomão alcançou o mundo da época fazendo com que a rainha de Sabá viajasse milhares de quilômetros para conhecê-lo. As suas diversas alianças com os povos vizinhos o levaram a inúmeros casamentos, o que acabou prejudicando muitíssimo o seu reinado. Ele começou a trazer os costumes religiosos dessas mulheres, e seu coração se deixou seduzir pela idolatria – idolatrando outros deuses e até construindo edificações pagãs. A sabedoria foi eclipsada pela luxúria e ostentação. Salomão semeou a divisão do povo de Israel. Uma das causas foram os juros abusivos que cobrava do povo.

A riqueza é um dom de Deus. Alguns conseguem alcançá-la, mas muitos naufragam neste “teste do muito”. Muitos se desviam da fé por amar ao dinheiro e trazem para si muitos males. Mesmo que alcancemos tesouros nesta terra, que de fato, e em verdade, o nosso tesouro seja o celestial. O nosso coração não pode deificar bens, propriedades ou pessoas. Eclesiastes, que foi escrito por Salomão, afirma que tudo é vaidade. Só podemos usufruir do sentimento de plenitude em Deus e não nos bens e pessoas desta terra. Depois de inquirir sobre a existência em Eclesiastes, Salomão chega à seguinte conclusão:

“ De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.” Eclesiastes 12: 13 e 14.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

DIA INTERNACIONAL DA MULHER.

 

florrosa1yz9

Pequeno histórico do Dia da mulher

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas diárias), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Em 1903, profissionais liberais norte-americanas criaram a Women’s Trade Union League. Esta associação tinha como principal objetivo ajudar todas as trabalhadoras a exigirem melhores condições de trabalho.

Em 1908, mais de 14 mil mulheres marcharam nas ruas de Nova Iorque: reivindicaram o mesmo que as operárias no ano de 1857, bem como o direito de voto. Caminhavam com o slogan "Pão e Rosas", em que o pão simbolizava a estabilidade econômica e as rosas uma melhor qualidade de vida.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU é comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher.

Breve análise bíblica sobre o assunto

É com sentimento misto, que citamos este dia internacional da mulher, porque ao mesmo tempo, que somos gratos a Deus pelas mulheres, sabemos que por detrás deste dia há o movimento feminista, o qual é um desvirtuamento do plano de Deus para a mulher. Segundo Júlio Severo, o movimento feminista pró-aborto se aproveita da ocasião para pregar a legalização do aborto. Sabemos também, que esta ênfase pela “igualdade” da mulher afasta as mulheres de seus filhos e esposos.

Jesus dignificou a mulher tendo-a como parte do seu ministério terreno (Lc 8.2). Dignificou quando depois de ressurreto, apareceu primeiramente para uma mulher, e ainda a comissionou para divulgação da sua ressurreição (Jo 20.11-18). Sabemos que no dia do derramamento do Espírito as mulheres também estavam presentes (At 1.14). Sabemos que a primeira convertida no Europa foi uma mulher (At 16.13-15). Sabemos que uma mulher chamada Dorcas fez um trabalho sensacional de assistência aos carentes, e que morrendo, Deus a fez ressuscitar (At 9.36-43). Sabemos ainda, que na Igreja de Filipos, duas mulheres exerciam posições de liderança (Fp 4.2). E ainda mais, quando Deus criou o homem e a mulher, ambos foram criados a imagem e semelhança dele (Gn 1.27). Poderia multiplicar os exemplos.

Então segundo o pensamento cristão, a mulher não é inferior ao homem. O homem e a mulher são iguais perante Deus. O movimento feminista fica buscando a igualdade entre as mulheres e homens, sem se dar conta que a questão não é esta, porque os homens e as mulheres têm o mesmo valor diante de Deus.

Entretanto, Deus designou papéis diferentes para homens e mulheres, e o que o movimento feminista faz é desvirtuar o papel que Deus atribui à mulher. O homem foi criado primeiro, depois a mulher. Percebemos assim que ambos se complementam. Um precisa do outro. Ao homem cabe a liderança e a mulher o suporte. Não pense que tal auxílio é desnecessário. A conclusão divina é que não era bom que o homem estivesse só, por isto Deus criou uma auxiliar que fosse idônea. Ao analisar a constituição física do homem e da mulher, percebemos que os papéis são diferentes, porém ambos são complementares. Ambos são necessários para perpetuação da espécie humana. Em nossa época, percebo a necessidade da mulher trabalhar, e trabalhando não deve ser inferiorizada por ser mulher. Porém, isto é demanda da era moderna e pós-moderna. A mulher que faz isto, não deve abdicar do seu papel de esposa e mãe, que são essenciais e primários.

Nós maridos sabemos quanto às mulheres são indispensáveis. O que seria dos homens sem as mulheres? Para começar, não nasceríamos.

As mulheres devem ser tratadas com respeito e dignidade. Nenhum homem deve levantar sua mão para a companheira e esposa (I Tm 3.3). A mulher não deve ser tratada como um mero objeto sexual, mas sim com afeto e deferência. Neste dia, as mulheres sejam abençoadas e guardadas por Deus. Tenham suas forças renovadas, pois as demandas pós-modernas sobrecarregam mais aquilo que já era difícil de carregar. Um abraço a todas.

(O autor do artigo é o Pr Eber Jamil, dono do blog).

PACTO COM OS OLHOS.

 

olhar 

Jó 31.1 – Fiz aliança com os meus olhos como, pois, os fixaria numa virgem?

Sl 101. 3 – Não porei coisa má diante dos meus olhos.

Mt 6.22 e 23 – A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!

Pensei rapidamente em alguns textos que falam sobre o olhar e me lembrei destes. Sempre ouvi falar sobre o “segundo olhar” ensinado por Billy Graham, que o ensina como pecaminoso. Porque o primeiro olhar é fortuito, por acaso, mas se você olhar pela segunda vez, comete pecado. Creio também, que o primeiro olhar pode ser pecaminoso, quando vemos a primeira vez, e nos fixamos no alvo de nossa cobiça.

Tanto no texto de Jó e Salmos percebemos que precisa haver da nossa parte um compromisso vigilante com o nosso olhar. É uma questão de decisão pessoal, uma aliança. O primeiro pecado, chamado de original, foi engodado pela cobiça do olhar. Eva percebeu que o fruto era agradável a sua vista, cobiçou, e pecou. Portanto é urgente, fazermos um pacto conosco mesmo, confiados na graça de Deus, de vigilância, de como olhamos e o quê olhamos. O olhar de muitos parece ser um “buraco negro” desejando sugar tudo o que tem em volta.

Quando escrevo sobre um pacto conosco mesmo não estou pregando uma autoconfiança em si próprio para triunfar sobre a cobiça dos olhos. Refiro-me a uma disposição, vontade de depender de Deus, confiando na libertação que Jesus nos outorgou na cruz. Confiando no poder que a ressurreição nos trouxe e no poder do Espírito que nos capacita a sermos testemunhas eficientes. Afinal, só podemos fazer aliança com os nossos olhos, porque temos uma aliança com Cristo.

Não pense que um olhar cobiçoso não tem conseqüências. A candeia do corpo são os olhos, ou seja, a quantidade de luz que vamos ter na nossa alma depende de onde fixamos o nosso olhar. Há muitas pessoas da luz que estão sob forte influência das trevas, pois cultivam o seu olhar naquilo que é pecaminoso. São cobiçosos. São invejosos. São adúlteros. São da luz, mas é uma luz abafada e sufocada pelas densas trevas.

O olhar pecaminoso não é só aquele que se fixa com cobiça, mas também aquele que “interpreta” fatos, circunstâncias e pessoas com maldade. Há pessoas que vêem maldade em tudo. A sua interpretação daquilo que vê é segundo o seu inconsciente poluído pela malícia e impureza.

Não escrevo como alguém que não está sujeito a essas coisas, longe disso. Escrevo o que a Palavra de Deus diz, o que a Palavra me exorta. Portanto, acatarei o que Deus está me dizendo, pedindo o seu poder para viver pactuado com o meu olhar, e nunca o fixando no mau.

Quando me lembro do olhar de Jesus lembro logo da palavra compaixão. Pois, a Bíblia diz que Jesus olhou para as pessoas e multidões com compaixão. Quanta luz havia em Cristo! Ele foi a luz do mundo enquanto esteve no mundo. Hoje, a Igreja é o luzeiro que reflete a luz de Cristo, pelo poder do Espírito. Portanto, meu irmão, cultive um bom olhar, para que a luz que há em ti não se torne trevas. Se assim não for: “quão grandes serão tais trevas!”.

(O autor do artigo é o Pr Eber Jamil, dono do blog).

RESULTADOS DA NOSSA UNIÃO COM CRISTO (2).

SEGUNDO RESULTADO:

ABANDONO DOS VELHOS HÁBITOS

lixo

Colossenses 3.5-11.

 5 Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, a afeição desordenada, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria;

6 Pelas quais coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência;

7 Nas quais, também, em outro tempo andastes, quando vivíes nelas.

8 Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca.

9 Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com seus feitos,

10 E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que criou;

11 Onde   não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos.

Introdução:

 A palavra “pois” em “fazei, pois” ou “mortificai, pois” indica na prática que a mortificação da “carne” (concupiscência) é motivada pelas verdades espirituais escritas no parágrafo anterior: somos unidos com Cristo em sua morte, em sua ressurreição, em seu viver e seremos em sua futura manifestação. Estas verdades são fundamentais para que possamos mortificar o “velho homem” diariamente através do abandono (renúncia) e da obediência a Cristo.

I – O abandono dos velhos hábitos:

Paulo cita hábitos que devem ser mortificados. Esses hábitos estão divididos em dois grupos de uma forma geral. O hábito é um costume. Uma disposição adquirida pela freqüente repetição. É algo que se torna comportamental e que se enraíza no indivíduo.

  1. Primeiro grupo: velhos hábitos na área do sexo (v.5).

Como acontecia com freqüência no campo missionário, Paulo lidava com alguns convertidos do paganismo que entendiam errada a liberdade do evangelho, achando que ela significava autorização para fazer o que quisesse, dar vazão, sem controle, às tendências pessoais, por isto as questões sexuais precisavam ser tocadas. Paulo mostra neste parágrafo que a união com Cristo implicava no abandono das práticas sexuais distorcidas. Ele cita as seguintes práticas:

· Prostituição – refere-se a toda relação sexual fora do casamento (grego: porneia). Paulo discorrem em outros lugares este tema. Quero destacar 1 Ts 4.1-8, onde ele fala sobre o que significa ser cristão e o abandono da imoralidade. Alguns cristãos envolvem-se com pornografia trazendo para si grandes dores e para seus familiares.

· Impureza – desejo pela perversão sexual.

· Paixão lasciva – a paixão dominada pelo sexo.

· Desejo mal – a vil concupiscência.

· Avareza, que é idolatria – seria tirar vantagem egoísta, muitas vezes iludindo e prejudicando a vítima. É um desejo de possuir desequilibrado. Quando desejamos possuir uma coisa, ela passa a possuir o nosso coração (idolatria). A avareza também é citada como idolatria por Paulo em Ef 5.5. O que a avareza tem haver com os pecados do sexo? A avareza e os pecados sexuais tem em comum os desejos em erupção dando vazão aos pecados. A avareza é idolatria porque coloca coisas no lugar de Deus.

  1. Segundo grupo: velhos hábitos no falar (vs 8 e 9).

 O segundo grupo de hábitos a serem abandonados estão relacionados com o falar. Peca-se muito com os lábios

· Ira e cólera –À primeira vista são atitudes, mas neste contexto devem ser entendidas como maneira de falar. Indignação ou cólera no grego é ferver. É uma irritação violenta e rápida como fogo na palha.

· Maldade ou malícia – é criar problemas. Quando a palavra tem a intenção de abusar, caluniar e destruir a reputação de alguém.

· Linguagem obscena ou palavra torpe – sendo impura e capaz de suscitar pensamentos impuros. Deve ser de uma vez para sempre afastada da boca de um cristão.

· Mentira – A mentira significa, no fundo, aliar-se com satanás, o pai da mentira.

III – Razões para o abandono:

 Aqui Paulo traz algumas razões para abandonarmos os velhos e pecaminosos hábitos.

a. Esses velhos hábitos trazem o juízo sobre os que praticam. Por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência (v.6). Está escrito em Rm 1.20 – 32 que uma das conseqüências do juízo de Deus sobre estas pessoas é o abandono divino. Entregando-os às paixões infames.

b. Esses hábitos não nos dominam mais. Nos dominavam na velha vida (v.7) e era uma prática comum na nossa vida antes de Cristo (Ef 2.2 e 3).

c. Espiritualmente já nos despimos destes hábitos e nos vestimos de novas atitudes. Já vos despistes do velho homem com seus feitos, e vos vestistes do novo (vs 9 e 10). Despojar ou despir-se é uma linguagem relacionada com o batismo. A prática antiga era despir-se da roupa velha e suja para em seguida vestir-se de roupa nova e branca simbolizada pelo fim dos velhos hábitos. Surgindo assim os novos hábitos em Cristo Jesus. Devemos viver à altura da confissão que fizemos no batismo.

d. A nossa nova vida em Cristo, ilustrada aqui como uma nova veste, que se renova segundo a imagem de Jesus. Renova-se para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou (v.10). O Espírito opera em nós de forma graciosa através da Palavra. Quando permitimos que Ele nos guie em toda a verdade (Jo 16.13), os vícios, hábitos e atitudes são substituídas pelo Senhor Jesus que nos fez nova criatura.

Conclusão:

 A nossa união com Cristo resulta em renúncia e abandono dos velhos hábitos. Hoje em Cristo, vemos o sexo de forma diferente e falamos de maneira santa. Quando éramos filhos da desobediência a ira do Senhor estava sobre nós e estávamos dominados pelo pecado. Hoje vestidos de vestes novas e nos renovamos segundo a imagem de Cristo que nos fez nova criatura.

(O texto é de autoria do Pr Eber Jamil, dono do blog).

O SEXO É UMA DÁDIVA DIVINA.

aliancasO sexo é uma dádiva divina. Foi algo que o senhor deu aos homens com o fim primário da procriação, porém dotou ao homem com capacidade de ter prazer no sexo. Muitas vezes  pessoas casadas possuem uma sensação interior que o sexo é algo impuro. Entretanto, dentro do casamento não é. É bom que se diga que o sexo é uma dádiva divina e prazerosa para ser desfrutada no casamento. Atente para Gênesis 2.24:  

               Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.     

     A união sexual entre o casal transforma-os em uma só carne. Porém, observe que antes de ser uma só carne precisa haver o deixar e unir-se . O sexo é o terceiro passo para o casal e não o primeiro. O homem não deve inverter esses passos porque tais passos foram estabelecidos por Deus.      

   Depois que o homem deixou seus passos e uniu- se a sua esposa pode e deve desfrutar da benção do sexo. Vejamos alguns textos bíblicos:       

   Ec 9. 9: Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol.        

 Pv 5.18: Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade,         

Existe um pensamento antibíblico e que traz muita culpa é de que o pecado original do homem foi o sexo, e que o fruto foi a maça, dando a este uma conotação sexual. O pecado original foi a desobediência de Adão e Eva em comerem o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, e não o sexo.        

 A primeira ordem que Deus deu ao primeiro casal foi: frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra (Gn 1.28). Esta ordem foi dada antes do pecado entrar no mundo, portanto, o sexo e a reprodução foram ordenados ao casal em seu estado original de inocência. Depois de criar o homem e a mulher com suas capacidades sexuais, Deus observou e disse: que tudo era muito bom (Gn 1.31). O clima de santidade e pureza que havia em Adão e Eva, em relação ao sexo era tão grande, que logo depois da ordem do Senhor deles se tornarem uma só carne, a Bíblia registra: Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam. (Gn 2.25).         

 Para encerrar este comentário, quero citar as palavras do Dr Gaye Wheat (in: sexo e intimidade): Você tem permissão de Deus para desfrutar do sexo dentro do casamento. Foi ele que inventou o sexo; foi Ele quem teve a idéia em primeiro lugar”.

 (Este texto é da autoria do Pr Eber Jamil).