Arquivo da categoria: Sabedoria

SENTIMENTO DE URGÊNCIA.

urgente

Jo 9: 4 – Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Queiramos ou não temos que lidar com a questão do tempo. Ele passa de forma inexorável. Quando nascemos, nascemos num determinado dia e crescemos vivenciando o tempo que nos é dado. Creio que a sabedoria é imprescindível para que lidemos adequadamente com o tempo. Moisés pediu a Deus para ensiná-lo a contar os dias até que ele adquirisse um coração mais sábio. Mostrando a essencialidade de se viver discernindo, fazendo as escolhas adequadas aproveitando bem e com sabedoria o tempo que se vive.

O ditado popular afirma que a pressa é inimiga da perfeição. Mostrando que o povo entende que para se fazer bem feito e organizado é preciso fazê-lo no tempo adequado. Porém, podemos afirmar que este ditado não é uma verdade absoluta. A pressa pode ser muitas vezes precipitação, ansiedade e ausência de maturação. Todavia, o versículo escolhido desta mostra que para fazermos a obra de Deus neste mundo precisamos ter sentimento de urgência quando o assunto é pregar o evangelho para tirar as vidas das trevas, da cegueira espiritual.

A imprevisibilidade da vida é um aspecto importante para que consideremos a decisão acerca da eternidade urgente. Não sabemos quando a morte chega. Sabemos pela Palavra de Deus que depois da morte segue o juízo, ou seja, já não há mais nada a ser feito. Colheremos a eternidade com Deus ou sem Deus. É na vida que devemos tomar a decisão. A palavra de Cristo alerta que a noite chegará e não se poderá fazer mais nada quanto a questão da eternidade. Portanto, a Igreja precisa ter um sentimento de urgência quanto a pregação do evangelho porque alguém só pode ser salvo enquanto tiver vida.

Há Igrejas avessas a organização. Há outras que são tão organizadas que não se abrem para um direcionamento específico do Espírito Santo. Não podemos pender para os extremos. A direção do Espírito e a organização não são incompatíveis, ou excludentes. A forma como é descrita a criação no livro de Gênesis mostra claramente como Deus criou tudo harmonicamente e perfeito. A preocupação dos apóstolos em escolher um substituto para Judas Iscariotes mostra uma organização eclesiástica já em formação. Quando Jesus multiplicou os pães e peixes primeiramente agrupou as pessoas em pequenos grupos para que todos se alimentassem. Esses exemplos apontam para a necessidade da Igreja Local organizar-se segundo a direção do Espírito para que as prioridades da evangelização e de missões sejam realizadas urgentemente e eficientemente no Poder de Deus. Ter o sentimento de urgência não significa agir de forma desorganizada.

A inconformação não pode ser vista sempre como algo negativo. O inconformado não é necessariamente o rebelde. Romanos capítulo doze que todos conhecem bem exorta-nos a não aceitarmos a forma do mundo. Portanto, o sentimento de urgência está harmonizado com este princípio porque ao priorizarmos a pregação do Evangelho levaremos pessoas a serem libertas da “forma” e “prensa” humana que amolda a pessoa segundo a vontade do inimigo de nossas almas – Satanás.

O povo de Deus não pode ser “letárgico”. Viver como num “torpor”. Seu discernimento precisa estar aguçado. Portanto, o povo de Deus não pode ficar num “marasmo” quanto a obra de evangelização e missões. Paulo exclamou: “ai de mim se não anunciar o Evangelho”. Pregar é um imperativo que não pode ser realizado de forma secundária. A salvação das almas é prioridade. Façamo-nos com sentimento de urgência.

Satanás certamente trabalha através dos “secretários” formas de retardar o progresso da Igreja quanto a obra de evangelização. Ele se opõe de forma frontal, velada ou sutil, mas certamente trabalha para nos impedir de ganhar almas. A famosa palavra de Cristo de que as portas do Inferno não resistirão a Igreja do Senhor nos mostra que quando a Igreja avança pelo Poder de Deus vence a resistência e a oposição maligna. O inimigo de nossas almas põe uma lente de aumento em si mesmo para intimidar. Ele brame como um leão, mas não é, ele usa de falsidades. O verdadeiro leão, é o leão da tribo de Judá, Jesus Cristo que venceu e despojou os principados e potestades, e a Igreja como Seu corpo triunfa sobre as resistências e obras de satanás.

Portanto, sem receios façamos a Obra de Deus com empenho sabendo que a eternidade de muitos sobre condenação podem ser evitadas e isto só mudará se enquanto for dia as almas ouvirem e crerem no Evangelho.

(Oautor do artigo é o Pr. Eber jamil, dono do blog).

Anúncios

NÃO É BOM O ISOLAMENTO!

isolamento

Gn 2:18 -E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Não é bom o isolamento porque Deus nos mostra que para vivermos com mais qualidade é necessário que não sejamos apenas verticais pensando somente no nosso relacionamento com Deus, mas também horizontais pensando no nosso relacionamento com o próximo. O resumo que Jesus fez dos 613 mandamentos em dois mandamentos é coerente com que a palavra que Deus proferiu a respeito de Adão que estava só sem ninguém ao seu lado, alguém que lhe fosse correspondente.

Principalmente nos primeiros séculos da história da Igreja muitos buscaram o isolamento porque pensaram que era a melhor maneira de não se misturar com o mundo. O cristianismo começava a deixar de ser perseguido e passou a ser favorecido pelo Império Romano. O que foi visto como favor de Deus por alguns, mas para muitos outros, era o mundo entrando na Igreja e por isto alguns começaram a buscar viver isolados da sociedade para a maior consagração a Deus.

O problema do estilo de vida “ermitão”, urbano, em áreas desérticas, rurais ou não, é a falta de influência positiva que deixa de acontecer na sociedade por causa do isolamento. As comissões deixadas por Jesus nos incentivam pregar o arrependimento, discipular, batizar, ir até os confins da terra para tanto é necessário a vivência em sociedade. Jesus na oração sacerdotal foi claro: Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal” (17:15). Temos que viver no mundo, mas de uma forma que não nos comuniquemos com as obras infrutuosas das trevas, ou seja, vivermos no mundo sem nos envolver com a malignidade.

O tempo “a sós” tem o seu valor e devemos cultivá-lo, mas que seja para a renovação das forças físicas, espirituais, da devocionalidade para com Deus, mas não podemos nos isolar do convívio com a família, irmãos de fé, colegas de trabalho e da sociedade como um todo. Não é bom que o homem esteja só. O contexto do versículo é a vida a dois, o casamento, porém, podemos estender o entendimento do versículo para a necessidade humana de se relacionar com o próximo. Em Eclesiastes o pregador afirma: “que é melhor serem dois do que um”. Precisamos do momento a sós com Deus, mas também precisamos salgar e iluminar esse mundo como luzeiros de Cristo. Se não salgarmos perderemos a relevância no mundo, não exerceremos a vocação dada pelo Senhor e não seremos respeitados. Nosso chamado é para evangelizar, edificar o Corpo de Cristo, servir a Deus e ao próximo. Não busque o isolamento. Tenha sempre seu momento a sós com Deus, tenha o seu lugar de oração e meditação na Palavra, tenha seus horários regulares para a devoção, mas também viva uma vida influente com todos os seus riscos lembrando-se sempre que quem está com Deus é maioria e que temos uma família, que é a Igreja do Senhor, que coopera com os dons para o desenvolvimento da nossa carreira cristã.

Quando acontece a conversão de alguém a pessoa é inserida pelo Espírito Santo no corpo de Cristo, que é a família de Deus, mostrando que o chamamento é para comunhão com Deus e com o próximo. O novo convertido deve ser acompanhado até que ele possa também acompanhar outros e assim a Igreja do Senhor se multiplica e cumpre o seu chamado.

Jesus se retirou algumas vezes para orar sozinho, mas no Getsemâni quando deixou seus discípulos a sós para orar desejou que eles tivessem acordados enquanto ele orava e repreendeu-os quando encontrou Pedro, Tiago e João dormindo. Jesus sentiu a falta de companheirismo deles, a falta de vigilância.

Nas artes nós vemos também está necessidade ser retratada quando o cavaleiro solitário tem como companheiro um índio chamado Tonto. Quando o Robison Crusoé encontra e tem como amigo o índio Sexta-feira. No filme Náufrago com Tom Hanks, que interpreta o personagem Chuck, o qual após a queda do avião onde viajava, encontra-se preso numa ilha, privado de tudo que o homem moderno precisa, faz amizade com uma bola de volei da marca Wilson que se torna seu amigo imaginário na ilha desértica. Tem um momento emocionante do filme quando ele perde no mar o seu amigo imaginário, o que levou algumas pessoas sensíveis às lágrimas. Tais obras mostram claramente a necessidade do homem do próximo. O homem é um ser social.

A solitude, a meditação é necessária durante um tempo, mas o isolamento não pode ser uma filosofia de vida. Sempre precisamos de alguém! Ninguém basta a si mesmo! A constatação Divina foi que não é bom que o homem esteja só. Talvez você tenha se fechado para o outro por causa das decepções, desilusões, mas o remédio não é encaramujar-se, mas perdoar o abandono, a decepção e viver uma vida saudável, produtiva, e relacional com Deus e com o próximo.  Abra-te! Primeiramente para Deus, e quando isto verdadeiramente acontece, abrimo-nos para o próximo também.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

TRÊS PALAVRAS IMPORTANTES PARA O NOVO ANO.

ano novo

Estamos no início de um novo ano creio que três palavras são importantes nesta ocasião: REFLEXÃO, GRATIDÃO E ESPERANÇA.

A REFLEXÃO é importante porque final de ano é tempo de retrospectiva, de balanço, para avaliarmos como foi o nosso ano. Precisamos ponderar sobre os nossos erros e acertos para planejarmos as nossas ações para o ano que se inicia.

A GRATIDÃO é fundamental. Ser grato pela vida, por mais um ano que Deus concedeu, e mesmo que tenhamos atravessado tempos difíceis a gratidão é sinal de cura, de que apesar das lutas o nosso coração não foi azedado.

A ESPERANÇA é algo que sempre deve nos mover para frente. Teremos, se Deus quiser, mais um ano pela frente. Portanto, a esperança será uma mola propulsora para avançarmos e conquistarmos os propósitos de Deus para nossas vidas.

Minha oração é que nesta virada de ano não te falte REFLEXÃO, GRATIDÃO E ESPERANÇA. Pensemos nestas palavras:

A REFLEXÃO é sempre necessária! Deus quer que façamos um autoexame a respeito da nossa vida para avaliarmos como anda nossa caminhada. Assim é muito pertinente quando isto acontece no término de um ano e no início de outro. Paulo por orientação de Jesus nos disse que antes de participarmos da ceia do Senhor devemos nos examinar a nós mesmos para que possamos discernir o corpo do Senhor que é simbolizado na ceia.

Como o autoexame físico nos ajuda a descobrir certas doenças, por sua vez, a reflexão sobre a nossa vida nos ajuda a pensarmos sobre a qualidade com que vivemos. Como anda a sua vida com Deus e com o próximo? Como foi para você o ano que passou? Quais foram seus erros e acertos? Aonde você precisa melhorar? As perguntas podem se multiplicar!

Creio que datas como estas são momentos para pararmos e avaliarmos o que passou e projetarmos aquilo que virá. Projetarmos de forma sempre dependente de Deus sem arrogância, sem uma autoconfiança exacerbada, mas ciente que sem Deus nada podemos fazer. Faça um autoexame!

Comece outro ano buscando a sabedoria de Deus, pois Ele dá liberalmente e aplique ela em sua vida praticando a prudência, a singeleza e a fé diariamente em todos os seus passos.

A GRATIDÃO precisa ser algo sempre presente em nossas vidas. Ela, sem dúvida, revela muito como está a nossa vida e quem nós somos. Não pode ser coisa do momento, mas uma postura constante. No terminar e iniciar um novo ano temos que ser gratos mesmo que o ano tenha sido difícil e mesmo que as perspectivas para este ano não sejam tão alvissareiras. Paulo recomendou pelo Espírito Santo: Em tudo dai graças, ou seja, nós que estamos em Cristo precisamos em todas as circunstâncias não deixar de ser grato.

A gratidão de quem vive em Cristo mostra que interiormente ele está pacificado e sabe que Deus tem o comando da história. Por mais que enfrentemos as supressas da vida, o fato de estar vivo e mais saber que não vivemos numa solidão existencial porque Deus está conosco em Jesus são razões mais do que suficientes para agradecermos.

Sem dúvida entre ter nascido e não ter nunca existido é preferível ter nascido. Somado o fato de ter sido achado por Deus em Jesus Cristo onde se encontrou o sentido da vida faz com que a vida seja elevada em muito a sua qualidade.

Exercite a gratidão. Pratique-a porque agradará a Deus, beneficiará a si mesmo e abençoará seus relacionamentos. Ela adoça a vida. Mostra que internamente a alma está curada. Gratidão é uma grande palavra para o ano novo!

O calendário, a noção do tempo que temos faz com que muitas vezes naturalmente na virada do ano a nossa expectativa acerca do futuro seja potencializada como se algo acontecesse todas vezes que mudamos de ano. Entretanto, a ESPERANÇA que é esperança supera as datas especiais e persevera em meio aos embates. A figura bíblica da esperança é a âncora, que ajuda ao navio se fixar em meio as dificuldades do mar e aportar em lugar seguro. Sem a âncora o navio fica sujeito aos caprichos do mar, do vento e assim fica a pessoa que não tem esperança à mercê dos ventos e da instabilidade das circunstâncias.

Se de alguma forma a esperança for fragilizada a vida também é. Se a esperança morre em vida é como uma morte em vida acontecesse também. Portanto, apegue-se em Deus e em Sua Palavra que consola e traz esperança. As promessas do Senhor são infalíveis! A partir do momento que cremos em Jesus nascemos de novo e ao nascermos espiritualmente é gerado em nós uma esperança viva porque Jesus Cristo ressuscitou dos mortos.

A esperança cristã não é vaga. Ela vem da fé, que veio da audição da Palavra de Deus, que é a Verdade. Portanto, podemos iniciar mais um ano nos sentindo seguros, pois os que creem em Cristo estão nas mãos dEle. Pode até “chover canivetes”, mas ninguém nos tirará das suas poderosas mãos. Seja bem-vindo Ano Novo!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

ANO NOVO: NOVAS OPORTUNIDADES.

Ano-Novo blog

O tempo passa de forma inexorável e não temos controle sobre ele. O que podemos fazer é administrá-lo da melhor forma possível durante o momento em que ele acontece, ou planejar o tempo que possa ainda acontecer de forma sábia.

Com certeza um novo dia traz novas oportunidades. Também podemos falar assim acerca de um novo ano. A virada do ano evidencia o que acontece todos os dias quando o sol se levanta é como se ouvíssemos nesta ocasião: você tem uma nova chance! Um novo ano costuma trazer novas oportunidades e nos inspirar desta forma.

Os pastores antigos costumam dizer que a oportunidade é como um careca de topete quando passa por você é o momento de você segurar o topete porque talvez você não tenha mais oportunidade. Paulo aos Efésios escreveu: Olhai, portanto, cuidadosamente como andais, não como insipientes, mas como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus (5: 15 e 16). A ideia de remissão lembra redenção, lembra salvação. Remir o tempo é aproveitar cada oportunidade.

Temos que tomar cuidado com a procrastinação. Tem pessoas que tem por hábito procrastinar. Nem tudo é para fazer imediatamente, mas nem tudo devemos deixar para depois. O equilíbrio e a sabedoria são importantes. Alguém já disse: “o adiamento é o ladrão do tempo e o ladrão do tempo é o assassino da oportunidade”. É preciso ponderação. Aproveitemos o início de novo ano e aproveitemos esta nova oportunidade.

O passar do tempo, se bem aproveitado, pode se tornar um aliado para uma vida bem vivida, porque somaremos as lições aprendidas das nossas experiências aos desafios que se apresentarem. Gosto muito do salmo de Moisés de número 90 em que ele pede a Deus para ensiná-lo a contar os dias. Aprendamos com o tempo. Os acertos e os erros nos ensinam. Deus em Sua Palavra registrou muitos exemplos de homens, que devem ser seguidos e outros não, quanto ao que fizeram em suas épocas. Na história do próprio Moisés percebemos que ele passou por três tempos de 40 anos: no palácio de faraó, no deserto como pastor e no deserto como líder de um povo. Deus se utilizou das experiências dele e lhe outorgou poder sobrenatural para fazer a obra de Deus. Moisés aprendeu de Deus durante o tempo que viveu.

Valorizemos cada minuto que Deus nos dá. Como era falado na Rádio Relógio Federal: cada minuto que passa é um milagre que não se repete. A valorização pode se dá através da gratidão a Deus. Através da doação de si mesmo a Deus e ao próximo sempre fazendo o melhor enquanto é tempo. A valorização pode se dar através da boa utilização do tempo e gastando-o com o prioritário, necessário e útil.

Consideremos os princípios da Palavra de Deus porque qualquer estilo de vida fora dela é um estilo sem alicerce sólido e eterno. Na vida as tempestades fazem parte, se observarmos das Escrituras teremos a segurança de estar no rumo certo com uma prática adequada. Sem dúvida, o aproveitamento das oportunidades não deve ser de qualquer forma. A Bíblia é o melhor dos manuais, mais eficiente que qualquer GPS e do que o Waze. Aproveitar as novas oportunidades é aproveitá-las com a sabedoria do alto, a sabedoria que Deus dá e revelou em Sua Palavra.

Que neste novo ano com as novas oportunidades seja uma grande ocasião para que nós nos envolvamos com a nossa família, igreja e sociedade de forma agradável a Deus e sábia diante dos homens.

( O autor do artigo é o Pr, Eber Jamil, dono do blog).

O MENINO COM CINCO NOMES.

nascimento-de-jesus-14

Segundo o google o nome mais comprido do mundo é de um escocês que tem 29 palavras e 197 letras. Em Isaías 9:6 temos um dos grandes pronunciamentos messiânicos, e as tentativas de achar um contexto na época de Isaías não são bem-sucedidas, pois se trata, de fato, uma profecia. Aqui o profeta fala que O Messias, que é Rei, traria a paz e o fim da contenda causada pelo pecado e a injustiça. O versículo é este:

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.

Sobre o nascimento desse menino vemos que em Isaías 7:14 um dos nomes referidos dele seria EMANUEL, que não vamos tratar aqui, e como cumprimento da profecia o nascimento seria de uma virgem. Ligada ao menino também está a ideia da encarnação, de Deus tomando a forma de homem, que é uma das grandes doutrinas cristãs. O Messias tomaria a natureza humana para compartilhar com os que haveriam de crer nEle a Vida Eterna, que é a vida de Deus.

O governo estaria sobre os seus ombros significando que o Messias viria da linhagem de Davi como já havia sido prometido por Deus e que Ele exerceria o Seu reinado de forma legítima tendo a carga da autoridade sobre Si.

O Profeta afirma que Ele teria cinco nomes. Todos exaltando a Majestade e Deidade do Messias. Na verdade, devemos pensar nesses nomes como uma série de títulos reais que mostravam a Sua Sublimidade sobre todos.

O nome MARAVILHOSO geralmente significa sobrenatural. Na história bíblica há narrativas de muitas maravilhas como a libertação do povo de Israel do Egito. Foram tantos os sinais na saída do Egito e na travessia do deserto! Mas a profecia diz, que o menino não só faria maravilhas, Ele em si seria maravilhoso. O Fato de Deus ter tomado a forma e natureza humana, e isto foi o que aconteceu com Cristo, mostra o quanto Ele é maravilhoso. Tem maravilha maior do que está? Deus tomando a forma de homem! Se um homem para salvar as formigas se tornasse uma formiga isto não seria algo grande? Seria. Mas, Deus tomar a forma e natureza humana foi maior do que isto. Quando Jesus curou o paralítico de cafarnaum levado por quatro amigos e perdoou seus pecados, todos exclamaram: Jamais vimos coisas assim. Não existe algo mais maravilhoso que Jesus.

O nome CONSELHEIRO demonstra a sabedoria de Cristo, o Messias. Já aos doze anos Jesus discutia acerca de lei de Deus com desenvoltura com os doutores deixando-os boquiabertos. Paulo chama Cristo de sabedoria de Deus. Jesus durante seu ministério se distinguiu e muito dos escribas e fariseus. Muitos ficavam maravilhados com sua doutrina porque ensinava com autoridade. Uma certa ocasião ensinando na sinagoga foi interpelado por um homem endemoninhado e o libertou. Ele combinava doutrina com prática. Foi posto muitas vezes em situações difíceis e sempre tinha a resposta adequada e sábia. No seu ministério trouxe palavras de vida eterna como disse Pedro e ao voltar reinará com sabedoria perfeita.

O nome DEUS FORTE é mais do que afirmar que o menino tinha um poder Divino. É afirmar a deidade do Messias, que foi maior que qualquer expectativa dos judeus. Jesus realizou milagres estupendos e incomparáveis mesmo não se valendo da Plenitude da Divindade que tinha. Ressureições, cura de paralíticos e coxos, cegos, andou por sobre as águas, multiplicou pães e peixes, acalmou tempestades e muito mais. Depois de ter cumprindo o seu ministério e ter sido elevado aos céus mostrou-se ao apóstolo João, que estava preso numa ilha, a Plenitude da Sua Divindade agora glorificada. Afirmou ser para João o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim de todas as coisas, O Deus Todo-Poderoso. É glorificado que voltará para governar a terra por mil anos e depois seu Reino durará para sempre.

O nome PAI DA ETERNIDADE mostra claramente que o menino, o messias é Deus. João não apresenta uma narrativa do nascimento de Jesus e o coloca antes de todas as coisas apresentando-lhe como o Verbo. “No princípio era Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. Na narrativa de Gênesis podemos dizer que Jesus está descrito como a Palavra que Deus proferia. Nada de errado em chamar o Messias de Pai, apesar dEle ser o Filho, porque Ele, o Pai e o Espírito Santo são um. O próprio João em seu capítulo 1 também afirma: Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nada do que é seria sem Ele. Ao entendermos isto entenderemos que o sentido da vida é glorifica-lo. “Portanto dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele seja a glória perpetuamente! Amém.”

O nome PRINCÍPE DA PAZ continua a desenvolver a ideia de Majestade do menino, do Messias. Na verdade Jesus veio para que a contenda entre a criatura e o Criador fosse resolvida. O homem dominado pelo pecado está em rebelião contra Deus e até a natureza sente os efeitos de tal contenda.  É em Cristo que encontramos Paz com Deus como está escrito em Romanos 5:1. Nas bem-aventuranças é dito que os filhos de Deus são pacificadores porque aquele que crê no Príncipe da Paz torna-se um embaixador da Paz e da Reconciliação. Como novas criaturas deixamos de contender com Deus, nos tornamos proclamadores e rogamos da parte de Deus, que os outros também se reconciliem com Deus (II Co 5:17-20).

É de ressaltar que tal profecia não é citada no Novo testamento. Mas, é claramente cristológica e promessa messiânica. Ela mostra claramente a Deidade de Cristo e também a humanidade quando diz que um menino seria chamado assim. Portanto, a profecia aborda o estado de humilhação de Cristo quanto ao seu estado também de exaltação.

Percebemos com estas verdades a profundidade do natal. Não foi mais um nascimento. Mas, foi o nascimento, o Verbo se fazendo carne, Deus habitando entre nós, o Tabernáculo e o Templo de carne em osso. Aquilo que os judeus conheciam através dos símbolos proféticos viram face a face. No natal que vejamos como Jesus de fato é e expulsamos de vez o papai Noel que é um intruso, uma mentira, que ilude.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O NATAL E O FOCO DE INCÊNDIO.

foco de incendio

Quando pensamos em natal pensamos em nascimento, felicidade, paz, fraternidade, família reunida e muitos mais predicados positivos que a data traz à lembrança. Quando analisamos o primeiro natal vamos encontrar esses elementos, mas não houve só calmaria na época natalina. Uma forte oposição se levantou contra o nascimento de Cristo tendo como protagonista Herodes, o grande, rei da Judéia.

Como estava nos planos de Deus, a encarnação de Cristo, Herodes não conseguiu matar Jesus ainda infante. Haveria de chegar no tempo de Deus a crucificação de Cristo, mas não era a hora. Aquele não era o tempo da morte e ressurreição de Jesus. O natal foi tempo do seu nascimento, mas como na vida, nem tudo foram flores, entre anjos, pastores, magos, animais e estrela houve como que um incêndio em Belém, houve uma matança de crianças por parte de Herodes de dois anos para baixo. Uso a figura do incêndio como uma metáfora. Porque houve uma combustão no coração de Herodes. Houve um foco de incêndio em seu coração. Num incêndio real e atual entre as causas habituais podemos destacar falhas ou avarias nas instalações elétricas, acidentes com velas, cigarros ou outras fontes de calor. Com Herodes o foco da combustão no seu coração foi o orgulho. Ele ordenou uma matança pela espada de crianças tentando atingir o Salvador porque viu o seu poder ser ameaçado.

Herodes é um tipo de satanás. Ele foi influenciado pelo espírito luciferiano. Ele como monarca desfrutou de uma impunidade quase absoluta. Um dos seus primeiros atos no governo foi assassinar quarenta e cinco membros do Sinédrio. Também matou seu sogro e cunhado. Forjou um julgamento para matar sua esposa Mariana, e depois matou três de seus filhos. César Augusto disse que era melhor ser porco de Herodes do que seu filho (porque ele não comia carne de porco). Herodes, um pouco  antes de  morrer, mandou matar as pessoas mais representativas do seu reino para que houvesse choro no dia de sua morte. Morreu aos setenta anos e ao invés de choro houve alegria por parte do povo no dia da sua morte. Jesus nasceu no fim da vida de Herodes, quando esse julgava seus rivais eliminados, e quando suas perturbações domésticas chegaram ao auge. Com o nascimento de Jesus o orgulho e inseguro Herodes perturbou-se e satanás usou a vaidade de Herodes como um foco de incêndio para tentar impedir o nascimento do Messias.

Nem sempre entendo a palavra orgulho como algo pernicioso. Creio que num sentido benigno a palavra pode significar um certo amor-próprio ou contentamento por alguma conquista. Não creio que eu erre ao dizer que tenho orgulho da minha filha por quem ela é. Entretanto, creio que o orgulho na maioria das vezes pode ser soberba, que desagrada a Deus e faz com que Ele resista tal pessoa. A Bíblia chama isto de soberba da vida, que foi uma das causas do primeiro pecado do homem, que quis conhecer o bem e o mal como Deus conhecia comendo do fruto proibido. C. S. Lewis tem uma frase interessante: “o orgulho é a galinha sob a qual todos os outros pecados são chocados”. No caso de Herodes sua soberba, seu amor ao poder, seu orgulho e vaidade foi um foco de incêndio numa ocasião majestosa que foi o nascimento de Cristo. No salmo 19 o salmista Davi pede no versículo 13: Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhoreie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão. Davi chama de grande transgressão a soberba, que acaba se assenhorando da pessoa. Foi o lastimável caso de Herodes.

Tal espírito é tão distante da singeleza, e beleza do natal, do seu significado, mas como vimos no primeiro natal, tal espírito satânico se opôs frontalmente ao Espírito Santo que gerou no ventre de Maria, Jesus, O Filho de Deus, Emanuel, o Salvador. Mas, a soberba, o orgulho, a jactância, não venceram Jesus. Aliás na Bíblia vemos que Faraó, Manassés, Senaqueribe, Nabucodosor, Golias, a família Herodiana e tantos outros foram até onde Deus permitiu ir. Não prevaleceram contra Deus. Herodes, o Grande, mesmo tendo obsessão pelo trono não conseguiu vencer aquele que nasceu numa estrebaria e foi deitado numa manjedoura. Os soberbos deste mundo que esbravejam seus poderes para todo mundo ouvir como Hitler, Stalin e tantos outros se prostrarão diante daquele que tomou a forma de homem e nasceu em Belém. É o que está escrito em Filipenses capítulo 2: 5 – 11:

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

Neste natal entenda a importância de você andar em humildade com o teu Deus. Procure ter o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus. No livro de Miquéias que profetiza sobre o nascimento de Cristo na pequenina Belém mostra o que Deus deseja de nós neste natal e sempre no capítulo 6:6-8:

Com que me apresentarei ao Senhor, e me inclinarei diante do Deus altíssimo? Apresentar-me-ei diante dele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o Senhor de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus?

Não é pirotecnia religiosa soberba que Deus quer. Ele quer que creiamos nEle e em Seu filho que Ele revelou.  Havendo fé genuína haverá coração contrito que Deus não rejeita. No natal não podemos ir na contramão do Deus que tomou a forma humana e nasceu numa estrebaria. Se queres andar com Deus só pode ser em fé e humildade.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O NATAL E O FRESCOR DA MENSAGEM.

natal

A medida que os anos passam muitos podem perder o frescor dos seus primeiros natais. Alguns ficam bem nostálgicos por natais que passaram e perdem o entusiasmo pela data. Lembram de músicas, das festas anteriores, de presentes que receberam etc. Na verdade, deveríamos entender, que por mais que tenhamos passado vários natais, e há mais de dois mil anos atrás Jesus nasceu, a mensagem do natal é sempre revigoradora. É sempre nova. A mensagem natalina não fica embolorada.

Paulo fala que o natal aconteceu na Plenitude dos tempos, ou seja, no momento certo da história dominada por Deus, que é Soberano sobre tudo. Jesus teria que ter nascido naquela época. Houve o Kairós de Deus para a humanidade naquela ocasião. O fato de ainda estarmos falando deste acontecimento mostra que era propósito de Deus, que assim fosse, e que a mensagem de Deus tomando a forma e a natureza humana é o maior divisor de águas da História. Sendo assim pertinente até nossos dias. Essa encarnação de Cristo mostra o quanto Deus ama e se importa com a humanidade.

A simplicidade do nascimento de Jesus deve reverberar em nossas festas atuais. A dificuldade que José e Maria encontraram para se hospedar. O fato de só terem encontrado uma estrebaria. A cama de Jesus ter sido uma manjedoura com os animais por companhia. O anúncio dos anjos que não foram feitos as grandes personalidades da época, mas aos pastores. Todos estes fatos mostram que a universalidade do natal. Pois como já falaram; pintes a tua aldeia e serás universal. A comemoração do natal para ser comemoração do natal precisa da simplicidade do coração contrito e não de tantas coisas que incorporamos em nosso tempo que não fazem parte do Natal, do nascimento de Jesus.

A oposição que Cristo sofreu por ocasião do seu nascimento por Herodes mostra também a tensão sempre latente da humanidade entre nascimentos e mortes. Todos dias nascem pessoas e outras morrem. Mas, a mensagem natalina mostra o triunfo da vida apesar da malignidade do diabo e do sistema mundano dominado por ele. A oposição em nosso tempo ganha outras formas, mas continua. O consumismo, as mentiras, as glutonarias, bebedeiras de certa forma tentam diminuir a mensagem de Deus sendo homem entre nós, mas não prevalecem.

A adoração dos reis magos, todo o sacrifício que eles fizeram e a fé que os moveram de terras tão distantes apontam que para Jesus devemos sempre oferecer o melhor. Os presentes proféticos que eles ofereceram mostram muitos sobre Cristo. O ouro indica que Jesus é Rei. O incenso mostra a Divindade de Cristo. A mirra aponta para a crucificação de Cristo. A adoração a Cristo precisa ser com o melhor e com conteúdo. Não podemos ouvir de Cristo o que a samaritana ouviu: vós adorais o que não conheceis. Depois ela conheceu que Jesus era o Messias e divulgou para seus conterrâneos a mensagem tão poderosa.

Celebre a ocasião do natal. A questão não é qual é a data Jesus nasceu, pois sabemos que não foi 25 de dezembro. A questão é que Jesus nasceu. O Emanuel esteve conosco e é Deus conosco. A questão é que você tenha tido também o seu natal. Não me refiro ao seu nascimento, mas ao seu novo nascimento. Que você tenha tido o natal da fé e a compreensão do significado do nascimento, morte e ressurreição de Jesus. Pois, se assim aconteceu você nasceu de novo!

Deus renove a sua alegria neste natal. Natal é sempre novidade. Tem sempre o frescor da Boa notícia. Foi como os anjos proclamaram: Não temais, porque eis que trago novas de grande alegria, que será sinal para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje O Salvador, que é Cristo, o Senhor. Grande notícia! Bendita intervenção Divina! O Messias já veio! E viveu entre nós! Foi vista a Sua Glória, como a Glória do unigênito do Pai, cheio de Graça e de Verdade. Louvado seja O Senhor!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).