Arquivo da categoria: Antigo Testamento

O EXEMPLO DE ENOQUE.

andar

A Bíblia diz que Enoque andou com Deus. Tal expressão indica que Enoque teve comunhão íntima com Deus. Teve Deus como Senhor e Amigo. Andar com Deus também deve ser nosso objetivo. Vivendo numa geração onde os descentes de Caim prosperavam. Vivendo numa geração pré-diluviana sem lei e sem temor a Deus Enoque andava contra o fluxo, andava com Deus.

Enquanto o mundo anda segundo o padrão deste século andamos com Deus e seguimos seus passos. Segundo Miquéias (4:5) andar com Deus é andar no nome do Senhor, ou seja, é ter uma representatividade neste mundo da parte de Deus. É andar em fidelidade e testemunhar o caráter dEle num mundo tão avesso as coisas de Deus.

Andar com Deus também é estar em acordo com Ele. O profeta Amós perguntou: Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo? (3:3) Antes de crer em Cristo na nossa vida pela fé estávamos em contenda com o Criador. Deus enviou Jesus para reconciliar o homem que andava afastado dEle para andar com Ele. Uma vez crendo em Jesus seus seguidores tornam-se embaixadores da reconciliação porque estão reconciliados com Deus e andam com Ele.

Andar com Deus é andar em humildade como disse também o profeta Miquéias (6:8). Deus resiste aos soberbos, mas os humildes andam a Seu favor e desfrutam da Graça. A soberba é o pecado que dispensa Deus e conduz a própria vida independente de Deus. Tal postura é arrogante e desagrada a Deus, que está com o contrito e humilde de coração.

A Bíblia também diz que Enoque pregou a mensagem de Deus. Ele profetizou acerca do juízo Divino vindouro. Para pregar ele precisou primeiro estar com Deus e assim também devemos fazê-lo. Assim se deu com os discípulos de Cristo. Jesus os chamou primeiro para estar com Ele e depois  para pregar, curar os enfermos e expulsar demônios (Mc 3: 13 e 14). A mensagem de Enoque foi de juízo. O que Deus mandar pregaremos mesmo que desagrademos como Enoque e como foi com o profeta Ezequiel que deveria proclamar numa casa rebelde mesmo sendo ouvido ou não (Ez 2:5-7). Percebemos que o relacionamento com Deus manifesto pela expressão andar com Deus é essencial, básica para que façamos a obra de Deus. Não podemos pregar o que não recebermos. Não podemos realizar a obra de Deus sem sermos de Deus e andarmos com Ele, pois se assim não for será em vão.

Enoque alcançou um bom testemunho, por ser um homem de fé. Não podemos entender as obras de Enoque, a pregação de Enoque e nem sua comunhão com Deus se não discernimos que ele teve fé. Por que ele teve fé alcançou um testemunho de Deus de que O agradara e por isso Deus tomou-o para Si pelo arrebatamento.

Nestes tempos do fim nós que temos a certeza do arrebatamento deveríamos observar mais a vida deste homem que pela fé alcançou o testemunho de Deus. Aprenda com ele que quem anda com Deus prega. Quem prega deve anda primeiro com Deus. E quem anda com Deus só pode andar em fé. Assim mesmo em uma geração corrupta sua vida será distinta fazendo diferença como aquele que pertence ao Povo de Deus que Ele tomará para si nestes últimos tempos.

Não quer fazer o mesmo? Então, ande com Deus, pregue a mensagem dEle e viva pela fé.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

Anúncios

TOME UMA ATITUDE!

atitude (1)

Gn 42:1 e 2 – Vendo então Jacó que havia mantimento no Egito, disse a seus filhos: Por que estais olhando uns para os outros? Disse mais: Eis que tenho ouvido que há mantimentos no Egito; descei para lá, e comprai-nos dali, para que vivamos e não morramos.

Jacó e sua família encontravam-se em situação difícil. Havia uma fome mundial que tinha atingido o mundo da época. Ele era um homem idoso e experimentado no sofrimento. Recebeu notícias anos atrás não verídicas que seu filho José havia morrido dadas pelos seus próprios filhos, irmãos de José. Agora com a fome ele sabia que havia comida no Egito, sem saber que José é que governava, perguntou aos filhos porque olhavam uns para os outros e não tomavam a atitude de ir ao Egito buscar alimento. Este momento é bem instrutivo porque passamos constantemente entre a tensão da espera e da atitude, mas aquele momento era a da atitude.

Os irmãos de José e Jacó não sabiam da história toda. Eles não sabiam que a venda de José como escravo, que para o Pai havia morrido, cooperou para que José estivesse na posição de Governador do Egito e que ele seria instrumento de Deus para salvar a própria família. Enquanto os irmãos perplexos olhavam uns para os outros Deus já havia providenciado o socorro naquela fome mundial. O assombramento, a perplexidade podem ser fatores impeditivos de uma atitude da nossa parte. Porém, Jacó despertou seus filhos para a realidade e instigou-os a tomarem uma atitude e buscarem ajuda no Egito.

Outro fato bíblico trata da tensão entre a espera e a atitude. Foi quando o povo de Israel saiu liberto do Egito, mas um movimento de reação do Império Egípcio se iniciou. Os Egípcios seguiram e caçaram a Israel que se viu diante do Mar Vermelho ladeado pelos montes não tendo com escapar do cerco. O povo de Israel ficou estacionado e apavorado clamando a Deus sem tomar uma atitude. E o Senhor disse a Moisés: “Por que clamas a mim? Dize aos Filhos de Israel que marchem”. A oração é vital, mas aquele momento era o momento da ação.

Creio que muitos estão assim com relação a sua salvação. Já ouviram falar de Cristo. Sabem que são pecadores. Mas se acomodam numa posição de meio lá e de meio cá. Sabem que é preciso tomar uma decisão acerca de Cristo, mas estão esperando. São bons observadores. Até pedem ajuda a Deus! Mas, não tomaram uma posição firme em relação a Cristo. Dão desculpas do tipo: ainda não estou preparado! Deixa eu envelhecer um pouco mais! Tal atitude se chama procrastinação e pode ser fatal quando relacionada a vida eterna. A Palavra de Deus diz:  Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz, Não endureçais os vossos corações, Como na provocação, no dia da tentação no desertoHebreus 3:7,8

Nas duas histórias em questão a vida estava em xeque. No tempo de Jacó uma fome mundial e só havia haveres no Egito. Diante do Mar Vermelho o povo de Israel estava cercado ameaçado de morte e escravidão. Assim, é a questão da Eternidade, é vital e não se pode postergar uma decisão. Aquele que não crê em Jesus já está condenado e só sai da condenação se crer em Jesus. Enquanto fica pensando numa decisão continua condenado eternamente podendo a morte chegar e não haver mais possibilidade de reversão. Observe o que o texto abaixo diz:

Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.
Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. João 3:17-20

Certa vez vi uma exposição com obras de Rodin e fiquei muito admirado com O pensador e descobri que ele está em outra obra de Rodin a porta do Inferno baseada na obra de Dante Alighieri a Divina Comédia. É interessante pensar que O Pensador está incrustado na Porta do Inferno juntamente com outros personagens. Mostra bem que se alguém fica pensando, sobressaltado, pasmado, sobre a eternidade, mas não toma uma decisão acabará no inferno. A obra de arte acaba sugerindo o que verdadeiramente acontece.

A fé é a atitude a ser tomada. A separação de Deus e a condenação causada pelo pecado somente em Jesus pode ser resolvida. Deus que amou o Mundo enviou Jesus com este propósito. Quem crê tem seus pecados perdoados, a comunhão com Deus estabelecida e recebe a Vida Eterna, que é a vida de Deus. A fé são as mãos que nos utilizamos para receber a salvação, conforme ensina Langston. Não há mérito pessoal quanto a salvação por receber Jesus mediante a fé. A fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus e a pessoa só passa a crer que foi convencida pelo Espírito Santo, mas na fé há volição, há uma entrega, há uma não resistência ao Espírito, a fé é atitude que devemos tomar diante da Providência de Deus, que é Seu Filho Jesus, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. “Creia no Senhor Jesus e serás salvo!” Não fique pasmado existencialmente e nem substitua a fé por alguma atitude religiosa que fica no meio do caminho! Creia!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O MENINO COM CINCO NOMES.

nascimento-de-jesus-14

Segundo o google o nome mais comprido do mundo é de um escocês que tem 29 palavras e 197 letras. Em Isaías 9:6 temos um dos grandes pronunciamentos messiânicos, e as tentativas de achar um contexto na época de Isaías não são bem-sucedidas, pois se trata, de fato, uma profecia. Aqui o profeta fala que O Messias, que é Rei, traria a paz e o fim da contenda causada pelo pecado e a injustiça. O versículo é este:

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.

Sobre o nascimento desse menino vemos que em Isaías 7:14 um dos nomes referidos dele seria EMANUEL, que não vamos tratar aqui, e como cumprimento da profecia o nascimento seria de uma virgem. Ligada ao menino também está a ideia da encarnação, de Deus tomando a forma de homem, que é uma das grandes doutrinas cristãs. O Messias tomaria a natureza humana para compartilhar com os que haveriam de crer nEle a Vida Eterna, que é a vida de Deus.

O governo estaria sobre os seus ombros significando que o Messias viria da linhagem de Davi como já havia sido prometido por Deus e que Ele exerceria o Seu reinado de forma legítima tendo a carga da autoridade sobre Si.

O Profeta afirma que Ele teria cinco nomes. Todos exaltando a Majestade e Deidade do Messias. Na verdade, devemos pensar nesses nomes como uma série de títulos reais que mostravam a Sua Sublimidade sobre todos.

O nome MARAVILHOSO geralmente significa sobrenatural. Na história bíblica há narrativas de muitas maravilhas como a libertação do povo de Israel do Egito. Foram tantos os sinais na saída do Egito e na travessia do deserto! Mas a profecia diz, que o menino não só faria maravilhas, Ele em si seria maravilhoso. O Fato de Deus ter tomado a forma e natureza humana, e isto foi o que aconteceu com Cristo, mostra o quanto Ele é maravilhoso. Tem maravilha maior do que está? Deus tomando a forma de homem! Se um homem para salvar as formigas se tornasse uma formiga isto não seria algo grande? Seria. Mas, Deus tomar a forma e natureza humana foi maior do que isto. Quando Jesus curou o paralítico de cafarnaum levado por quatro amigos e perdoou seus pecados, todos exclamaram: Jamais vimos coisas assim. Não existe algo mais maravilhoso que Jesus.

O nome CONSELHEIRO demonstra a sabedoria de Cristo, o Messias. Já aos doze anos Jesus discutia acerca de lei de Deus com desenvoltura com os doutores deixando-os boquiabertos. Paulo chama Cristo de sabedoria de Deus. Jesus durante seu ministério se distinguiu e muito dos escribas e fariseus. Muitos ficavam maravilhados com sua doutrina porque ensinava com autoridade. Uma certa ocasião ensinando na sinagoga foi interpelado por um homem endemoninhado e o libertou. Ele combinava doutrina com prática. Foi posto muitas vezes em situações difíceis e sempre tinha a resposta adequada e sábia. No seu ministério trouxe palavras de vida eterna como disse Pedro e ao voltar reinará com sabedoria perfeita.

O nome DEUS FORTE é mais do que afirmar que o menino tinha um poder Divino. É afirmar a deidade do Messias, que foi maior que qualquer expectativa dos judeus. Jesus realizou milagres estupendos e incomparáveis mesmo não se valendo da Plenitude da Divindade que tinha. Ressureições, cura de paralíticos e coxos, cegos, andou por sobre as águas, multiplicou pães e peixes, acalmou tempestades e muito mais. Depois de ter cumprindo o seu ministério e ter sido elevado aos céus mostrou-se ao apóstolo João, que estava preso numa ilha, a Plenitude da Sua Divindade agora glorificada. Afirmou ser para João o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim de todas as coisas, O Deus Todo-Poderoso. É glorificado que voltará para governar a terra por mil anos e depois seu Reino durará para sempre.

O nome PAI DA ETERNIDADE mostra claramente que o menino, o messias é Deus. João não apresenta uma narrativa do nascimento de Jesus e o coloca antes de todas as coisas apresentando-lhe como o Verbo. “No princípio era Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. Na narrativa de Gênesis podemos dizer que Jesus está descrito como a Palavra que Deus proferia. Nada de errado em chamar o Messias de Pai, apesar dEle ser o Filho, porque Ele, o Pai e o Espírito Santo são um. O próprio João em seu capítulo 1 também afirma: Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nada do que é seria sem Ele. Ao entendermos isto entenderemos que o sentido da vida é glorifica-lo. “Portanto dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele seja a glória perpetuamente! Amém.”

O nome PRINCÍPE DA PAZ continua a desenvolver a ideia de Majestade do menino, do Messias. Na verdade Jesus veio para que a contenda entre a criatura e o Criador fosse resolvida. O homem dominado pelo pecado está em rebelião contra Deus e até a natureza sente os efeitos de tal contenda.  É em Cristo que encontramos Paz com Deus como está escrito em Romanos 5:1. Nas bem-aventuranças é dito que os filhos de Deus são pacificadores porque aquele que crê no Príncipe da Paz torna-se um embaixador da Paz e da Reconciliação. Como novas criaturas deixamos de contender com Deus, nos tornamos proclamadores e rogamos da parte de Deus, que os outros também se reconciliem com Deus (II Co 5:17-20).

É de ressaltar que tal profecia não é citada no Novo testamento. Mas, é claramente cristológica e promessa messiânica. Ela mostra claramente a Deidade de Cristo e também a humanidade quando diz que um menino seria chamado assim. Portanto, a profecia aborda o estado de humilhação de Cristo quanto ao seu estado também de exaltação.

Percebemos com estas verdades a profundidade do natal. Não foi mais um nascimento. Mas, foi o nascimento, o Verbo se fazendo carne, Deus habitando entre nós, o Tabernáculo e o Templo de carne em osso. Aquilo que os judeus conheciam através dos símbolos proféticos viram face a face. No natal que vejamos como Jesus de fato é e expulsamos de vez o papai Noel que é um intruso, uma mentira, que ilude.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

RENOVO.

renovacao

Estamos vivendo numa época de constante agressão a natureza: poluição, desmatamentos e queimadas. O efeito el niño, estufa, são frutos dessa agressão. Desastres naturais constantes mostram que a natureza tem sentido a ação do homem em seu meio ambiente. Ocorrem também verdadeiras devastações espirituais nas vidas das pessoas. Elas ficaram como uma árvore que foi tombada ou cortada onde se restou apenas o toco. Os machados existenciais fizeram-nas tombar e ter reputação de vencidas. Sentem-se sem esperança e sem possibilidades de reverter a situação.

Segundo a profecia, Jesus é capaz de dar vida aquele que foi derrubado e fazê-lo frutificar. Ele é O Renovo, a raiz de Davi, que surgiu da árvore genealógica tombada de Jessé. Creia nEle de todo coração. Enquanto houver a vida física há possibilidade da fé reascender, e isto acontece. O poder de Deus ressuscita a vida através do renovo de Jessé – Jesus, de onde nascem raízes que se aprofundam e onde uma árvore frutífera e viçosa surge.

Talvez o pecado tenha te cortado e derrubado. Sua esperança se esvaiu. Você que vinha caminhando chei0 de projetos sentiu a lâmina afiada e tombou. O pecado atrai naquilo que nós desejamos. Se o nosso desejo aceita a isca, pecamos. Daí sentimos a lâmina transpassar a nossa alma e a nossa estrutura vem abaixo. Como sair dessa?

A zombaria e o desprezo dos homens colaboram para que continuemos na prostração. Os comentários e as constatações humanas atestam que não há saída para ti. No fundo os homens se veem em você e como não se reabilitaram da queda, dizem e zombam que você também não sairá dessa.

Não fique sobressaltado pelo tamanho da queda e nem nos seus ouvidos ecoem o barulho do machado. Creia na Palavra de Deus. Creia em Jesus, o Renovo. O assombramento paralisa e mina a esperança. A fé em Jesus é a solução para a devastação. Pois, a incredulidade cimenta a prostração e nos impede de levantar. Abra seus ouvidos e corações para a Palavra de Deus que tem poder de fazer a fé nascer onde a incredulidade endureceu.

A culpa é outro fator que nos faz continuar derrubado. Pois, ela traz peso e solidão. Quando cai a ficha do pecado cometido o homem se dá conta da sua incapacidade de solucionar a questão. A culpa vira uma espécie de assombração onde aparece sempre diante da pessoa mostrando a dura realidade do pecado cometido.

A incredulidade embaça a visão do perdão e restauração em Cristo. É muito mais fácil acreditar na restauração do outro, que conta o testemunho e parece ser fácil, mas você sente o peso do abatimento que domina seu emocional, colaborando para que a fé não prevaleça.

Como aconteceu na história do povo de Deus onde parecia não surgir mais esperança (a árvore tombada de Jessé) nasceu um ramo (Davi) do qual brotou um rebento (Jesus), assim há esperança para você que no momento só é um toco. Jesus que têm os setes Espíritos de Deus, ou seja, O Espírito Santo em plenitude, restaurará a sua vida. Creia. Confesse. Não peque mais. Levanta-te pelo poder de Jesus. Viva a vida de Jesus em você. Vida frutífera. Abençoada. Chega de ficar assombrado pelo tombo que tomastes. Chega de ficar lembrando do machado afiado. Maravilhe-se com a obra de Jesus Cristo na Cruz e na Sua Ressurreição, pois é esta obra, que restaura a sua vida e te faz frutificar.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

VERDADEIRO ABRIGO.

tempestade14

Na iminência de sofrer um grande desastre o povo de Israel confiava que os seus sábios, fortes e ricos sobreviveriam. Muitas vezes nos refugiamos em falsos refúgios. Criamos em nossas mentes alvos, que nos tornarão inexpugnáveis. Pensamos ser intocáveis. Verdadeiramente fortes. Mas, pequenos detalhes podem nos fazer sucumbir dessas fortalezas imaginárias, pois são imaginárias.

Jeremias, o profeta, chorava de dia e de noite, quando pensava no que estava por vir. Avisou claramente que a sabedoria, a força e a riqueza humanas são limitadas e não poderiam resistir ao que estava para acontecer. Nada que se baseia no homem é invencível. Nem os mais poderosos e dominados por sua arrogância podem resistir o juízo divino.

Salomão foi o homem mais sábio que existiu depois de Jesus, mas foi vencido pela luxúria. Ninguém foi mais forte do que Sansão, mas o seu caráter o fez ser derrotado. O homem rico da parábola do rico insensato juntou dinheiro, mas acabou não deixando herdeiros para receber o que acumulou. Aquele que confia em si mesmo ou no que conquistou não tem alicerce sólido, pois mais se pense que tenha. É um embriagado de si mesmo, que o deixa desnorteado sujeito a grandes quedas.

Não podemos depositar a nossa confiança em nossas capacidades, pois são limitadas. Mas sim, no Deus que conhecemos, que age com Misericórdia, Justiça e Juízo em toda terra. As Misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos. Todo o poder pertence a Deus e é Ele que pode dar o homem o fundamento necessário para o enfrentamento das demandas da vida.

Conforme o profeta profetizou a essencialidade de uma vida bem fundamentada é o conhecimento que se tem de Deus. Quem tem Deus como sustento realmente terá um sustento, pois Deus não é uma criação da mente humana, mas a Origem de todos e Senhor da história, que provou em Jesus, que se é possível vencer o mundo com suas dificuldades e calamidades. Na vida de Jesus vemos o exemplo do que parece ser derrota na verdade ser vitória.

Percebemos que a obediência a Deus fortalece a estrutura da vida para que se persevere diante das dificuldades. Nada acontece sem a permissão Divina, que é bom, justo e julga o homem na sua integralidade. Conhecer o caráter de Deus fará diferença em meio as tribulações que enfrentamos. A fé no Deus que Jesus revelou e que as Escrituras registraram faz com que conheçamos e prossigamos em conhecer mais o Senhor.

Portanto, não nos ufanaremos, nos gloriaremos nas nossas falíveis capacidades. O nosso Deus é o nosso sustento e a Ele pertence toda a Glória. A arrogância não nos protege, mas nos ilude. Quem confia no Senhor é que estará seguro. Seja qual for a circunstância, louvaremos ao Senhor por aquilo que Ele é e sempre será: Misericordioso e governa todo o Universo. A glória humana que a sabedoria, a força e a riqueza trazem são passageiras. Acabam. Os que fazem a Vontade de Deus são os que permanecem. Portanto, se existe algo que devemos confiar e nos sustentar é em Deus, que é Soberano.

O conhecimento que Deus dá e recebemos pela fé não são elucubrações da nossa mente, mas revelação de Deus. Portanto, são verdadeiras. Experimentáveis. Praticáveis mesmo numa vida cheia de sobressaltos. Viverá pacificado quem encontrou o verdadeiro abrigo da vida, onde as lutas são enfrentadas com esperança, tendo consciência que a Vontade de Deus sempre triunfará. Aleluia!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

LEVANTAI-VOS!

levantar

O profeta Isaías alerta às mulheres de Jerusalém com relação há um tempo que estava por chegar de provação, quando haveria grandes necessidades. Ocorreria o cerco do Exército de Senaqueribe a Jerusalém. Elas estavam despercebidas deste tempo, acomodadas, por isto a palavra foi: – Levantai-vos. A prostração e a acomodação podem ter várias causas: autossuficiência, desânimo, tristeza, mágoa, perda etc. Precisamos ouvir a Palavra de Deus: Levantai-vos.

A falta de percepção da visão de Deus sobre a nossa real situação pode nos fazer acomodar como foi o caso dessas mulheres. Um exame aguçado a nossa volta nos trará o senso de necessidade que nos cerca. Podemos até não perceber a nível pessoal, mas o mundo em que estamos inseridos tem necessidades prementes e situações por acontecer que devem nos tirar da acomodação. O Deus que nos manda levantar tem poder para tirar aquilo que nos deixa prostrados. Ele mandou aquelas mulheres ficarem de pé tirando-as da inércia em que estavam e não percebiam o perigo iminente.

Deus também disse para elas: Ouvi a minha voz. A fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. A instrução e o conhecimento são adquiridos se ouvirmos atentamente a Deus. É da natureza dos filhos de Deus reconhecerem a voz do Seu Senhor. Para que ouçamos a Palavra ela vem acompanhada do poder de Deus assim compreendemos o que é dito. Lutero disse que os ouvidos eram os únicos órgãos do cristão, pois em decorrência da audição e fé na Palavra de Deus vem o resto.

Ao ouvirmos o ouvido não pode ser de mercador. Entrar por um lado e sair pelo outro. A Palavra de Deus foi: inclinai os ouvidos. Em outras palavras: obedecei. Sem dúvida a obediência ao Deus que nos manda agir deve ser praticada. Nenhuma das ordens de Deus é despropositada. São bênçãos para nós. É o melhor caminho. Deus não é um ser tirânico que se embriaga com o próprio poder e não pensa nos seus súditos. Deus ama seus servos e suas ordens são bênçãos para nossas vidas. Ouvir e não praticar é autoengano como disse Tiago.

Outra atitude que as mulheres deveriam ter é a da semeadura. Deviam semear. O profeta fala da felicidade de se semear junto as águas e de ter pasto para os bois e jumentos. O tempo de bonança é tempo de semeadura. O tempo de escassez e provação também. Deus fala através do profeta que depois da assolação viria a restauração. O deserto se tornaria um bosque. Para tanto, Deus nos chama para sermos cooperadores através da semeadura. Por mais difícil que seja temos que crer que o nosso trabalho em Deus não é em vão e que a semeadura trará resultados eternos pelo Poder do Espírito Santo.

Agostinho tem uma frase: “A esperança tem duas filhas lindas: a indignação e a coragem. A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las”.

Reavive a tua esperança. Sair da acomodação é um imperativo. Os campos estão brancos para ceifa. Poucos são os obreiros dispostos e sem avareza. Você que está em repouso: levanta-te, ouça a voz do Senhor e inclina-se a voz obedecendo a Deus e semeie enquanto é dia. Assim serás bem-aventurado e verás o deserto ser reputado como bosque. O profeta afirma que depois da provação vivida pela cidade haveria um tempo de prosperidade. A conclamação Divina para sair do comodismo indica que Deus nos dá o privilégio de sermos cooperadores da Sua Obra para que as situações desoladoras sejam transformadas. Levantai-vos.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

SOCORRO !

Socorro4

Quem precisa de socorro é alguém que enfrenta uma situação urgente e perigosa. Em nossas cidades é mais comum do que desejamos gritos de socorro. Só deve pedir socorro alguém que enfrenta algo que está além da própria possibilidade de resolver. Quando se esgotou todos os recursos. Pedir socorro é algo sério e só deve ser feito em situações prementes.

Há quem brinque gritando socorro e quando acontecer de precisar podem não levar a sério como já aconteceu. Outros simulam para chamar a atenção, e o que na verdade há é uma carência afetiva por atenção.

O pedido de socorro pode vir de um coração em aflição. Onde a falta de paz e tranquilidade estão dominando. A alma encontra-se em verdadeira efervescência e se desespera. O coração cheio faz a boca jorrar o pedido de socorro.

O pedido de socorro pode ser de alguém que esgotou todas as possibilidades e que não ver alternativa a não ser buscar ajuda de alguém que possa ajudar fazendo o que ele não pode fazer.

O pedido de socorro pode ser por causa de um perigo iminente cuja situação precisa ser resolvida de imediato.

O pedido de socorro pode ser por outrem. Quando vemos alguém em perigo e não temos como resolver o problema sozinhos. Geralmente procuramos tomar medidas para resolver e uma delas é o podido de socorro.

O pedido de socorro não se dá só de forma audível. Pode também ser um grito mudo, gestual, no olhar, escrito, cantado e de muitas outras formas. O salmista do salmo 121 estava numa situação aflitiva e por isto se perguntava “…de onde vem o meu socorro?” Ele encarava o desafio de ser um peregrino, um viajante, e com a visualização dos montes percebeu o tamanho das demandas possíveis decorrentes daquela viagem e indagou-se sobre quem poderia socorre-lo.

Como imediato é o pedido de socorro, o salmista respondeu a sua pergunta de forma pronta e convicta de que a resposta viria. “O meu socorro vem do Senhor”. Para Ele não era uma possibilidade, mas uma certeza.

Se os grandes montes lhe trouxeram a pergunta, a resposta veio quando ele olhou acima dos montes e pensou no Criador dos céus, da terra, e dos montes. O Senhor que Ele cria é superior a qualquer problema que se agiganta diante dele. Os montes são grandes como grandes eram os problemas. Mas, o Senhor é O Soberano Criador e antes dos montes serem fundados já era Deus. Olhar acima dos problemas é fundamental. Colocar-se numa perspectiva diferenciada das demandas é necessário.

Viver é correr riscos. Estamos todos viajando. O Senhor Deus é Aquele que está com o Seu povo. É Socorro bem presente na hora da angústia. Ele tem domínio das circunstâncias e age sempre no momento certo.

Celebre. Cante. O seu socorro virá. Como Ele fará? Ele usará alguém? O que sei é O seu socorro virá do Senhor que fez os céus e a terra. Aleluia!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).