Arquivo da categoria: Ilustração

O QUE É RESILIÊNCIA?

resiliencia

TEXTO: Romanos 12: 12: “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração”.

Resiliência é uma palavra que vem do latim resilio, que significa “voltar ao normal”. O conceito foi criado em 1807, pelo cientista inglês Thomas Young, que fazia estudos sobre a elasticidade dos materiais. O termo resiliência surgiu da Física e refere-se à capacidade que certos materiais têm de acumular energia quando submetidos a um esforço e, cessado o esforço, retornar ao seu estado natural sem sofrer deformações permanentes.

Exemplo: O que acontece com uma vara no salto em altura: quando o atleta toma impulso para saltar, a vara se curva, acumula energia, projeta o atleta sobre o obstáculo e depois retorna ao seu estado normal.

– Neste sentido, para os especialistas em comportamento humano, este termo se aplica ou se molda às pessoas que possuem um alto grau de capacidade para retornar ou dar a volta por cima às situações anteriores (ou originais), quando são vítimas de grandes investidas ou adversidades. Ser resiliente é ter a capacidade de recomeçar ou começar tudo de novo, depois de sofrer algum dano na vida, seja ele material, físico, ou espiritual. É também a força para recomeçar do Zero e fazer do limão da vida uma bela limonada.

ILUSTRAÇÃO: existem vários exemplos de pessoas resilientes na história, poderíamos citar Mandela, o iatista Lars Grael e tantos outros que deram a volta por cima. Dom Helder Câmara afirmava que “há pessoas como a cana. Mesmo postas na moenda, esmagadas de todo, reduzidas a bagaço, só sabem dar doçura”. Resiliência é uma graça de que todos nós precisamos e que está à nossa disposição.

– Não há como negar esta verdade, pois a provação ou a tentação é, incondicionalmente, fator inerente ao Cristianismo, porque todos estão sujeitos às intempéries da vida. Quem nunca foi nocauteado, ou passou por um sério problema, como, por exemplo: uma doença repentina, a perda do emprego, a falência de um negócio, a morte de alguém muito próximo, um golpe na vida espiritual, o trauma de um sequestro ou de um acidente, o rompimento do casamento que durava anos, de uma amizade muito forte, ou, ainda, a reprovação no vestibular ou em algum teste?

– Verdade é que a vida nos proporciona muitas surpresas, e nem todas agradáveis. Portanto, ser resiliente constitui-se num desafio constante para qualquer pessoa, seja ela cristã ou não-cristã.

Voltando ao texto: O apóstolo Paulo, aos Romanos, nos ajudam a sermos pessoas resilientes, pessoas que tem Jesus Cristo como o maior exemplo de perseverança, firmeza e fé. Romanos 12: 12: “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração”.

– Alegria na esperança (Não é ilusão, mas é vislumbrar, pela fé, o nascimento de um novo dia) A esperança é o ingrediente número um que possibilita à pessoa nocauteada por algum acontecimento traiçoeiro respirar a condição de voltar ao seu estado normal de vida: ¨Alegrai-vos na esperança¨.

Alegrar-se na esperança é ter a certeza de que a luta e o fracasso não são o fim, mas o começo de uma nova etapa.

Uma pessoa RESILIENTE, pela força dos olhos da esperança, afirma, PELA FÉ, que dias melhores virão e que o sinal verde vai aparecer no fim do túnel. Com Jesus, não há dúvidas de que somos mais do que vencedores (resilientes), porque o justo, ainda morrendo, tem esperança, Pv 14: 32 e Rm 8: 37.

– Paciência na tribulação: Paciência é um dos segredos para vencer qualquer obstáculo. No entanto, a síndrome da pressa, que é o mal do século, tem roubado do ser humano esta bênção. Quando o apóstolo diz que precisamos ser pacientes na tribulação, pode-se dizer que a capacidade de alguém dar a volta por cima a uma situação constrangedora vai exigir da pessoa uma personalidade firme e paciente.

– O apóstolo Tiago, ao exortar sobre a paciência, usa a figura do lavrador para ilustrar a importância desta virtude: ¨Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba as primeiras e últimas chuvas¨, 5: 7. Apesar de tudo que ocorreu em sua vida e família, Jó conseguiu voltar ao primeiro estado ou à normalidade do dia-a-dia, porque foi paciente na tribulação: ¨Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu…¨, Tg. 5: 11.

– O Salmo 40 nos diz: Esperei com paciência pelo Senhor, e Ele inclinou para mim e me socorreu, quando clamei por socorro.

-. Perseverança na Oração: Perseverar é não desistir. Perseverar é uma grande virtude! De acordo com o dicionário português perseverança é: insistir numa carreira, num trabalho, numa empresa; ser estável; permanecer. Jesus disse a Jairo: Não desista, continue crendo…

– Paulo fala em perseverança na oração, relacionar-se com Deus no dia-a-dia. Não há como sobreviver no mundo espiritual sem a prática do princípio da oração. Na parábola do juiz iníquo, descrita em Lucas 18: 1-11, Jesus deixou bem claro que é preciso orar sempre (perseverar) sem nunca esmorecer, v. 1. Uma pessoa movida pela fé e oração é impulsionada a tomar iniciativas, adquirindo, assim, uma postura de coragem e motivação frente à luta. Ana, só conseguiu dar a volta por cima e chegar ao estado normal de mãe (pois era estéril e Deus lhe deu um filho), porque persistiu na comunhão e serviço a Deus: “…perseverando ela em orar perante o Senhor”, 1Sm 1: 11.

CONCLUSÃO: Se você já passou ou está passando por algum estresse, algum problema, angustia, decepção ou até mesmo um período de luto; saiba que você é forte, creia na palavra de Deus, “Tão somente seja forte, pois tu faras este povo entrar na terra que prometi”. Seja forte, persevere na oração, no serviço a Deus, pois aquele que promete é fiel e não vai falhar com você, o salmista diz: Tu és o meu socorro bem presente na hora da angustia. Quantas pessoas desistiram no meio do caminho, quantas perderam a paciência, outras abandoaram a fé e já não segue mais a Cristo. O escritor aos hebreus nos ensina: Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que creem e são salvos. Hebreus 10:39.

Deus em Cristo Jesus vos abençoe!

Pr. Wasny

FONTES DE PESQUISA: A Bíblia, Dicionário Português, Internet, Rev. Ednaldo Breve.

Pr. Wasny S. Andrade

Secretário Executivo da Lerban

O SELO DO ESPÍRITO SANTO.

espirito2

Efésios 1:13 – “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa”.

O selo é usado como símbolo algumas vezes na Bíblia. Como, por exemplo, símbolo do Espírito Santo na vida do crente. Aquele que crê em Jesus recebe o selo do Espírito Santo no coração.

O selo é colocado no momento da conversão. Creu em Jesus como Senhor e Salvador a pessoa é selada.

O selo que o Espírito Santo coloca no crente mostra que o mesmo é propriedade exclusiva de Deus. É uma autenticação que somos filhos de Deus. Ele se encarrega na tarefa de testificar em nós que somos filhos de Deus. O que nos faz viver sem medo e sem receio. Tendo segurança na hora que o Acusador, Satanás, vem tentar e colocar a dúvida acerca da salvação. O crente em Jesus não tem que ficar com receio, ele é alguém selado e protegido. O selo não pode ser violado ou tirado. Uma vez salvo, verdadeiramente será salvo.

O selo indica também que há um conteúdo no crente em Jesus, O Espírito Santo. Há uma vida com a Presença do Espírito que frutifica o caráter de Cristo na pessoa. Portanto, a conduta do crente no dia a dia evidenciará a presença do Espírito.

O Espírito como selo também é uma garantia, que as promessas pertinentes se concretizarão. A pessoa selada pelo Espírito chegará a glorificação do corpo onde alcançará perfeição e será semelhante a Cristo.

O selo é uma marca. Marca dada no Filho de Deus. Marca não visível pelos olhos, mas vista no mundo espiritual. Como nos umbrais das portas do povo de Israel estava o sangue do cordeiro, e o espírito da morte não os atingiu, assim O Espírito está no crente. Os inimigos espirituais reconhecem esta marca e ficam impedidos de possuir essas vidas. Uma vez, o mais Valente Jesus no coração, o menos valente satanás, não consegue possuir, pois O Espírito Santo está nele. Ele tem na vida a Marca de Jesus, e uma dessas marcas é o selo do Espírito.

O selo do Espírito indica também a nossa santificação, a nossa diferenciação do espírito que domina este mundo. Indica que temos um relacionamento pessoal com Deus, um vínculo, uma aliança, que a pessoa sem Cristo não tem.

Viver sem o conhecimento acerca do selo é viver inseguro. Quem não tem segurança acerca da salvação vive de forma insegura e Deus não nos chamou para isto. O que deve nos levar a servir a Cristo é o amor e não o medo. O conhecimento sobre o selo do Espírito nos traz esta paz e convicção. John Wesley, certa ocasião, teve uma crise sobre ter a salvação ou não, que foi sanada quando ele acordou para a doutrina do testemunho do Espírito Santo na vida do crente, e teve sua vida mudada por causa desta verdade. Deus quer que vivamos seguros acerca da Vida Eterna, acerca do nosso destino final. Tal fato mostra a vitalidade e importância do conhecimento acerca do selo do Espírito no crente.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A PARÁBOLA DO LÁPIS

lapis

Texto bíblico: I Co. 1.18-31

O Fabricante de lápis falou com cada um de seus lápis dizendo: 

– Existem cinco coisas que você precisa saber antes de eu lhe enviar para o mundo. Sempre se lembre delas e você se tornará o melhor lápis que você pode ser.

– Primeira: Você poderá fazer muitas grandes coisas, mas só se você permitir-se estar seguro na mão de Alguém.

– Segunda: Você experimentará um doloroso processo de ser afiado de vez em quando, mas isto é exigido se você quiser se tornar um lápis melhor.

– Terceira: Você tem a habilidade de corrigir qualquer mal entendido que você puder ocasionar.

– Quarta: A parte mais importante de você sempre estará do lado de dentro.

– Quinta: Não importa a condição, você deve continuar a escrever. Você deve sempre deixar uma marca clara e legível não importa o quão difícil a situação.

Todos os lápis entenderam, prometendo lembrar-se sempre, e entraram na caixa compreendendo completamente o propósito do seu Fabricante.

APLICAÇÃO EM NOSSA VIDA: Cada um de nós é como aquele lápis. 

1) Lembre-se que Deus é o nosso criador e precisamos estar sempre segurando em suas mãos para vivermos nesta vida. Somente assim poderemos fazer grandes coisas para ELE. 

2) Às vezes Deus nos afia, nos limita, nos prova, nos deixa passar por momentos duros… Assim ELE está nos afiando para que possamos viver melhor e melhor escrever as coisas que ELE QUER. 

3) Deus pode mudar qualquer coisa em sua criatura. Nós pertencemos a ELE e assim, mesmo que erremos, ELE nos perdoa e nos ensina a começar tudo de novo. Se estamos quebrados, ELE nos faz de novo para Sua Honra e Glória. 

4) Seu coração, sua mente, seus desejos são mais importantes do que o exterior do corpo. Viva por SER e não apenas em TER. Distribua com aqueles que necessitam o seu amor e carinho. 

5) Não importa o tamanho da angústia que você esteja vivendo… Continue “escrevendo”… Sempre… Não importa o valor do lápis, o importante é que ele escreva. Esta é a sua função. 

(Autoria desconhecida – Extraído das anotações no facebook de EUDES JANSEN – PIB do Pará)

BOA OU MÁ INFLUÊNCIA?

fermento

Há uma frase muito conhecida que afirma “você se torna eternamente responsável pela pessoa que cativas”. Por que se torna responsável? Porque a pessoa que é cativada por você é também influenciada por você. Nós somos responsáveis pela influência que exercermos sobre os outros. Não somos responsáveis pelas atitudes dos outros, mas temos que ser boa influência, pois podemos cooperar para o bem ou mal de alguém.

Uma figura bíblica para o poder da influência é o fermento. Na Bíblia o fermento é usado como uma figura para a boa influência e também como uma má influência.

Vejamos como um exemplo de má influência:

1 Coríntios 5 –

6 Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa?

7 Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.

8 Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade.

Aqui o fermento é uma figura de impureza. Devemos ser uma massa nova sem fermento. Na Páscoa tinha que se jogar fora todo o fermento velho. Influenciamos negativamente as pessoas através dos escândalos (Lc 17:1 e 2), ou por atitudes perniciosas como Himineu e Fileto (II Tm 2:17 e 18).

Já como uma figura positiva o Reino de Deus é comparado ao fermento. Veja:

Mateus 13

33 Outra parábola lhes disse: O reino dos céus é semelhante ao fermento, que uma mulher toma e introduz em três medidas de farinha, até que tudo esteja levedado.

Jesus foi como um fermento que influenciou toda a história da humanidade. Abel e seu sacrifício deixaram marcas profundas (Hb 11:4). Tabita com seu trabalho social abençoou toda uma cidade (At 9:36-39). Temos que influenciar positivamente a nossa família, igreja, trabalho e sociedade.

Fica a pergunta: você é uma boa ou má influência?

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

A BARBA DO PASTOR.

barba

O texto abaixo é de autoria desconhecida por mim. Recebi um email com essa história do Pr. Eduardo Macedo Colaço. Gostei da história e de sua aplicação por isto coloquei no blog. O texto é assim:

Cansado de ver seus sermões caírem no vazio, um pastor resolveu dar uma lição inesquecível aos seus ouvintes.

Num dos cultos semanais mais concorridos, ele subiu ao púlpito com seu aparelho de barbear, bacia, água, espuma, caneca, espelho e toalha.

Nem sequer cumprimentou a igreja e, tranqüilamente, colocou água na bacia, testou a temperatura, ajeitou o espelho, pegou uma caneca, fez espuma, passou na cara, e começou a se barbear.

Gastou vários minutos nisso, que pareceram uma eternidade para os presentes.

Ao final, quando todos esperavam que o pastor fosse fazer um desfecho maravilhoso, fosse lhes apontar o "moral da história", ele simplesmente enxugou o rosto com a toalha, encerrou o culto e despediu o povo de volta para as suas casas.

Aquela semana foi atípica.

O povo comentou o fato todos os dias, tentado adivinhar o significado de tudo aquilo:

“Que mensagem ele quer nos passar?”

“Qual é o simbolismo espiritual da água, do sabão, do barbear-se?”

Dias depois, quando ele subiu novamente àquele púlpito, a igreja estava cheia. O pastor olhou para a congregação e disse-lhes:

Sei que vocês querem saber o significado do que fiz aqui neste púlpito na semana passada. Bem, eu vou lhes dizer: não há significado algum! Nenhum simbolismo. Nenhum desfecho maravilhoso. Nenhuma mensagem. Nenhum "moral da história".  No entanto, se podemos tirar alguma lição disto tudo, é a seguinte: Há anos eu venho apresentando para vocês a mensagem bíblica, mas não tenho visto nenhuma mudança em suas vidas. Minhas mensagens têm caído no esquecimento, tão logo vocês saem do templo. Eu gostaria que vocês comentassem meus sermões durante a semana, do mesmo modo que se dispuseram a comentar o meu barbear nestes últimos dias, ou será que a minha barba é mais importante para vocês que a Palavra de Deus?

Como disse Rick Warren, o fato de se estar em uma garagem, não faz de você um carro.

O fato de você estar constantemente na igreja, não faz de você um cristão.

A bíblia diz que a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus.

O que você faz com aquilo que você ouve da parte de Deus?

Somente as Palavras guardadas em teu coração pode fazer você não pecar.

A Palavra de Deus é nosso maior alimento e deve ser o motivo de nossas conversas durante a semana.

Somente fica gravado em nossa mente aquilo que repetimos algumas vezes.

Aprecie a Palavra de Deus e faça uso dela em sua vida diária, em vez de passar seus dias comentando aquilo que não edifica.

Desconheço o Autor

VENCENDO OS EMPECILHOS.

corrida

Gl 5:7 – Corríeis bem; quem vos impediu, para que não obedeçais à verdade?

Um grupo de judaizantes estava persuadindo aos gálatas (que eram gentios) praticarem a cerimônia da circuncisão que na verdade era só para judeus. Para os gentios que tinham aceitado o evangelho da Graça de Deus seria um retrocesso. Paulo no v. 7 de Galátas 5 compara a vida cristã a uma corrida e pergunta aos gálatas quem foi que os impediu de continuar correndo. Quando entregamos a nossa vida a Jesus começamos a carreira cristã. Durante a carreira podemos enfrentar empecilhos que atravancam a nossa corrida, e até mesmo podem gerar em nós desistência ou retrocesso. Segundo Paulo os gálatas tinham ganhado a liberdade e estavam se colocando novamente em servidão.

Gl 5: 1 – ESTAI, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.

Voltando a metáfora da corrida e do atleta podemos extrair lições preciosas sobre a carreira cristã. Vejamos outros textos bíblicos que se utiliza desta figura.

1 Co 9: 24- 27. Na carreira cristã é necessário empenho e abstenção. Os atletas desta terra se esforçam para ganhar uma coroa corruptível, já os atletas espirituais ganharão uma coroa incorruptível, assim deve ser grande o empenho e renúncia dos crentes em Jesus. O corpo, os sentimentos precisam estar sobre o domínio do Espírito Santo no crente de tal maneira que o atleta espiritual não venha ser reprovado durante a carreira.

Segundo Hb 12: 1 e 2 na carreira cristã são necessários livrar-se dos embaraços e tropeços, e olhar sempre para a meta – Jesus Cristo. O embaraço não é o pecado. São coisas lícitas, permitidas, mas que em desequilíbrio na vida do crente o atrapalha na carreira. Pode ser uma amizade, um namoro, trabalho, hábitos, que, muitas vezes, ocupam um espaço demasiado de tal forma que causa uma sobrecarga, peso e embaraço ao crente. O tropeço é o pecado que causa queda e tombo no servo de Deus. Uma queda durante a corrida machuca e atrasa, podendo prejudicar seriamente o desempenho do atleta espiritual. O crente deve correr sabendo que tem uma meta: ser semelhante a Cristo. Um dia todo crente em Jesus se tornará semelhante a Ele.

Na carreira cristã é necessário chegar ao final para receber a coroa de grinalda (II Tm 4:7 e 8). O crente deve se lembrar que a carreira cristã aqui na terra tem como objetivo chegar ao final. Não se deve querer parar antes do final. A missão que Deus deu deve ser completada e para isto é preciso empenho e perseverança. Chegando ao final o crente em Jesus receberá a recompensa (galardão). Receberá a grinalda da vitória. Aleluia!

Precisamos aprender com os atletas que se empenham, livram-se dos embaraços e chegam ao final da corrida. Assim o Senhor deseja que seja com a nossa carreira cristã. Continuemos a correr esta carreira até chegarmos lá!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

APRENDENDO COM OS SAMARITANOS.

samaritan1

Neste artigo quero escrever sobre o aprendizado que podemos ter com os samaritanos. Os samaritanos eram considerados estrangeiros e sincréticos pelos judeus. Entretanto, quando tiveram contato com a Graça de Deus através de Jesus, a maioria das vezes, responderam positivamente. Podemos aprender com eles nos evangelhos. Tanto que Jesus para ensinar a um doutor da lei, quem era seu próximo, contou uma parábola usando como referência um samaritano.

Observemos, primeiramente, a atitude da mulher samaritana (João 4) quando teve contato com Jesus e descobriu que Ele era o Messias. Ela era uma mulher marginalizada na sociedade, pois teve cinco maridos e vivia num concubinato, quando encontrou com Jesus. Ela tinha ido buscar água no poço com seu cântaro quando se encontrou com Ele. Ao descobrir quem era Jesus abandonou seu cântaro e foi divulgar aos seus conterrâneos sobre o Messias. Testemunhou com ardor apesar da sua má fama. Não se calou diante da primeira pessoa. Deu seu testemunho pessoal. Conduziu pessoas a Jesus de tal forma que Ele teve que ficar dois dias em Samaria. Aprendemos com essa mulher sobre o impulso primaz do novo convertido – falar de Jesus e testemunhar  o nome dEle. Muitas vezes os crentes antigos estão envolvidos por calotas de gorduras do seu próprio eu e arrefecem no ardor da evangelização. O passado obscuro e sombrio dessa mulher não a fez se intimidar diante da urgência da mensagem da salvação.

Outro exemplo foi quando Jesus curou dez leprosos (Lucas 17) e só o que voltou para agradecer era samaritano. A cura não foi imediata. Jesus recomendou que eles fossem ao sacerdote conforme a lei. Era uma obrigação legal ir ao sacerdote, pois somente os sacerdotes podiam liberar o convívio social dos leprosos. Entretanto, quando Jesus os mandou, eles ainda não estavam curados. Foram curados no caminho. Os dez leprosos cumpriram a ordem e a obrigação de ir ao sacerdote. O samaritano foi além da obrigação e voltou a Jesus para agradecer. Foi além do dever. Foi grato. Adorou a Jesus. Por isto foi o único dos dez ex-leprosos que ouviu: a tua fé te salvou. Aprendemos com esse samaritano a gratidão e a fazer mais do que a obrigação. Ir além da obediência movido pela adoração e gratidão.

O último exemplo que quero citar não vem de um fato histórico, mas vem da parábola que Jesus contou (Lucas 10). Jesus usou um samaritano como referência para um doutor da lei. Jesus foi mais além, usou as figuras intocáveis dos sacerdotes e levitas como exemplos negativos em detrimento de um samaritano que age com bondade. Contou a história de um homem assaltado e caído numa estrada que foi visto por um sacerdote e um levita, que passaram de largo. O samaritano, que não tinha obrigação de ajudar por causa do contexto hostil entre judeus e samaritanos, foi o que parou e socorreu o ferido. O samaritano teve compaixão. Tratou das feridas do homem com azeite e vinho, que são símbolos do Espírito Santo e do sangue de Jesus, respectivamente. Levou-o a estalagem. Pagou a hospedagem e disse que quando voltasse pagaria o que faltasse. O samaritano foi o próximo para com o próximo. O doutor da lei havia indagado: quem é o meu próximo? Jesus numa santa estocada usa como exemplo um samaritano.

Aprendemos com o exemplo dos samaritanos que a Graça de Deus pode atingir aos sincréticos, aos nossos desafetos e fazê-los instrumentos poderosos nas mãos de Deus. Cabe a mim e você pregar o evangelho aos nossos samaritanos, aos nossos desafetos, sabendo que Deus é poderoso para regenerá-los.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

METÁFORAS DA IGREJA.

40anos

A palavra Igreja levanta sentimentos mistos, normalmente ocorrem polarizações quando ela é o assunto: uns amam, outros sentem aversão. Ao mesmo tempo em que a Igreja Evangélica Brasileira cresce, o número dos que não querem pisar em um templo também cresce. Por esta razão, convém, olharmos para algumas metáforas bíblicas acerca da Igreja, para discernimos melhor sua relação com Deus, sua relação consigo mesma e com a sociedade.

1 – Rebanho (I Pe 5:2).

Segundo Isaías 53:6 todos nós éramos como ovelhas desgarradas e cada um se desviava pelo seu próprio caminho. Éramos desconjuntados, desagregados e desviados do Criador. Entretanto, os que creram em Cristo foram reunidos, ajuntados, formando um rebanho sob o pastoreio do próprio Deus. Somos o rebanho de Deus e Jesus é o nosso Sumo Pastor.

A figura da ovelha mostra a docilidade e a amabilidade dessas ovelhas que pertencem ao rebanho de Deus. A ovelha é conduzida pelo Pastor, o pastor, por sua vez, protege, conduz, conhece e dá a vida pela ovelha.

Muitos membros da Igreja parecem ser comportar como bodes, dando cabeçadas, chifradas uns nos outros. Será que entendemos a metáfora do rebanho?

2 – Corpo (1 Co 12:27).

Esta metáfora é muito citada entre nós – somos o corpo de Cristo. Indica a unidade que existe entre os membros. Os membros são diferentes, cada um tem o seu papel, mas formam um corpo, uma unidade. Há a unidade de ação: quando alguém se abaixa para pegar uma caneta no chão, por exemplo, várias partes do corpo se movimentam para conseguir tal feito. Há também harmonia. Se houvesse uma desproporcionalidade entre os membros, ou um membro ferisse o outro, seria necessário encaminhar tal pessoa para um tratamento médico. Cada membro tem uma função no corpo e o comando pertence à cabeça, que no caso da Igreja, é Cristo.

Será que estamos vivendo como corpo de Cristo?

3 – Edifício (I Co 3:9-17).

Paulo usa a metáfora de uma edificação para falar da Igreja. Ele afirma que ela tem um único fundamento que é Cristo e que não se deve, de maneira nenhuma, colocar outro tipo de fundamento. Paulo também fala que a edificação da Igreja é realizada por seus próprios membros e por Deus. Devemos observar quais tipos de materiais usamos por cima do alicerce. Se usarmos madeira, palha ou feno teremos nossas obras queimadas e destruídas no Tribunal de Cristo. Se usarmos ouro ou pedras preciosas nossas obras permanecerão. Temos que vigiar, e muito, a forma como edificamos a Igreja do Senhor. Somos pedras vivas, como diz Pedro, (1 Pe 2:5) desse edifício espiritual. Participamos da construção da Grande Catedral Espiritual de Deus.

4) Coluna (I Tm 3:15).

A Igreja é a coluna da verdade, sustentáculo da verdade neste mundo relativista. A cada dia mais, o mundo descamba para o relativismo ético e moral. Jesus é a verdade. A Palavra de Deus é a verdade. Cabe à Igreja do Senhor ser um arauto proclamador da verdade do Senhor aqui na Terra. Deus usa a Igreja com um “front” da verdade na terra. Quando o mundo afirma que tudo é relativo, a Igreja afirma que Jesus é a verdade e que a Palavra de Deus é a verdade absoluta.

5) Noiva (Ap. 19.7; Ef. 5:23-27).

A Igreja é a Noiva de Jesus, sua futura esposa. O noivado nos tempos de Maria e José era um compromisso que somente poderia ser quebrado com o divórcio. Portanto, a figura da Igreja como uma noiva mostra o compromisso que devemos ter com Jesus. Compromisso com a pureza, pois a noiva se resguarda para o casamento, sendo fiel ao compromisso que tem com o noivo. Pureza, Santificação, Fidelidade, são atributos que a Noiva de Cristo (Igreja) deve ter.

6) Família (Ef.2:19).

A Igreja é a Família de Deus. Tal figura mostra o caráter acolhedor, aconchegante da Igreja. Os órfãos existenciais, os filhos pródigos, as criaturas de Deus, que estão afastados do Criador, encontram em Cristo o meio de aproximação a Deus de tal forma que passam a fazer parte da família de Deus. Recuperam a semelhança com Pai (Deus), desfrutam do amor d’Ele e tornam-se co-herdeiros com Cristo.

Você já é membro da família de Deus? Certa vez Jesus falou que Sua mãe e Seus irmãos são aqueles que fazem a vontade de Deus.

7) Candelabro (Ap. 1:20).

O candelabro é uma luminária. Mostra que a Igreja é a luz do mundo. O candelabro era de ouro batido, mostrando o valor apurado da Igreja. O candelabro também tinha sete hastes, o que indica a permanência dos “sete espíritos” (sete características do Espírito de Deus) na Igreja. O Espírito Santo habita na Igreja e é responsável por espalhar a luz de Deus que é irradiada através da Igreja.

Estas sete figuras mostram o relacionamento de Deus com a Igreja, afinal, a Igreja é o Corpo de Cristo, Sua Noiva e pertence à Sua família. De igual modo, mostram como se compõe a Igreja e como seus membros se relacionam entre si. Estes se edificam (Edifício) uns aos outros, formam um Corpo e são uma família. Aquelas figuras também mostram a relevância da Igreja para com a sociedade, pois Ela é a luz do mundo (candelabro) e sustentáculo (coluna) da verdade na terra.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

METÁFORAS DA BÍBLIA

biblia

Metáfora é o tipo de linguagem figurada que usa de comparação para expressar uma verdade. Jesus, por exemplo, falou de si mesmo como o pão da vida. Quando ele usa a figura do pão está lançando mão de uma de algo conhecido para falar de si mesmo. A figura do pão mostra a essencialidade de Cristo para a humanidade.

Nas Escrituras estão muitas metáforas acerca da Palavra de Deus. Citaremos algumas neste pequeno texto.

1 – A Palavra é como a luz. “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho” (Sl 119:105). Ela nos ilumina e nos impede de tropeçar (Sl 119.165). Ela nos alerta acerca dos obstáculos do caminho, e mostrando as armadilhas da caminhada.

2 – A Palavra é como o fogo. “Porventura a minha palavra não é como o fogo, diz o SENHOR (…)” (Jr 23:29). Ela arde o coração do seu leitor e ouvinte. Ela tem um poder purificador e é um instrumento de santificação.

3 – A Palavra é como o martelo despedaçador. “ (…) e como um martelo que esmiúça a pedra?” (Jr 23:29). A Palavra tem poder de quebrar o coração mais endurecido, tem o poder de quebrar o pecador obstinado levando-o ao arrependimento.

4 – A Palavra é como a semente. “(…) A semente é a palavra de Deus (Lc 8:11). A palavra quando germina no coração gera frutos. O homem é o instrumento que Deus usar para semear a Palavra, mas Deus é quem dá o crescimento.

5 – A Palavra é como a água. “Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra” (Ef 5:25 e 26). A Palavra limpa das impurezas espirituais e satisfaz a sede espiritual.

6 – A Palavra é como uma espada de dois gumes. “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4.12). A palavra é penetrante: discerne os pensamentos e intenções. Ela é arma de defesa e de ataque. Jesus no deserto usou da Espada do Espírito para vencer as tentações de Satanás.

7 – A Palavra é como um espelho. “Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; Porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era” (Tg 1:23 e 24). A Palavra mostra quem nós somos. É necessário olharmos diariamente a Palavra para nos corrigirmos de acordo com aquilo que percebemos na visualização da Palavra.

Estas metáforas mostram o poder e a importância da Palavra de Deus. A Bíblia deve ser lida e meditada diariamente sempre com muita oração. Se assim não fizermos ficaremos raquíticos e anêmicos espiritualmente sujeitos a quedas freqüentes diante do pecado. Como alguém já disse: ou a Bíblia nos afasta do pecado, ou o pecado nos afasta da Bíblia.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O GRANDE AMIGO

jesus-e-o-meu-amigo Penso que jamais se sofre tanto e tão íntimo do coração, como quando se percebe que o amigo deixa de ser amigo, quando se constata a perda desse tesouro.

Aquela pessoa a quem ontem se confiavam os problemas, hoje nada mais se pode falar. Aquela pessoa, que ontem se interessava por minhas preocupações, hoje não tem mais nenhum sorriso de apoio. Aquela pessoa que ontem ajudava aliviar as cargas, hoje ri do meu fracasso. Aquela pessoa que sorria ao me encontrar, hoje nem sequer me olha. Aquela pessoa que ontem era alegria e conforto, hoje é tristeza e dor. Aquela pessoa que ontem ensinava o caminho reto, hoje fecha as portas ao me ver passar. Aquela pessoa que me consolava, hoje me faz chorar. Aquela pessoa que ontem era compreensão, hoje é indiferença.

Sim, é um grande dor constar que não se tem mais a confiança de um bom amigo. Mesmo nesta hora, não devemos desanimar. Cristo também foi abandonado por seus melhores amigos. Pedro afirmou “morrer por Cristo” e na hora “H” sustentou não conhecê-lo. Quantas vezes nós também fazemos o mesmo papel de Pedro? Decepcionando a quem confia em nós.

O que podemos fazer? Precisamos firmar nossa amizade com o Amigo Supremo, Jesus, que não decepciona ninguém. Jesus deve ser o companheiro inseparável de nossa vida. Nele podemos sempre sorrir e cantar. Nele sentimos o doce sabor da vida. Nele podemos ser e ter bons amigos. Ele é o amigo que devemos abrir o coração. Você que já sofreu a perda de uma amizade, a quebra de um relacionamento, saiba que a amizade com Cristo é para sempre. Cristo não quebrará a amizade com você. Mas se eu quebrar a amizade com Cristo? – Talvez você pergunte. Basta você se arrepender, confessar e correr para os braços de Jesus, que Ele te receberá de volta. Como diz o cântico que o Rebanhão cantava:

“Conheci um grande amigo. Ele é Filho de Deus Pai. O seu nome é Jesus Cristo. Nele a gente pode confiar”.