Arquivo da categoria: Antigo Testamento

A PUREZA DA PALAVRA DE DEUS.

palavra pura

Há uma preocupação crescente da sociedade com a pureza dos alimentos que são ingeridos e deve ser assim. Muitas das doenças têm origem em nossa má alimentação. Como acontece fisicamente conosco nós temos a necessidade de alimentar também o nosso espírito. Pensando assim, Pedro recomendou que os nascidos de novo recentemente se alimentassem do leite espiritual não falsificado (1 Pe 2:2). Ele estava se referindo a Palavra de Deus. Ela é um alimento puro vindo de Deus. É por meio dela que crescemos. Como um recém-nascido necessita do leite materno assim os crentes necessitam do alimento puro que é a Palavra de Deus.

Ela é pura porque não foi por vontade humana, mas pela inspiração divina, que foi escrita. Apesar de ter sido escrita por cerca de 40 homens, Deus, que é na verdade Seu autor. O próprio apóstolo Pedro afirmou que nenhuma profecia que foi escrita na Bíblia foi produzida por vontade de homem, mas sim pela vontade de Deus, que inspirou seus autores (2 Pe 1:21). Davi no salmo de número 12 versículo seis afirma que a Palavra é semelhante a prata que é refinada em fornalha de barro purificada sete vezes. O número sete indica plenitude. A Palavra do Senhor é perfeitamente pura. Suas palavras transcendem a sabedoria humana, pois é Divina. Como está escrito em Tiago 3:17: Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura…”. Para compreendê-la é preciso do discernimento dado pelo Espírito Santo. O homem natural não compreende as coisas espirituais, pois tem o entendimento cegado pelas trevas, somente os iluminados pelo Espírito. Se O Senhor não abrir os nossos olhos não entenderemos suas palavras.

Tal pureza é a resposta para o anseio do coração do homem pela pureza e integridade. Quem viver se guiando por ela andará em veredas retas e agradáveis a Deus. Quem foi lavado e remido pelo sangue de Jesus tem a Bíblia como guia para uma vida pura. Davi arrependido do seu pecado pediu a Deus um coração puro identificando que Deus ama a verdade no íntimo, e a verdade é a Palavra de Deus (Salmos 51). Não podemos nos apresentar diante de Deus sujos e maltrapilhos. Precisamos usar vestes limpas e adequadas que obtiveram sua purificação pelo sangue de Jesus e que trilham pelos caminhos puros da Palavra de Deus.

A justiça do homem é como o trapo da imundícia, mas aquele que foi justificado pela fé tem na Palavra de Deus caminhos justos e puros para andar. A Palavra de Deus é a verdade e por esta verdade o crente é santificado. Umas das figuras da Palavra de Deus é a água que sacia e limpa. É preciso passar pela lavagem purificadora da Palavra para ter uma vida sem mácula e sem mancha. Foi na oração sacerdotal que Jesus intercedeu que seus discípulos para que fossem santificados pela Palavra (Jo 17).

Jesus prometeu nunca abandonar aqueles que vem a Ele e prometeu que voltaria para buscar os seus. Quem tem esta esperança precisa da Palavra de Deus para se purificar num mundo dominado pelo pecado (1 Jo 3:2 e 3). O supremo alvo do cristianismo para os cristãos é que cada crente chegue à glorificação e veja Deus face a face. Tal alvo faz com que o crente ande por veredas preparadas pelo Senhor – justas e puras. Como está na Palavra: Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb 12:14).

Uma das maiores figuras na Bíblia acerca da Palavra é a da espada. Ela é arma de defesa e ataque. Num mundo cujo sistema é maligno e impuro precisamos desembainhar a espada e manuseá-la eficientemente como um obreiro aprovado que não tem que se envergonhar. O salmista perguntou: como purificará o jovem o seu caminho? A resposta que ele encontrou foi: Observando-o conforme a Tua Palavra (Sl 119:9).

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

QUEM É QUE ALCANÇA O PRAZER ESPIRITUAL? 

salmo 1

Creio que é para o crente em Jesus o prazer espiritual é uma descoberta. Fui criado no evangelho e aceitei Jesus aos sete anos de idade e me tornei afiado no manuseio da Bíblia. Mas confesso que só na maturidade entendi o que é ter prazer na lei do Senhor. Por isto afirmo que o prazer espiritual na meditação da Bíblia, na oração e jejum é uma descoberta que o crente faz. Muitas vezes os crentes praticam as disciplinas espirituais sem experimentarem a alegria do prazer espiritual. Praticam por obrigação, por costume, por causa das demandas ou por religiosidade. Tendo até experiências, mas sem o deslumbramento da prática. Sem descobrir as maravilhas da lei. Sem recreia-se na presença de Deus. Trataremos neste pequeno artigo baseando-nos no salmo capítulo um quem são as pessoas que encontram o prazer espiritual. 

A pessoa que encontra o prazer espiritual é aquela que não é influenciada pela impiedade dos homens. Segundo o salmista o bem-aventurado é aquele que não anda segundo o conselho dos ímpios. Sem dúvida, o frescor da vida espiritual não é compatível com uma vida influenciada pelo mau caminho. A intimidade com Deus é para aqueles que o temem. A Palavra de Deus tem tudo que o homem necessita para guiar a sua vida pelo caminho de Deus. Portanto, o homem que tem o prazer nela não aceitará a impiedade e os conselhos do mal. 

A pessoa que encontra o prazer espiritual é aquela que não peca de forma recorrente. Segundo o salmista o bem-aventurado é aquele que não se detêm no caminho dos pecadores. Acontece eventualmente de pecar, mas é algo ocasional. Ele não se detém, não se fixa na prática do pecado. Segundo o apóstolo João “sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o Maligno não lhe toca” (1 Jo 5:18). Portanto, quem tem o prazer espiritual é alguém que nasceu de novo, arrependeu-se dos seus pecados e tem segurança em Deus. 

Andando pelo salmo um percebemos que aquele que encontra prazer espiritual é aquele que não se alegra no escarnecimento. O escarnecedor é aquele que profana e zomba das coisas sagradas. Usa de linguagem chula para tratar o alvo do escárnio. Sem dúvida, se alguém senta na roda dos escarnecedores também não se sentará aos pés de Jesus para receber sua instrução. São incompatíveis tais posturas. Não se encontra na mesma fonte o amargo ou o doce. Quem tem prazer do Senhor bebe da fonte doce então não beberá também da fonte amarga. 

Pode até parecer que estou ensinando um estilo de vida espiritual ermitão. Ensinado que só aqueles que se isolam alcança o prazer pela Palavra. Mas, o salmo um fala que há uma congregação dos justos. Portanto, aquele que tem prazer espiritual na Palavra será uma pessoa que tem comunhão com os irmãos de fé. Será a pessoa que não abandona a congregação apesar de meditar na Palavra. Não é autêntica a vida com Deus se o próximo não estiver incluído. O salmista afirma que os maus não congregarão com os servos de Deus no céu. Os servos que congregam aqui também congregarão no ceú, mas os pecadores não arrependidos serão condenados.  

A vida de quem tem prazer na lei do Senhor não será descuidada. Ele sabe que Deus conhece o caminho dos justos e ele vive sobre esta perspectiva. O caminho dos ímpios é de condenação, mas o caminho dos justos é de temor, prosperidade e prazer espiritual. Eles sabem que a Palavra de Deus não é somente para o deleite espiritual, mas é a orientação de Deus para que eles possam caminhar no caminho que é Jesus e por isto ser aprovado por Deus. Quando o salmista fala que Deus conhece o caminho dos justos está como que dizendo que Deus aprova o caminho que eles seguem porque a Palavra de Deus é a bússola que o orienta no caminho que é Jesus. 

Portanto, chegamos à conclusão que o prazer espiritual que a pessoa sente na Palavra de Deus não é um emocionalíssimo barato e passageiro, mas é algo em consonância a vontade de Deus. As emoções desta pessoa estão submissas a vontade boa, perfeita e agradável de Deus. Por isto, devemos cultivar cada vez mais a nossa comunhão com Deus para que nossas vidas se deleitem em Suas Palavras e Vontade todos os dias e assim seremos bem-aventurados. Deus quer que tenhamos vida em abundância e ela necessariamente passa pelo prazer espiritual. A alma que descobriu o prazer da presença de Deus anseia por mais de Deus todos os dias. 

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

JESUS E O SUMO SACERDOTE.

 

sumo sacerdote

O tema de Hebreus é: Jesus é melhor. Melhor do que Moisés, Josué, Arão, anjos etc. Quero analisar aqui que Jesus é superior ao sumo-sacerdote. A função essencial do sacerdote era a de mediador entre Deus e o homem e exercia três funções básicas: Primeiro, ministrar no santuário diante de Deus. Em segundo, ensinar a lei. Terceiro, tomar conhecimento e revelar a vontade divina.

O sumo-sacerdote no antigo testamento ocupava um lugar de destaque entre os sacerdotes, pois era o único que anualmente, poderia entrar no lugar santíssimo do tabernáculo ou do templo, para oferecer sacrifício pelo pecado do povo e pelos próprios pecados.

Vejamos algumas diferenças entre Jesus e o sumo-sacerdote do Antigo Testamento:

  1. O valor do sacrifício dos sumo-sacerdotes era temporário e sempre era repetido anualmente (Hb 9:7) no dia da expiação (Yom Kippur). Os sacrifícios oficiais feitos pelos sacerdotes prescritos pela lei chegam a ser mais de mil sacrifícios por ano. Já o Cristo se sacrificou uma vez conseguindo uma eterna redenção (Hb 9:12 e 25). O sacrifício de Jesus é suficiente. Não havendo necessidade de Jesus morrer novamente. Aquele que crê nEle recebe a salvação que não tem necessidade de ser completada porque já está consumada em Cristo.
  2. O sacerdote entrava num Templo feito pelas mãos dos homens (Hb 9:11), mas o tabernáculo de Cristo não era dessa criação. Depois de Cristo o povo de Deus ganhou o entendimento que Deus não está confinado ao Templo, mas é maior do que ele. Portanto, é possível se viver em Cristo na presença de Deus em qualquer lugar.
  3. O sacerdote oferecia sangue alheio de um animal irracional e (Hb 9:12-14 e 25). Cristo ofereceu seu próprio sangue. Os animais não se doavam para o sacrifício, mas eram sacrificados compulsoriamente. Mas, Jesus se entregou. Ele poderia ter descido da cruz, mas lá permaneceu porque era a vontade de Deus que assim ele morresse para toda humanidade.
  4. O sacerdote tinha que oferecer sacrifício pelos seus próprios pecados (Hb 9:7 e 5:1-3). Cristo foi tentado em tudo, mas não pecou (Hb 4:15). Nenhum homem até Cristo e nem depois dele conseguiu cumprir toda lei. Jesus conseguiu. Não houve pecado em Jesus. Ele teve toda condição de religar os homens a Deus, por ter tomado a natureza humana sendo Deus e por ter obedecido a Deus até a morte de cruz sem pecado algum.

Hoje não temos mais necessidade de sumo-sacerdotes, porque pela fé em Jesus obtemos o perdão dos nossos pecados. Cristo é superior e mediador de uma nova aliança. Havia três personagens no ato do sacrifício: o animal, o sacerdote e o homem. Hoje passou a ser dois Jesus Cristo (sacerdote e animal) e o homem. Havia um véu no templo que separava o santuário do santíssimo lugar onde o sumo-sacerdote entrava na ocasião apropriada. Quando Cristo morreu esse véu foi rasgado de alto a baixo (Mt 27:51).

Jesus é o caminho para se achegar a Deus. Hoje podemos adorar a Deus além do véu porque Jesus abriu este caminho. A perfeição da mediação de Cristo (1 Tm 2:5) nos purifica a consciência (Hb 9;14) e assim podemos prestar verdadeira adoração sem intermediários e sem rituais. O sumo sacerdócio, o tabernáculo e outras características da Antiga Aliança apontam para o advento de Cristo que abriu o acesso a Deus por intermédio dEle. Percebemos as vezes os homens confiarem em suas estratégias para provocarem a manifestação de Deus nos cultos e cerimônias etc. Tudo isto é arrogância. Se não for por intermédio da mediação de Cristo mediante a fé não chegaremos a presença de Deus. Ele e o único caminho.

( O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

VENDO A FACE DE DEUS NO IRMÃO.

jaco e esau

Jacó estava temeroso de se reencontrar com Esaú, seu irmão, depois de vinte anos, tanto que faz planos especiais para o reencontro com ele. Quando ele saiu de casa, anos atrás, seu irmão pretendia mata-lo porque ele seguiu o conselho de sua mãe Rebeca e recebeu a benção de seu pai que deveria ser dado a Esaú, mas através do engano Jacó tomou a benção do irmão. Esaú já havia numa ocasião antes trocado o direito da primogenitura com Jacó por um prato de lentilhas, mas tinha esperança de receber a benção da primazia pelo pai, mas Jacó foi astuto e enganou seu pai Isaque recebendo a benção de Esaú.

Numa tentativa de aplacar a possível ira do irmão, que vinha ao seu encontro juntamente com 400 homens, e se proteger, ele divide sua família e toda caravana que ia com ele em grupos, pensando que, se um grupo fosse atacado, o outro poderia escapar. Também separou muitos animais para dar de presentes a Esaú e enviou em grupos para ele.

Depois de atravessar sua família e seus bens pelo vau de Jaboque ele fica só e um homem da parte de Deus, que é o próprio Senhor, trava uma luta corporal com ele mudando sua vida e seu nome. Depois deste encontro, ele não foi chamado mais de Jacó, o suplantador, mas Israel, aquele que luta com Deus. Jacó chamou aquele lugar de Peniel, que quer dizer face a face com Deus. Ele disse: Eu vi Deus face a face, mas ainda fiquei vivo.

Muitos quando pensam no encontro de Jacó com O Senhor ressaltam apenas este momento divisor na vida dele onde viu Deus face a face. Mas, me inspirou o fato de que no reencontro com Esaú seu irmão lhe trata bem como um querido e Jacó exclama que ver o rosto de Esaú é como ver o rosto de Deus. Jacó sabia o que era ver Deus. Ele tinha tido a experiência. Ele não usou de lisonja quando falou isto com Esaú. Ele foi verdadeiro. Portanto, ele viu o agir de Deus naquela reconciliação com o irmão. A vida com Deus não tem apenas o sentido vertical, ou seja, com Ele, mas inclui o próximo, que é o aspecto horizontal da vida com Deus. O homem que havia visto Deus face a face estava dizendo que ver o rosto do seu irmão era como ver o rosto de Deus. Tal fato lembra o apóstolo João que afirmou: Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? (1 João 4:20).

Quantos dizem servir a Deus, mas seus relacionamentos interpessoais estão dominados pela mágoa, rancor, vingança, amargura e outros sentimentos nocivos.  Muitos que já tiveram o encontro com Deus precisam reconciliar-se com o irmão e assim ver a face de Deus também no irmão. Jesus ao responder sobre o questionamento sobre qual seria o maior dos mandamentos resume toda a lei em dois mandamentos. Veja Mateus 22:34-40: E os fariseus, ouvindo que ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar. E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo: Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas. Ele ensinando aos discípulos disse que deixava um novo mandamento que esclarece que o amor ao próximo deveria ter como base o amor que Ele nos amou em João 13:34: Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Ele continuando a falar disse que se amassem seriam reconhecidos por causa do amor. “Nisto conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13:35).

Quando Jacó afirmou que ver a face de Esaú era como ver a face de Deus não estava se referindo ao caráter piedoso de Esaú, ou sua santificação, mas o que ele via era o significado daquele encontro depois de 20 anos onde os irmãos se abraçaram e tiveram um momento de reconciliação. Nós que fomos reconciliados com Deus por meio de Cristo temos também a mensagem da reconciliação por meio de Cristo (2 Co 5: 17 – 20). Portanto, não devemos ter os relacionamentos interpessoais em frangalhos, destroçados. Deus é visto em nós quando nos reconciliamos com aqueles que nos magoaram e nos ofenderam. O amor é a principal marca identificadora do crente. Jesus no sermão do monte ensina que se algum irmão tiver algo contra nós antes de entregar a oferta no altar deveríamos ir até para que houvesse reconciliação (Mateus 5:23-26). A reconciliação com Deus é a base para que busquemos o concerto com o irmão também.

A experiência de Jacó com o reencontro com Esaú também nos ensina que o relacionamento com Deus não é somente de grandes encontros, de grandes lutas, como foi em Peniel, mas também vemos Deus no reencontro com o próximo. Jesus falando sobre o juízo final disse que os seus escolhidos em vida deram de comer a Ele, deram de beber, o visitaram e vestiram-no. Falando mais, Jesus disse que os escolhidos perguntarão: quando fizemos estas coisas a Ti Jesus? E Jesus respondeu: “Eu afirmo a você que é verdade, quando vocês fizeram isso ao mais humilde dos meus irmãos, foi a mim que fizeram” (Mateus 25:31-46). Creio que você quer ver a face de Deus então ame a seu irmão, perdoe seu irmão e ajude ele em sua necessidade porque ao fazermos isto com os pequeninos estaremos fazendo ao próprio Cristo.

Creio que seja oportuno em falarmos sobre este assunto porque estamos acostumados a ouvir sempre sobre as experiências com Deus, que são imprescindíveis, inesquecíveis, mas esta experiência de Jacó abre o nosso entendimento de que se queremos uma vida abundante em todas as áreas o próximo precisa ser incluído. Não podemos ser daqueles que dizem: eu quero Deus e o próximo é que exploda, não é assim. Se amarmos o irmão, se nos reconciliarmos com os desafetos teremos a experiência de ver a face de Deus no irmão.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

VIDA PALATÁVEL.

vida palatável

O primeiro cântico da Bíblia está em Êxodo 15 composto por Moisés. Foi fruto da estupenda vitória de Israel sobre o Exército de Faraó que sucumbiu no mar. Moisés cantou com o povo. Miriã, irmã de Moisés, responde-lhes cantando e tomando o tamboril juntamente com um coro de mulheres que saíram atrás dela com danças e repetiam o versículo 21 b como um refrão. Talvez, em vários intervalos durante o cântico. Foi um momento jubiloso.

Depois o povo fez uma caminhada de três dias no deserto e não achou água. Após aquela grande vitória houve um momento de debilidade. Eles ficaram sedentos. Não é uma regra, mas muitas vezes depois de vitórias estupendas sobrevêm sobre os servos de Deus períodos de crise. Aconteceu com Elias, que depois da vitória sobre os profetas de Baal, que deixou claro para o povo que o Deus de Israel era o único Deus, fugiu da rainha Jezabel que o perseguiu. Elias havia sido usado por Deus tanto que o fogo desceu do céu e consumiu o holocausto, mas perseguido por Jezabel teve receio, depressão e pediu a morte a Deus. O próprio Cristo depois de um momento do seu batismo em que Espírito Santo apareceu em forma de pomba, Deus Pai disse que Ele era seu Filho amado em que tinha prazer foi levado pelo mesmo Espírito ao deserto onde foi tentado pelo diabo. Os momentos de debilidades ocorrem em nós, muitas vezes, para dependermos de Deus, somos provados para amadurecermos e para que as vitórias não nos elevem a ponto de ficarmos embriagados por um triunfalismo que leva a confiar em si mesmo e não em Deus. O apóstolo Paulo afirmou bem que: todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que são chamados por seu decreto. Portanto, quando depois das vitórias atravessares crises, confie em Deus!

Voltando a narrativa de Êxodo 15 depois dos israelitas não acharem água chegaram a um lugar chamado Mara, mas não puderam beber as águas de lá porque eram amargas. Então o povo murmurou. Na crise vamos murmurar? Ou confiar? Eles tiveram uma frustração. As águas que encontraram eram amargas e não era potável. Os especialistas dizem que as maiores frustrações para o homem acontecem em torno da não realização dos seus objetivos, planejamentos e sonhos. Para as mulheres as maiores frustrações estão relacionadas aos relacionamentos não resolvidos onde as expectativas delas não são realizadas. Diante da frustração vamos murmurar? Ou confiar? A falta de reflexão sobre o modo que Deus atuou em nosso passado, atua no presente e atuará no futuro geram as murmurações. Eles tinham saído de uma grande vitória, mas agora estavam murmurando diante da crise e da frustração. Moisés teve uma atitude diferente. Ele clamou ao Senhor. A oração é o caminho de enfrentamento das crises e frustrações. Paulo aos Filipenses orientou: Não estejais inquietos por coisa alguma (do tipo por crises ou frustrações), antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ações de graças (o negrito é do autor) (Fp 4:6). Foi através da oração que Moisés teve a orientação para resolver o problema das águas amargas.

O Senhor mostrou a Moisés uma árvore e orientou-lhe lançar sobre as águas. As árvores são de madeira e madeira lembra o madeiro da cruz. Esta árvore representa a cruz de Cristo onde Ele levou toda a maldição da lei. Crer no sacrifício de Jesus nos traz a vida de Deus que é palatável e abundante diferentemente da vida que o mundo oferece que promete muito, mas na verdade seu fim sem Cristo é amargo. Paulo foi um homem antes de Cristo muito zeloso com relação ao judaísmo, mas ao crer em Jesus e no seu sacrifício escreveu aos Gálatas afirmando: Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim (Gálatas 2:20).. Para ele, e para os que creem, crer em Jesus é identificar-se com o sacrifício de Jesus na cruz. Ao escrever aos Coríntios Paulo afirmou que a mensagem da cruz era a mais importante de todas: E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado (1 Coríntios 2:1e 2). Ao cremos na mensagem da cruz seremos curados da amargura da condenação como aquelas águas de Mara foram curadas e se tornaram potáveis.

Deus neste lugar provou Seu povo, deu seus estatutos e exortou-os a obedecerem a seus mandamentos alertando que se obedecessem não seriam atingidos por nenhum das enfermidades que os egípcios sofreram. Mostrando-nos que o caminho da obediência é um caminho saudável. As ordens de Deus são expressões do Seu caráter. Seus mandamentos são puros e bons. A Sua vontade é boa, perfeita e agradável. Portanto obedecer a vontade de Deus é bom. Vivemos na Nova aliança temos O Espírito Santo habitando em nós, andamos em Espírito não atendendo as concupiscências da carne, colocamos a fé em ação e praticamos o amor obedecendo a Deus.  A vida abundante de Cristo que temos é guiada pelo Supremo Pastor Jesus que nos dirige em todos os momentos o que inclui os momentos de retumbantes vitórias e os momentos de crises e frustações.

Depois de atravessarem a crise das águas amargas e provarem as águas saradas o povo caminhou até Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras e ali acamparam. Percebemos assim a lição de que a tribulação, a provação dura um só momento. Não temos que eternizar os momentos de dificuldades. Como a Palavra promete: “…tenho por certo que as aflições do presente não são para comparar com a Glória que em nós há de ser revelada” (Rm 8:18). O que é eterno na vida do crente é a vida que Ele recebeu de Deus e não as frustações e dificuldades. Com Jesus o amargor não prevalece, pois, uma dia cremos na loucura da mensagem da cruz, que para os que creem é salvação e para os que não creem perdição. A vida sem fé em Jesus a amargura prevalece. Já com Cristo a vida é palatável.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A IMPORTÂNCIA DO PROPÓSITO.

proposito de vida blog

É preciso durante a existência encontrar-se com o Criador. Deus sempre buscou se comunicar com o homem de muitas formas para que este não ficasse perdido para sempre por causa da escolha errada que fez pelo pecado. Quando pecou o homem errou o alvo passando a viver na desorientação e condenação. Mas, Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu filho para redimir as pessoas, que ao crerem nEle, reconciliam-se com Ele através de Jesus. Não há outro mediador que poderia ou possa fazê-lo. Ao crer em Jesus o homem se reencontra com Deus, desfruta da Paz com Deus e as demais coisas são conduzidas segundo o Espírito Santo pela Palavra de Deus na vida de quem crê.

Como parte de uma vida de paz é importante ao homem saber que o reencontro com Deus é o reencontro do homem com o propósito da existência – Glória de Deus. Conhecer tal propósito é essencial para que o homem tenha o discernimento e a perspectiva necessária para viver na vida abundante que Cristo outorgou aos que creram. Encontrar o propósito é ter a resposta a uma das grandes perguntas da vida – por que existo? A resposta não está no próprio homem ou em alguma elaboração sua, mas no próprio Deus e em Seu Filho, que revelou em Sua Palavra.

A Glória de Deus no Antigo Testamento significa uma manifestação da presença de Deus. A Glória de Deus enchia o Tabernáculo e o Templo que os hebreus edificaram para O Senhor. Quando afirmamos que o propósito é a Glória de Deus afirmamos que quando Deus é identificado em nossa vida pelo nosso exemplo isto glorifica a Deus. Portanto, o propósito da Glória de Deus está ligado a ideia da presença de Deus se manifestando em nós.

Ao saber o propósito a vida não fica com uma grande interrogação e alcança a resposta. Quando se tem dúvida torna-se inconstante e sujeito a ser levado por ventos estranhos, pois não sabe para onde ir. Como alguém já disse: quem não sabe para onde vai qualquer lugar serve. Mas, não é assim com quem encontrou o propósito da existência. Vive a vida com integralidade como alguém que discerniu a sua razão de ser.

Ganha significado quando se encontra a razão, ganha um senso de missão. A pessoa se sente encaixada num propósito maior que transcende a vida física, pois sabe que o propósito tem haver com um objetivo que Deus traçou antes de todas as coisas existirem, desde a eternidade. Ele não se sente mais uma pessoa no mundo, mas entende que é alguém com propósitos. Entende que sua vida não é um acidente e nem se sente como um peixe fora d’água.

O propósito faz nós exercemos melhor a nossa mordomia cristã. A mordomia cristã afirma que Deus é dono de tudo e nós seus mordomos, ou seja, administradores. Isto é ao mesmo tempo responsabilidade e privilégio para nós. Deus nos fará duas perguntas fundamentais: a primeira é: O que você fez com o meu filho, Jesus Cristo? E a segunda o que você fez com que lhe dei? Se exercermos a mordomia cristã dentro do propósito Divino responderemos a segunda pergunta afirmando que multiplicamos os dons que Ele nos deu buscando a Glória dEle.

Saber o propósito significa ter meta e ter um modelo – Jesus. A meta é ser semelhante a Ele cuja obra Espírito Santo realiza. A referência é o próprio Jesus. A questão da Glória de Deus estará sempre envolvida porque o objetivo é buscado de Glória em Glória e será alcançado na Glória dos céus. Teremos entendimento que a vida não é vã e não seremos uma maria vai com as outras porque sempre buscamos seu propósito.

Evita desperdícios e ganha-se foco quando se sabe o propósito. Não se fica dando tiro para todos os lugares. Não se fica zanzando em busca de sentido. O tempo é melhor administrado. O homem foi criado para Louvor e Glória de Deus. Quando se sabe o porquê e se busca este objetivo a qualidade de vida aumenta.

A pessoa passa ter um aferidor da existência, que é Jesus. A pessoa ganha consciência se está ou não fora da vontade de Deus. Temos o exemplo das pessoas que completaram a carreira cumprindo o propósito. Ao estar ou não cumprindo o propósito em Cristo ficará mais claro como anda a sintonia com Deus ou não. A pessoa se sente alguém achado. Sente-se em Paz com o Criador, Quantas vidas estão desafinadas e assim se sentem pois não buscam viver a vida conforme Deus em Jesus! O objetivo dEle é que as pessoas tenham comunhão com Ele e glorifiquem Seu Nome o que traz resposta a nossa necessidade de pertencimento.

O entendimento acerca da vitória, completude e realização são decorrentes também de se saber e realizar o propósito.  É quando a pessoa sabe que está no caminho certo e o busca. É quando se sabe qual é o tesouro maior da vida e se tem consciência que o achou assim a pessoa desfrutará da Plenitude que Deus planejou.

Quem crê em Jesus acha o Reino de Deus e reconhece que ele vale mais do que tudo na vida. A Glória de Deus não é apenas o objetivo é a maneira de viver buscando o objetivo. Portanto, a pessoa enfrentará a vida com suas dificuldades olhando além para o alvo e crendo que o propósito se realizará e que a recompensa eterna não lhe será tirada. Pois, ter este propósito é maior do que o propósito de deixar uma herança ou legado. Sabemos que o tudo não é aqui e que no céu receberemos a recompensa.

Um dos segredos da vida cristã é tirar a visão e a orientação de si mesmo e focar, avistar o Autor e Consumador da fé – Jesus. Ao buscar alcançar de todo o coração a consumação do propósito de Deus, que é transformar o crente na semelhança de Jesus, ou seja, a Glória de Deus, o crente mostrará que as respostas acerca do sentido da vida sempre tiveram em Jesus, e não em nós mesmos. Vivendo assim, priorizando as coisas eternas mais do que as terrenas, que perecem, sendo as eternas imperecíveis e caminhando para o alvo que o próprio Deus estabeleceu, que é Jesus, em quem se reencontra Deus com Sua Glória.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A DIFERENÇA QUE A FÉ FAZ.

moises

Todos nós estamos envolvidos com outras pessoas, incluídos numa família, num grupo ou em uma comunidade. Porém, somos pessoas diferentes, ímpares, que de alguma forma evidenciará suas características particulares. Dentre as virtudes que fazem diferença a fé se destaca. A presença dela ou sua ausência é realmente perceptível. Uma vida de fé em Jesus será um referencial para os demais que são regidos pelo que se vê, mas aquele que crê caminha vendo o que os olhos não podem ver de forma segura e direcionada por causa do Seu alvo – Jesus e adentra nas maravilhas espirituais contidas nEle.

O capítulo 11 de Hebreus destaca vários homens que creram por isto fizeram diferença em suas gerações cujas histórias são contadas até os dias de hoje e exemplos para nós. Dentre as pessoas citadas está Moisés cuja importância para a história da fé é vital. O autor enfatiza que Moisés teve uma vida de fé e que seus pais que lhe antecederam mostraram também ter e por isto ele foi um poderoso instrumento nas mãos de Deus de uma revolução na história da humanidade. Um povo escravizado foi liberto e Deus lhes outorgou uma lei que se tornou o maior referencial ético comportamental da história. Tudo isto aconteceu com Moisés porque ele creu no Eu sou o que Sou.

A fé na vida de Moisés foi um diferencial nas suas escolhas. Ele recusou ser chamado filho da filha de faraó e desfrutar dos prazeres do Império Egípcio para escolher ser maltratado com o povo de Deus. Ele escolheu as coisas eternas e não temporárias. Certamente se optasse pelo seu status de filho da filha de Faraó teria muito prestígio. O mundo tem um certo prazer a oferecer, mas como Moisés devemos preferir os valores eternos e não os temporais. A fé enxerga além da nossa visão terrena. Moisés tinha visto a Glória do Egito, mas preferiu se unir aos escravos. Quantos não fazem a opção contrária e escolhem os que os olhos podem ver, as mãos podem tocar, os sentidos podem perceber, mas Moisés mesmo sabendo do sofrimento optou pelo Povo de Deus do qual ele fazia parte e também atender o chamando de Deus para uma grande obra. Muitos hoje em dia preferem viver o momento, dar vazão ao sentimento e não optam pelo desconforto de renunciar em favor de algo mais duradouro, permanente. Moisés pela fé fez o caminho contrário e nós devemos fazer também. A fé faz diferença nos tipos de escolhas que fazemos.

Ainda pensando no exemplo de Moisés percebemos que a fé faz uma diferença em nossas escalas de valores. Consideramos as coisas espirituais mais importantes porque temos fé. Moisés preferiu a vergonha e a humilhação que Cristo passaria do que os tesouros do Egito, porque olhava para o galardão. Esaú trocou a primogenitura por um prato de lentilhas, mas Moisés preferiu as humilhações por ser servo de Deus porque ansiava as recompensas celestiais que lhe seriam dadas. Aquilo que nós preferimos revela muito do que somos. Vemos que Moisés era uma pessoa de fé porque a sua preferência estava em algo que ele tinha convicção que receberia, ele preferiu aquilo que seus olhos espirituais enxergavam do que todas as riquezas do Egito que ele conheceu e viu com seus olhos carnais. Jesus sofreu a humilhação da cruz e do martírio, foi considerado pelos homens maldito. A preferência de Moisés foi ficar com a profecia que havia recebido sobre o sofrimento de Cristo identificando-se com seus vitupérios do que as riquezas que poderia possuir sendo filho da filha de Faraó. Na vida também renunciamos muitas coisas porque pela fé preferimos os valores espirituais advindos de Deus porque temos a convicção que receberemos a recompensa, que é o galardão, das mãos de Deus.

A fé faz diferença também no modo como enfrentamos a oposição, a ameaça e o medo por fazermos a Obra de Deus. Moisés confrontou o maior império do seu tempo com todo o seu poderio militar porque olhava para o invisível, para O Deus que ele servia, e não foi vencido pelo medo. A fé fez ele resistir, não temer, avançar para a conquista do objetivo de Deus. O mundo cujo sistema pecaminoso é dominado por satanás persegue, ameaça aqueles que servem a Jesus, mas não o viram, porém creem. Olhando para Jesus precisamos resistir as ameaças e a oposições em diversos níveis que o mundo nos faz com a convicção que O Deus que não vemos com os olhos carnais está conosco, que Ele é o nosso refúgio. A firmeza da fé de Moisés fez ele olhar o Deus invisível e ter resistência não temendo a o ódio de Faraó que desejava manter o povo escravo de todas as formas que lhe fosse possível. Nas duras provas da vida a fé faz uma diferença essencial. Quem crê no Senhor é revestido de força e ânimo para enfrentar as dificuldades.

Ainda pensando na diferença que a fé fez na vida de Moisés percebemos que a fé fez diferença na vida de obediência a Deus por parte dele. Depois de nove pragas enviadas ao Egito Deus anuncia a décima praga a Moisés que seria a pior e última praga. Nenhuma família egípcia iria escapar. Haveria a morte do todos os primogênitos. Deus orientou a Moisés a conduzir ao povo de Deus celebrar pela primeira vez a Páscoa, uma das festas mais importante para os judeus, que comemoraria a libertação do povo de Israel do Egito e livraria o povo Deus da morte dos primogênitos. A celebração envolvia a refeição de um cordeiro e aspersão do seu sangue nos umbrais das portas. Moisés obedeceu e orientou o povo a celebração conforme Deus lhe orientara. Quem tem fé vence o mundo. Quem tem fé obedece. A morte dos primogênitos foi uma grande praga, mas o povo de Deus não perdeu nenhum dos primogênitos porque obedeceu celebrando a Páscoa. Para nós cristãos, a Páscoa aponta para a obra redentora de Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado no mundo, quando celebramos a ceia do Senhor estamos comemorando a vitória de Cristo sobre a morte e a vida eterna de comunhão que temos com Deus. Celebremos a ceia também pela fé que temos na obra de Cristo e obedeçamos a sua observância por ser uma ordenança de Cristo.

Diante do exemplo da fé de Moisés podemos ressaltar como a fé em Deus faz diferença. Jesus afirmou que Seu povo é o sal da terra e luz do mundo. As duas metáforas mostram o poder outorgado por Deus ao Seu povo para influenciar e combater as trevas. O povo de Deus dentre suas características é um povo de fé. Portanto, diante de tudo que temos afirmado nos apeguemos e meditemos na Palavra de Deus pois a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. Quanto mais a Palavra tiver acesso as nossas vidas mais fé teremos e faremos assim mais diferença. As nossas escolhas, escalas de valores, resistência e obediência serão influenciadas pela fé fazendo diferença no mundo insosso e em trevas. “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé (1 João 5:14)

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).