Arquivo da categoria: Pecado

SENTIMENTO DE URGÊNCIA.

urgente

Jo 9: 4 – Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Queiramos ou não temos que lidar com a questão do tempo. Ele passa de forma inexorável. Quando nascemos, nascemos num determinado dia e crescemos vivenciando o tempo que nos é dado. Creio que a sabedoria é imprescindível para que lidemos adequadamente com o tempo. Moisés pediu a Deus para ensiná-lo a contar os dias até que ele adquirisse um coração mais sábio. Mostrando a essencialidade de se viver discernindo, fazendo as escolhas adequadas aproveitando bem e com sabedoria o tempo que se vive.

O ditado popular afirma que a pressa é inimiga da perfeição. Mostrando que o povo entende que para se fazer bem feito e organizado é preciso fazê-lo no tempo adequado. Porém, podemos afirmar que este ditado não é uma verdade absoluta. A pressa pode ser muitas vezes precipitação, ansiedade e ausência de maturação. Todavia, o versículo escolhido desta mostra que para fazermos a obra de Deus neste mundo precisamos ter sentimento de urgência quando o assunto é pregar o evangelho para tirar as vidas das trevas, da cegueira espiritual.

A imprevisibilidade da vida é um aspecto importante para que consideremos a decisão acerca da eternidade urgente. Não sabemos quando a morte chega. Sabemos pela Palavra de Deus que depois da morte segue o juízo, ou seja, já não há mais nada a ser feito. Colheremos a eternidade com Deus ou sem Deus. É na vida que devemos tomar a decisão. A palavra de Cristo alerta que a noite chegará e não se poderá fazer mais nada quanto a questão da eternidade. Portanto, a Igreja precisa ter um sentimento de urgência quanto a pregação do evangelho porque alguém só pode ser salvo enquanto tiver vida.

Há Igrejas avessas a organização. Há outras que são tão organizadas que não se abrem para um direcionamento específico do Espírito Santo. Não podemos pender para os extremos. A direção do Espírito e a organização não são incompatíveis, ou excludentes. A forma como é descrita a criação no livro de Gênesis mostra claramente como Deus criou tudo harmonicamente e perfeito. A preocupação dos apóstolos em escolher um substituto para Judas Iscariotes mostra uma organização eclesiástica já em formação. Quando Jesus multiplicou os pães e peixes primeiramente agrupou as pessoas em pequenos grupos para que todos se alimentassem. Esses exemplos apontam para a necessidade da Igreja Local organizar-se segundo a direção do Espírito para que as prioridades da evangelização e de missões sejam realizadas urgentemente e eficientemente no Poder de Deus. Ter o sentimento de urgência não significa agir de forma desorganizada.

A inconformação não pode ser vista sempre como algo negativo. O inconformado não é necessariamente o rebelde. Romanos capítulo doze que todos conhecem bem exorta-nos a não aceitarmos a forma do mundo. Portanto, o sentimento de urgência está harmonizado com este princípio porque ao priorizarmos a pregação do Evangelho levaremos pessoas a serem libertas da “forma” e “prensa” humana que amolda a pessoa segundo a vontade do inimigo de nossas almas – Satanás.

O povo de Deus não pode ser “letárgico”. Viver como num “torpor”. Seu discernimento precisa estar aguçado. Portanto, o povo de Deus não pode ficar num “marasmo” quanto a obra de evangelização e missões. Paulo exclamou: “ai de mim se não anunciar o Evangelho”. Pregar é um imperativo que não pode ser realizado de forma secundária. A salvação das almas é prioridade. Façamo-nos com sentimento de urgência.

Satanás certamente trabalha através dos “secretários” formas de retardar o progresso da Igreja quanto a obra de evangelização. Ele se opõe de forma frontal, velada ou sutil, mas certamente trabalha para nos impedir de ganhar almas. A famosa palavra de Cristo de que as portas do Inferno não resistirão a Igreja do Senhor nos mostra que quando a Igreja avança pelo Poder de Deus vence a resistência e a oposição maligna. O inimigo de nossas almas põe uma lente de aumento em si mesmo para intimidar. Ele brame como um leão, mas não é, ele usa de falsidades. O verdadeiro leão, é o leão da tribo de Judá, Jesus Cristo que venceu e despojou os principados e potestades, e a Igreja como Seu corpo triunfa sobre as resistências e obras de satanás.

Portanto, sem receios façamos a Obra de Deus com empenho sabendo que a eternidade de muitos sobre condenação podem ser evitadas e isto só mudará se enquanto for dia as almas ouvirem e crerem no Evangelho.

(Oautor do artigo é o Pr. Eber jamil, dono do blog).

Anúncios

A SOMBRA DE UMA CRUZ NO NATAL.

sombra da cruz

Existe uma música natalina bem tocante onde se canta que havia na ocasião do nascimento de Jesus uma sombra de um cruz. Creio que a ideia não é apenas oriunda do compositor. É fato que Jesus ao nascer tinha o objetivo de entregar-se por amor a nós numa cruz como se entregou. Parte do cântico tem a seguinte letra:

Existe algo ali junto ao berço

Cuja a forma uma cruz faz lembrar

Junto ao berço ali

Vejo a sombra de uma cruz

É a cruz que meu Jesus vai levar

(…)

Na manjedoura onde está Jesus a repousar

Eu posso ver a sombra de uma cruz

Aquele que é luz em noite fria posso ver

Vejo a sombra, vejo a sombra de uma cruz

(…)

Deus, o Soberano, de antemão já havia providenciado em seu coração a solução para a escolha pecaminosa que o primeiro homem faria e que afetaria toda a humanidade. Em Ap 13:8 mostra que Jesus foi o cordeiro de Deus morto antes da fundação do mundo. Portanto, antes dele ter tomado a forma e natureza humana, nascendo de Maria, Deus já havia planejado que um dia O Eterno Jesus nasceria no ventre de uma mulher conforme Gênesis 3:15 para depois dar sua vida em favor de muitos. Então, figuradamente é como se existisse a sombra de uma cruz na manjedoura.

O versículo central da Bíblia que é João 3:16 mostra que Deus enviou propositadamente a Jesus, Seu filho, para que o homem que cresse nEle não vivesse mais sobre a condenação eterna: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

A história da humanidade sobre o domínio de Deus caminhou para que na Plenitude dos tempos Jesus viesse nascido de mulher (Gl 4:4) e depois fosse crucificado para a salvação dos homens. O nome dado por Deus a Jesus no seu nascimento é a forma grega do nome hebraico “Yeshua” que quer dizer “o Senhor Salva”, que no antigo testamento em português aparece como Josué, e no novo Testamento como Jesus. O nome Jesus foi aquele que o anjo do Senhor ordenou a José a dar ao filho de Maria, sua noiva, que nasceria (1:21). Portanto, o nome foi escolhido por Deus, em nome de quem o anjo falou. O nome descreve o que Jesus estava destinado a fazer: “Ele salvará o seu povo dos seus pecados” (1:21). Havia realmente como que uma sombra de cruz no nascimento de Jesus.

Na Bíblia percebemos que já aos doze anos de idade Jesus sabia que veio para cuidar dos “negócios” do Pai Celestial. Quando seus pais terrenos o acharam, pois haviam perdido ele de vista, conversando com os doutores em Jerusalém, Jesus falou para eles: “Por que é que me procuráveis? Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai?”. Numa ocasião Jesus afirmou que seu alimento era realizar a vontade do Pai: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra (Jo 4:34). Ele sabia a sua missão e sabia que tinha uma hora certa para que acontecesse. No seu primeiro milagre Maria lhe informou que estava faltando vinho no casamento e Jesus respondeu a ela que ainda não era a hora dele cumprir totalmente a vontade de Deus, mas na cruz Ele cumpriu e disse: Está tudo consumado!

Na semana que Ele seria crucificado uma comissão de gregos desejou falar com Ele e procuram Felipe dizendo: Queremos ver a Jesus. Muitos pregadores por inferência entendem que os gregos queriam convidar Jesus para ir a região da Grécia para apresentar seus ensinos. Se Jesus tivesse aceitado hoje o cristianismo seria hoje mais uma escola filosófica e não o evangelho de Deus. Jesus fala sobre a necessidade da sua morte e disse que tinha vindo do céu para este fim. Observe a narrativa de João nos versículos 22 a 27 do capítulo 12:

Filipe foi dizê-lo a André, e então André e Filipe o disseram a Jesus. E Jesus lhes respondeu, dizendo: É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado. Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará. Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora.

Esta sombra da cruz figuradamente na manjedoura mostra que desde os tempos eternos já estava ordenado por Deus que Jesus, Seu Filho, se entregasse por nós. A forma como Jesus perseverou neste propósito durante todo seu tempo na terra e fê-lo suportar a vergonha, o sofrimento da cruz é citada como exemplar na carta aos Hebreus. O autor diz que como servos de Deus estamos numa corrida para alcançar a semelhança de Cristo e devemos correr olhando para Jesus, o Autor e Consumador da fé, que cumpriu seu objetivo e hoje está à direita de Deus intercedendo por nós. Assim, acontecerá conosco – concluiremos a carreira, que deve ser desembaraçada, e alcançaremos pela fé do início ao fim o supremo alvo do cristianismo: ser semelhante a Jesus, pois é assim que o veremos. Que a sombra da cruz no natal seja uma inspiração para você continuar seguindo de perto a Jesus, renunciando a si mesmo, tomando sua cruz até por uma coroa trocar. Aleluia!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

CORAÇÃO FÉRTIL.

frutos

Por natureza o nosso coração não era boa terra, mas Deus amoleceu, retirou pedras e espinhos, convertendo-o.  Ele revolveu a nossa terra para produzirmos fruto. Agora, o nosso coração está apto a ouvir, compreender e receber a Palavra de Deus. Por isto retemos a semente da Palavra de Deus e frutificamos espiritualmente. A Glória da salvação é de Deus e não dos homens. Só Deus muda o coração! Nós estávamos presos em nossa obstinação. O entendimento estava cego pelo deus deste século. Mas, ao ouvir a Palavra de Deus e a ação convencedora do Espírito tivéssemos a possibilidade de aceitar ou rejeitar a Palavra. Tal volição não nos faz meritório da salvação, porque se não fosse a ação do Espírito não teríamos a vontade de aceitar. Não está na natureza humana uma forma de salvar a si mesmo, por mais que tente, o homem não consegue alcançar por si só.

A iniciativa da salvação pertence a Deus. Se Deus não amasse o homem primeiro o homem não poderia amá-lo. Se Deus não estendesse a mão ao homem o homem não poderia estender a mão de volta. Sempre é tocante ler que Lídia teve o coração aberto por Deus para compreender a mensagem. Foi na casa dela que se reuniu a primeira igreja da Europa. Lídia foi alguém que frutificou e é da natureza de quem nasce de novo fazê-lo. Observemos que o coração fica fértil pelo trabalho do Espírito e frutifica pelo poder da Palavra lançada. Como a semente só dá fruto se primeiro morrer assim a pessoa nascida de novo só frutifica porque a velha natureza não domina mais.  Ocorre a morte do velho homem e nasce uma nova criatura. Quem crê em Jesus já passou da morte para a vida.

Agora, como discípulo de Jesus, negaremos a nós mesmos, tomaremos a nossa própria cruz e daremos frutos de acordo com a nova natureza que recebemos. Os frutos são coerentes com a nova criatura que nos tornamos. Não se pode esperar do abacateiro a não ser abacates. Assim é com o nascido de novo que dá frutos de nascido de novo em Cristo Jesus. Tiago asseverou que a fé sem obras é morta, ou seja, não existe. Alguém com fé em Jesus realizará obras se tiver tempo hábil para fazê-lo. Entretanto, é bom que se enfatize que a salvação é recebida somente pela fé e as obras que decorrem da fé são possíveis por causa do novo nascimento que ocorre após a fé em Jesus.

Jesus falando sobre os falsos profetas afirmou que pelos frutos deles seriam conhecidos e assim é, o falso e o verdadeiro serão evidenciados pelos frutos. Isto não significa que o verdadeiro deixará de pecar, mas quando pecar responderá sempre com arrependimento. O maior dos milagres é o novo nascimento. O milagre de cura não impede ninguém de morrer de outro tipo de enfermidade, ou de acidente. Mas, o nascido de novo, mesmo que passe por dificuldades, tem vida eterna que não será jamais tirada. Tal coração deixou de ser infrutífero para ser fértil e frutífero.

Quando nos examinámos pessoalmente para participar da ceia do Senhor rememoramos o significado do sacrifício de Jesus e a promessa da Sua volta. Só podemos participar da mesa do Senhor porque já temos a convicção de que somos parte do corpo de Cristo, ou seja, nascidos de novo, que tem a convicção de que foram transformados pelo Espírito Santo. Não mais uma vida infértil, mas fecunda para a Glória de Deus. Sempre é bom que ponderemos a respeito da nossa caminhada cristã e os frutos é uma boa maneira de avaliarmos como estamos. Quando escrevo sobre fruto não me refiro especificamente e somente a conversão de almas através da nossa instrumentalidade, mas de tudo que sai do nosso interior. Aquilo que pensamos, aquilo que falamos e aquilo que fazemos ou deixamos de fazer. É da natureza do nascido de Deus dar bons frutos porque Deus assim fez! A semente que é a Palavra é boa então os frutos serão bons! Boa colheita!

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

FRASES POSTADAS NO TWITTER 65

sabedoria

26 de set

Nem sempre voltar atrás é regredir. Lembra que Jesus disse a Igreja de Éfeso: “Lembra de onde caístes” e “ pratica as primeiras obras”.

28 de set

A verdade da Palavra de Deus não deve ser apenas defendida como doutrina, mas a verdade precisa ser vista como verdade na prática cristã

4 de out

O entendimento de hoje do que seja um homem de Deus passa longe de alguém que se considere fraco, mas é o fraco que é forte.

5 de out

O interior do homem conta muito. Se não houver pacificação na alma mesmo que a maré esteja para peixe a pessoa não estará bem.

6 de out

O pecado muitas vezes é revestido de uma aparente atitude de liberdade, mas a pessoa não consegue deixar de praticar a ilusória liberdade.

10 de out

Alguns ficam incomodados quando há um silêncio profundo.A sensação que eles têm é que o silêncio grita,mas o que deve estar gritando é a alma.

11 de out

Quando a oração se torna pragmática perde-se o sentido da oração.Você por acaso acha que Deus não sabe quais são as nossas necessidades? Ele sabe.

12 de out

Temos que viver o evangelho de tal forma que o falar de Cristo seja tão natural quanto o respirar. A boca fala do que o coração está cheio.

13 de out

Quando a crítica aponta para algo que devemos mudar, mudemos. Quando for para aperfeiçoar, aperfeiçoemos. Mas, nunca sejamos como o xuxu que pega gosto de tudo.

15 de ot

Ensinar, conhecer e compartilhar são formas de celebrar a vida porque é o contrário da estagnação. É vida com outra vida em busca do conhecimento.

(O autor das frases é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

CONHEÇA O DEUS DA BÍBLIA.

DEUS DA BÍBLIA

A Palavra foi inspirada por Deus há cerca de 40 homens. Ela contém tudo que é necessário para nos guiar nesse mundo turbulento. Deus é um Deus que se comunica e utilizou a escrita não anulando a personalidade dos escritores, mas lhes imprimindo a inspiração. Ela é verdadeira e perfeita, faz distinção entre o que é justo e o injusto. É bem melhor que os nossos Gps atuais que não sabe discernir distintamente quando os nomes das ruas são semelhantes e acabam nos guiando para locais perigosos. Na Bíblia o doce é doce e o amargo é amargo. Não há uma zona cinza entre a luz e as trevas. Ela é lâmpada para os pés e luz para os caminhos. Seus caminhos são aclarados.

Muitos andam por um caminho de engano porque são gratificados intelectualmente pelo conhecimento dEla, mas sem um real arrependimento, que teria dado uma guinada de 180 graus na vida deles. Como conhecem intelectualmente a Bíblia pensam ser isto suficiente, mas não é. É preciso que a Palavra seja vida na pessoa. A capacidade intelectual sem a ação do Espírito não pode compreender e acessar as Escrituras como elas são – espirituais. A Bíblia deixa claro que só os espirituais discernem as coisas espiritualmente. Se O Espírito Santo não abrir o entendimento as Escrituras não serão realmente compreendidas.

Ainda é bom que se dê uma alerta que a Palavra não foi nos dada para ser apenas compreendida, mas para ser praticada. Ser ouvinte e não praticante é como ouvir sobre o remédio, mas não tomar. É ouvir sobre o caminho que deve seguir, mas não segui-lo. Quando a fé nasce no coração de alguém pela Palavra a pessoa viverá o que ela diz e caminhará segundo sua orientação. Porque se assim não for é como uma casa edificada na areia, que não resiste as tempestades.

Creio que aquele que fica apenas embevecido pelo conhecimento das Escrituras, mas não pratica, tende ao envaidecimento e olhar os outros como seres inferiores. Porque acham conhecer mais, mas tal conhecimento é infrutífero, e no frigir dos ovos é como se não conhecesse. Porque o conhecimento traz responsabilidade e a responsabilidade da prática. Conhecer sem praticar é semelhante ao suicídio porque traz responsabilidade, mas não se tem vida para realizar, trazendo para si morte e juízo.

Oro para que minhas palavras despertem você do sono espiritual, se for o seu caso, que pensa ser “detentor” do conhecimento, mas o que conhece é a letra, estando infelizmente verdadeiramente morto. Não entre na “onda” do debater por debater. Não entre na “onda” da polêmica pela polêmica. Quem fica usando a Palavra assim pensa que está fazendo algo, mas está andando em círculos e não sai do lugar. A Bíblia precisa ser conhecida, sim, precisa ser aprofundada no seu conhecimento, sim, mas precisa ser aplicada no cotidiano e praticada.

O autoengano pode trazer um certe doce para vida, mas é falso, é ilusório, porque é no fundo apenas um fruto da carne, é apenas orgulho. O resultado é desastroso. Como no final da parábola dos sois construtores Jesus alertou que a casa edificada na areia teria uma grande queda. A queda que devemos querer é aquela queda de rendição diante de Deus. É a queda do arrependimento, da adoração, da contrição. Não queiramos cair por causa do autoengano porque o seu fim é a morte, se não houver arrependimento em tempo hábil. Se você é um dos tais, que está enganado apesar da gratificação, que a Palavra de Deus traz, digo que ainda é tempo de conversão, e que ainda é tempo de você conhecer O Deus da Bíblia.

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

CORAÇÃO ESPINHOSO.

espinhos

A parábola do semeador é rica em lições. Jesus usou uma linguem comum que os judeus conheciam no seu cotidiano, que tem uma linguagem universal e pertinente até os dias de hoje. Dentre os solos ilustrados quero destacar o solo cheio de espinhos.

Os espinhos que sufocam o nosso coração são as coisas que sufocam a Palavra de Deus em nós. São as ansiedades, preocupações, cuidados, relativos aos interesses desse século. Como as riquezas que prometem satisfazer, mas não satisfazem. A Palavra de Deus chega a crescer num coração como este, mas não prospera. Na verdade, se algo tem a capacidade de sufocar a Palavra em nós isto mostra que tais coisas são ídolos. O coração fica assoberbado sem o espaço para a Palavra crescer.

Jesus advertiu que onde está o teu tesouro ali estará o seu coração. Aquilo que consideramos tesouro é aquilo que amamos, priorizamos e focamos nossa atenção. Se as coisas que perecem ocupar um espaço demasiado em nossos corações nos dividirão e farão com que não sirvamos a Deus com inteireza.

Quem está nesta situação precisa crer em Deus como o único Deus verdadeiro e crer em Jesus como Seu Filho sendo Ele o único caminho para se achegar a Deus. Tal fé levará ao arrependimento e abandono dos ídolos que dividiam o coração. Assim a Palavra não será sufocada pelos “cuidados”. Terá Deus em Primeiro. Buscará o Reino de Deus em primeiro lugar. Esta é a atitude. A Palavra que é pregada frutificará muito nos corações e não será sufocada pelos interesses deste mundo.

Jesus alertou a impossibilidade de servir a dois senhores. Quando afirmou isto citou o deus “mamom”, que era o “deus das riquezas”. Podemos ampliar o significado para tudo que há no mundo que pode assenhorar-se do nosso coração impossibilitando o crescimento da Palavra de Deus em nós. O profeta Elias conclamou ao povo de Israel a tomar uma decisão: “até quando coxeareis entre dois pensamentos?” Exortou-os a escolher entre Deus e baal? Josué também pediu uma decisão ao povo: Escolham hoje a quem sirvais? Josué respondeu a sua própria pergunta: eu e minha casa serviremos ao Senhor.

Desta forma o coração não será mais solo espinhoso, mas será terra fértil e dará fruto a trinta, sessenta e até cem por um. As obras não serão mais titubeantes. Serão feitas com inteireza de coração. Deus deseja que O amemos com todo coração, toda alma e todo entendimento. Quem assim amar também amará o próximo como Jesus amou. Os frutos da vida com Deus vicejarão. Trazendo resultados nas vidas em volta.

A fecundidade é uma das marcas daqueles corações que foram transformados pelo evangelho. A fé que veio através da Palavra de Deus se visibiliza e traz resultados como obras coerentes com novo coração. Não há mais “sufoco”, “assoberbamento”. Agora é tempo de frutificar! Ocorreu pela fé uma união com Cristo: Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer (João 15:5)

(O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).

O INCONFORMISMO QUE É DE DEUS.

sede de deus

O inconformismo pode ser desagradável de sentir, mas a consciência de que não se está bem pode ser o resultado do trabalho do Espírito Santo na pessoa que está sendo convencida a ter uma mudança de vida. O pecado tem no início um efeito letárgico. Há um lapso de tempo até o indivíduo ter uma exata noção da gravidade do seu ato. No início do arrependimento ocorre a melhor das quedas quando a pessoa “cai em si” e percebe a sua real condição que estava nebulosa pelo efeito do pecado cometido. Ele sente sua pecaminosidade e inadequação que leva ao inconformismo consigo mesma. É a tristeza segundo Deus que leva ao arrependimento, que é sentida pela ação do Espírito Santo.

Alguns por sua jactância e endurecimento resistem a ação do Espírito e enfrentam a situação do pecado com saídas que enganam a si mesmo, tais como o viés ritualístico religioso ou por ações e sentimentos autopunitivos. Piorando seu estado pois se alastram na alma e até no corpo físico.

O homem não consegue resolver o problema do pecado. Seu estado é incapaz de fazê-lo e incapaz de senti-lo por meios próprios o arrependimento, o inconformismo, que leva a Jesus. Se Deus não convencer não lhe é possível.

Além do arrependimento o inconformismo pode anteceder um avivamento. O povo antes do avivamento tem a consciência de que seu estado é aquém da vontade de Deus e não fica satisfeito com isto. Junto com o quebrantamento, o inconformismo diante da crise são terrenos, que O Senhor está preparando para avivar e renovar.

No meio cristão o inconformismo na maioria das vezes é associado a rebeldia e murmuração, e pode ser assim. Entretanto, como tenho mostrado ele pode anteceder ao arrependimento, ao avivamento e a uma vida mais plena.

Sim, antecede a vida plena também. Pois, o desejar mais de Deus, mais do Seu Espírito pode ser fruto de uma consciência que há mais de Deus para receber e se aprofundar. É o desejo essencial de realizar a Vontade de Deus em sua vida de forma semelhante a fome que deseja o alimento. Deseja-se nada menos do que a vida abundante que Cristo conquistou: abundante de paz, contentamento e direção do Espírito.

A vida plena é quando se vive na plenitude do Espírito, quando a pessoa é cheia do Espírito, e chegou a maturidade espiritual, que é a amizade com Deus, que tem a marca da obediência, do temor e do companheirismo. A pessoa discerne as coisas espirituais com as espirituais não sendo levado pelos ventos das heresias que demovem os meninos na fé. Na amizade com Deus há um maior entendimento da vontade de Deus, pois a pessoa apresenta-se diante de Deus como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, não se conformando com este mundo e tendo a mente renovada pela Palavra de Deus.

Com estas afirmações chegamos a conclusão que Deus em Sua Soberania usa certas circunstâncias que parecem ser obtusas, não afinadas com nossa história para que o nosso coração venha ser transformado. Já para aqueles que conhecem a Jesus a crise, o inconformismo tira a pessoa de uma possível zona de conforto que leva a uma maior busca pela vontade de Deus, que é saciada em Cristo.

( O autor do artigo é o Pr. Eber Jamil, dono do blog).